Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/9048
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2006_RachaelAnnelieseRadhay.pdf1,78 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorMagalhães, Maria Izabel Santos-
dc.contributor.authorRadhay, Rachael Anneliese-
dc.date.accessioned2011-07-13T23:49:48Z-
dc.date.available2011-07-13T23:49:48Z-
dc.date.issued2011-07-13-
dc.date.submitted2006-07-03-
dc.identifier.citationRADHAY, Rachael Anneliese. Discurso e poder na política de imigração brasileira. 2006. x, 334 f., il. Tese (Doutorado em Linguística)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.en
dc.identifier.urihttp://repositorio.unb.br/handle/10482/9048-
dc.descriptionTese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Línguas Clássicas e Vernácula, 2006.en
dc.description.abstractA relação entre o discurso e o poder na política de imigração brasileira é complexa, pois se trata de várias redes interligadas. Existe a esfera pública dos representantes de imigração do Estado e, ao mesmo tempo, existem os mundos de imigrantes. Nesse sentido, o discurso da imigração pertence à prática institucional e também ao mundo pessoal do(a) imigrante. Portanto, há percepções distintas da imigração. Essas percepções pressupõem relações e redes de poder, naturalizadas e construídas no discurso da imigração. Desse modo, nesta pesquisa procurou-se examinar a política de imigração brasileira em relação ao discurso e o poder. Com base em Fairclough (1999; 2003) e Wodak et al (1999), a pesquisa examinou como os elementos lingüísticos tais como nominalizações, escolhas pronominais, e processos que contribuem para construir pressupostos no discurso da imigração. Esses pressupostos servem para constituir argumentos que fortalecem a hegemonia do Estado em que o(a) imigrante é construído ora como ameaça à segurança nacional, ora como ameaça à mão-de-obra brasileira. Ao mesmo tempo, existe uma discriminação marcante na representação e na avaliação de imigrantes, pois os(as) imigrantes com investimentos altos ou com conhecimento técnico especializado são bem-vindos enquanto os(as) imigrantes em desvantagem social são desvalorizados, tidos como despreocupados com a sua situação legal no país. A pesquisa comprovou também mediante a etnografia que existe uma distância entre o discurso da imigração do Estado e os relatos e as experiências de imigrantes, em que está embutido um pressuposto principal: a busca de uma vida melhor e um interesse em legalizar-se no país. Notou-se ainda que entre os(as) imigrantes existem diversas redes, que marcam ora solidariedade, ora relações de exploração. Além disso, tornou-se aparente que o(a) imigrante não se enquadra necessariamente nas representações e nas avaliações estereotipadas do Estado. Entre os(as) imigrantes, foi possível observar que fazem uma distinção entre o Estado como representação de trâmites burocráticos e o país como espaço acolhedor. Concluiu-se que o discurso e o poder remetem a hierarquias de contextos e relações em que múltiplas verdades são construídas no tocante à imigração. _________________________________________________________________________________ ABSTRACTen
dc.description.abstractThe relation between discourse and power in Brazilian immigration policy is complex. For, it involves interlocking networks. There is the public sphere of State immigration officials and then there are immigrant worlds. In this sense, immigration discourse belongs both to institutional practice as well as to immigrants and their lifeworlds. Thus, there are distinct perceptions to immigration. These perceptions presuppose power relations and networks embedded and constructed in immigration discourse. This research sought therefore to look at Brazilian immigration policy in relation to discourse and power. Based upon Fairclough (1999; 2003) and Wodak et al. (1999), the study examined such linguistic elements as nominalisations, pronominal choices as well as processes that construct presuppositions in immigration discourse. These presuppositions constitute arguments that in turn empower State hegemony in which the immigrant is construed either as a threat to national security or to the local labour market. Further, there is marked discrimination in the representation and classifying of immigrations. Immigrants with high investments to make or offering specialised technology are welcome whilst immigrants in socially underprivileged circumstances are devalued, stereotyped as relaxed and unconcerned about their legal situation in the country. The research showed through ethnography that there is a gap between Sate immigration discourse and immigrants’ experiences and accounts. It was also noted that immigrants function in different networks, characterised by solidarity or exploitation. Moreover, it became clear that immigrants do not necessarily match up with the State’s categories and stereotyped representations of them. It was also observed that immigrants distinguish between the State as a bureaucratic mechanism and the country as a welcoming space. Based upon the data collected, it was concluded that discourse and power are linked to hierarchies of contexts and relations in which multiple truths are construed around immigration.en
dc.language.isoPortuguêsen
dc.rightsAcesso Abertoen
dc.titleDiscurso e poder na política de imigração brasileiraen
dc.typeTeseen
dc.subject.keywordBrasil - imigraçãoen
dc.subject.keywordAnálise do discursoen
Appears in Collections:LIP - Doutorado em Linguística (Teses)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/9048/statistics">



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons