Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/6934
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2010_FaustoCalacaGalvaoCastro.pdf2,9 MBAdobe PDFView/Open
Title: Dandismo e cuidado de si : ensaios de subjetivação em Balzac
Other Titles: Dandyism and “the care of the self” : subjectivation essays in Balzac
Authors: Castro, Fausto Calaça Galvão de
Orientador(es):: Viana, Terezinha de Camargo
Bara, Olivier
Assunto:: Balzac, Honoré de, 1799-1850
Psicologia
Literatura francesa
Issue Date: 24-Feb-2011
Citation: CASTRO, Fausto Calaça Galvão de. Dandismo e cuidado de si : ensaios de subjetivação em Balzac. 2010. viii, 292 f., il. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura)-Universidade de Brasília, Bralília, 2010.
Abstract: Esta tese analisa o universo do “dandismo” em La Comédie humaine de Honoré de Balzac, tendo como instrumental teórico a noção de “cuidado de si” segundo Michel Foucault. O trabalho se inscreve no debate sobre os processos de subjetivação por meio de estudos literários privilegiando o ponto de vista da leitura sociocrítica. Partimos do pressuposto de que nossa subjetividade é criada pelo texto literário e, essencialmente, pelo ato da leitura. Em Balzac, tanto identificamos os indícios de “ensaios de subjetivação”, assim como, a partir de uma abordagem foucaultiana, ensaiamos na obra balzaquiana uma leitura enviesada que suscita a noção de subjetivação. O procedimento envolve a análise das cenas dos dândis balzaquianos que, por sua vez, são plenas de dramatização do cuidado que o sujeito exerce de si sobre si e de suas reflexões sobre suas significações políticas e psicológicas. Estudando o dandismo como um processo dinâmico de construção do sujeito em sociedade, sustentamos a tese de que o dandismo balzaquiano é uma representação romanesca de um dos momentos do “cuidado de si” na história da cultura ocidental. O dandismo balzaquiano é uma forma de vida que se constitui no universo de La Comédie humaine e que assinala o processo de transformação da sociedade e dos indivíduos. Ao final deste trabalho, reconhecemos o dândi como uma dramatização de um herói moderno movido pela ilusão de que é possível construir para si-mesmo uma forma desejada de vida. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
This thesis analyses the universe of dandyism in La Comédie humaine, by Honoré de Balzac, with the instrumental theoretical notion of “the care of the self” according to Michel Foucault. This work is part of the debate on the subjective processes in the literary studies and it emphasizes the point of view of social-critical reading. The starting point of our thought is that our subjectivity is created by the literary text and, essentially, by the act of reading. In Balzac we either identify the evidences of “subjectivation essays” or, based on a Foucauldian approach, we try to perform a reading of Balzac’s work that creates the notion of subjectivation. This procedure involves the analysis of scenes from the dandies, which ones dramatize the subject self-care and his reflections on his political and psychological meanings. We assume that the dandyism in Balzac’s work is a romantic representation of “the care of the self” moment, in the history of Western culture, by the study of dandyism as a dynamic process of constructing the subject in society. Dandyism is a way of life that constitutes the universe of La Comédie humaine and it shows the change process of individuals and of the society. At the end of this study, we recognize the dandy as a dramatization of a modern hero who lives thinking that is possible to make for himself a desired form of life.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, 2010.
Appears in Collections:PCL - Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/6934/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.