Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/32308
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_MarcoCastilhoFelício.pdf1,5 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: A nação angolana à deriva : utopia e distopia em Mayombe e Predadores, de Pepetela
Autor(es): Castilho, Marco
Orientador(es): Silva, Ana Claudia da
Assunto: Pepetela, 1941 - crítica e interpretação
Literatura - pós-colonialismo
Literatura - crítica e interpretação
Data de publicação: 18-Jul-2018
Referência: CASTILHO, Marco. A nação angolana à deriva: utopia e distopia em Mayombe e Predadores, de Pepetela. 2018. 115 f. Dissertação (Mestrado em Literatura)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: Esta dissertação analisa a obra do autor angolano Pepetela, notadamente os romances Mayombe (2013) e Predadores (2005). O escritor tem uma relação orgânica com o processo histórico do país desde a década de 1950, no ativismo político, na luta armada e na literatura. As duas obras são importantes pois ficcionalizam o movimento utópico-distópico, representado, por um lado, pela crença no projeto socialista de Estado defendido pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), e, por outro lado, pela desventura do processo de modernização do país, marcado pela atuação predatória da elite nacional e pela fragilidade política dos segmentos sociais subalternizados. A pesquisa relaciona o corpus aos pensamentos de Frantz Fanon (1968) e Amílcar Cabral (1975), e às críticas de Edward Said (2011) e Gyorgy Lukács (2011a, 2011b), situando-se no debate pós-colonial, considerando que a narrativa de Pepetela oferece um contraponto às narrativas hegemônicas. Dessa forma, este estudo contribui para fortalecer os vínculos de solidariedade transatlântica, aprofundando o conhecimento de literatura africana de língua portuguesa no Brasil.
Abstract: This dissertation analyses the work of the Angolan author Pepetela, mainly the novels Mayombe (2013) and Predadores (2005). The writer has had an organic relationship with the country’s history since the 1950’s, both through political activism and literature. These two works are important because they fictionalize the utopic-dystopic movement, represented, on the one hand, by the belief on a socialist project of State, defended by the Popular Movement of Liberation of Angola (known as MPLA) and, on the other hand, by the unfortunes of the country´s modernization process, marked by the predatory action of the national elite and by the political fragility of the subalternized social segments. The research relates the corpus to the thinking of Frantz Fanon (1968) and Amílcar Cabral (1975), and to the Edward Said’s (2011) e Gyorgy Lukács’ (2011a, 2011b) criticism. It situates itself in the postcolonial debate, as Pepetela offers a counterpoint to hegemonic narratives. Therefore, this research contributes to the improvement of the transatlantic bonds of solidarity, deepening the knowledge about Portuguese-speaking African literature in Brazil.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Teoria Literária e Literaturas, Programa de Pós-Graduação em Literatura, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:TEL - Mestrado em Literatura (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.