Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/24298
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_FelipeHenriquePorfirioSilva.pdf2,29 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: “Por dentro e por fora do Estado” : estratégias e desafios no processo político de constituição do Movimento Indígena no Brasil contemporâneo
Autor(es): Silva, Felipe Henrique Porfirio
Orientador(es): Teixeira, Carla Costa
Assunto: Movimento Indígena
Índios - aspectos sociais
Índios - etnografia
Data de publicação: 25-Ago-2017
Referência: SILVA, Felipe Henrique Porfirio. “Por dentro e por fora do Estado”: estratégias e desafios no processo político de constituição do Movimento Indígena no Brasil contemporâneo. 2017. 141 f., il. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Resumo: Neste trabalho me proponho a refletir sobre como tem se dado a participação do Movimento Indígena na atual arena política da sociedade brasileira. Para tanto busco, então, observar o modo como são construídas as relações entre militantes do Movimento Indígena com agentes e órgãos estatais a partir de uma análise etnográfica e comparada entre dois eventos: a 1ª Conferência Nacional de Política Indigenista (ocorrida ao longo de todo o ano de 2015) e o 13º Acampamento Terra Livre (ocorrido em maio de 2016). A importância de uma análise comparada entre esses eventos está no fato deles representarem duas formas distintas de participação social, respectivamente, uma que se dá “por dentro” do Estado e outra que se dá “por fora” de seus mecanismos institucionais. Fornecendo-nos, com isso, algumas pistas para compreendermos algo sobre as diferentes estratégias políticas implicadas nessa complexa e heterogênea relação que se constrói entre Movimento Indígena e Estado. Refletir sobre Movimento Indígena, todavia, não é das tarefas mais fáceis e isso por conta da própria dimensão e diversidade interna que compõem esse Movimento. É preciso levar em conta que dentro da ideia de um Movimento Indígena (referido no singular pelos seus próprios militantes) existem na verdade muitos movimentos indígenas que, por sua vez, refletem a diversidade das situações sociais vividas pelos indígenas no Brasil. Mas se estas situações sociais são tão diversas, por que, então, esses militantes, durante os eventos acima mencionados, faziam questão de destacarem constantemente a ideia de que faziam parte de um mesmo Movimento? Qual a importância estratégica dessa denominação na atual luta política dos povos indígenas? E, assim, quais as possibilidades e os desafios que estão, portanto, implicados nessa estratégia? São estas algumas das questões principais que tomo como base para desenvolver este trabalho.
Abstract: In this work, I propose a reflection upon how the Indigenous Movement participates in the current state of affairs of the Brazilian political situation. For that purpose, I seek to observe how indigenous political activists build a relationship with federal agents and agencies through the comparative ethnographic analysis of two events: the 1st National Conference on Indigenous Politics (that took place in many venues during 2015) and the 13th Terra Livre Camping (set in May 2016). The relevance in comparing these two events lies in the fact that they represent two distinct ways of social participation. One that happens within the Administration boundaries and the other around its institutional devices. The resulting analysis provides us with signs pointing to the different political strategies in use during the negotiation of a sometimes complex and heterogeneous relationship between the Indigenous Movement and the State. However, to ponder over the Indigenous Movement is no simple task because of its large dimension and diversity held within its cause. It is necessary to take into account that inside the idea of an Indigenous Movement (referred strictly by its members in the singular) there contains many others indigenous movements, that, in turn, reflects the diversity of social backgrounds that the present indigenous populations found themselves. That leads us to some questions: Notwithstanding the fact that the needs of this movement are so plural, why do they insist on stressing the idea that they all belong to the same movement? What is the strategic importance of this denomination in the present political struggle? Moreover, what are the possibilities and challenges implied in that strategy? Those are some of the questionings that I took as support to elaborate this dissertation.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Antropologia, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, 2017.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:DAN - Mestrado em Antropologia (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.