Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/21320
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_SâmellaMichellyFreitasRusso.pdf1,91 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: A estética fragmentária e a dialógica lacunar nos castelos de Franz Kafka e Michael Haneke
Autor(es): Russo, Sâmella Michelly Freitas
Orientador(es): Silva Junior, Augusto Rodrigues da
Assunto: Kafka, Franz, 1883-1924 - crítica e interpretação
Dialogismo
Cinema e literatura
Haneke, Michael, 1942- crítica e interpretação
Data de publicação: 23-Ago-2016
Referência: RUSSO, Sâmella Michelly Freitas. A estética fragmentária e a dialógica lacunar nos castelos de Franz Kafka e Michael Haneke. 2016. 115 f., il. Dissertação (Mestrado em Literatura)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: Tendo a fragmentação e a elipse como métodos estruturantes no modo de contar histórias, a literatura de Franz Kafka e o cinema de Michael Haneke instauram narrativas enigmáticas. Eleito o romance O Castelo como ponto de partida, o filme homônimo dirigido por Haneke busca a materialização imagética da linguagem protocolar kafkiana, convergindo para o seu cinema literário. Propomos então realizar uma reflexão crítica e analítica da transposição midiática orquestrada pelo diretor alemão do romance inacabado de Kafka. Respondendo à imensa crítica do escritor, intentamos estabelecer uma leitura literal do texto romanesco, evitando as exegeses que tendem a condicionar a tônica de sua literatura. Em seguida, acessando toda a filmografia do diretor, foi possível conjeturar panoramas, a fim de investigar de que maneira a prosa kafkiana serve de substrato na edificação de sua controversa estética. Walter Benjamin, Theodor Adorno, Roberto Calasso e Milan Kundera conduziram a trajetória analítica da obra literária, especialmente por se tratar de teóricos que teceram importantes contribuições para a compreensão da prosa do autor tcheco. Com o intuito de delinear as vicissitudes desse encontro interartístico entre escritor e diretor e a tônica dialógica daquilo que chamamos de “cinema de liberdade”, recorremos essencialmente a Mikhail Bakhtin e à Estética da Recepção, além de Roland Barthes e Robert Stam. Nessa arena dialógica das artes, ao absterem-se de decretar a palavra final sobre aquilo que é escrito ou mostrado, escritor e diretor se encontram na edificação de linguagens verbais e imagéticas que provocam o ativismo de leitores e espectadores. _________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
Having the fragmentation and the ellipse as structuring methods in the way of storytelling, both Franz Kafka’s literature and Michael Haneke’s cinema manage to set enigmatic narratives. With the novel The Castle elected as starting point, the homonymous movie directed by Haneke aims an imagetic materialization of the solemn Kafkaesque writing, converging to his literary cinema. This proposal intends to set forth a critical and analytical reflection on the mediatic transposition of the unfinished Kafka’s novel orchestrated by the German director. Responding to the overwhelming criticism of the writer, we seek to establish a literal reading of his novelistic text while avoiding the exegesis that tend to constrain his literature’s keynote. After accessing the entire filmography of the director, it was possible to conjecture viewpoints in order to investigate in which way the Kafkaesque prose serves as substrate to his contentious aesthetics. Walter Benjamin, Theodor Adorno, Roberto Calasso and Milan Kundera conducted the literary work’s analytic path, mainly for being scholars responsible for offering important contributions for the comprehension of the Czech author’s prose. Seeking to outline the vicissitudes of this interartistic meeting between writer and director, and the dialogic keynote of that which we call “freedom cinema”, we turn essentially to Mikhail Bakhtin and the Reception Aesthetics, besides Roland Barthes and Robert Stam. In this artistic dialogical arena, by refusing to state the final meaning of what is written or shown, both writer and director work together to build verbal and imagetic languages that provoke the activism of readers and viewers.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Teoria Literária e Literatura, Programa de Pós-Graduação em Literatura, 2016.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:TEL - Mestrado em Literatura (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.