Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/6855
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_GeneticDiversityPopulation.pdf174,6 kBAdobe PDFView/Open
Title: Genetic diversity and population structure of Brazilian native bovine breeds
Other Titles: Diversidade genética e estrutura de população de bovinos nativos
Authors: Serrano, Germana Maria
Egito, Andréa Alves do
Pimentel, Concepta Margaret McManus
Mariante, Arthur da Silva
Assunto:: Conservação animal
Bovino
Caracterização genética
RAPD
Diversidade genética
Issue Date: Jun-2004
Citation: SERRANO, Germana Maria et al. Genetic diversity and population structure of Brazilian native bovine breeds. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 39, n. 6, p. 543-549, jun. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pab/v39n6/v39n6a05.pdf>. Acesso em: 07 fev. 2011. doi: 10.1590/S0100-204X2004000600005.
Abstract: Estratégias para conservação e melhoramento animal devem ser baseadas na associação de características fenotípicas e genéticas. O objetivo deste trabalho foi caracterizar cinco raças nativas brasileiras (Caracu, Crioulo Lageano, Curraleiro, Mocho Nacional e Pantaneiro) e duas comerciais (Holandês e Nelore) pela técnica de RAPD para estimar a distância genética e a variabilidade genética entre e dentro das raças. As relações genéticas foram investigadas utilizando-se 22 primers, que geraram 122 bandas polimórficas. A análise de variância molecular revelou que a maior parte da variabilidade genética total ocorreu em virtude das diferenças de indivíduos dentro das populações. Na comparação da variabilidade genética entre os pares de raças, observou-se que todos os valores obtidos foram estatisticamente significativos. A menor divergência genética foi observada entre Crioulo Lageano e Curraleiro. A raça Mocho Nacional, apesar de historicamente ser considerada de origem Bos taurus aquitanicus,mesma origem da raça Caracu, agrupou-se com as demais raças nativas consideradas de origem Bos taurus ibericus. Demodo geral, as raças estudadas se agruparam em clustersdistintos, com exceção da Mocho Nacional. A técnica de RAPD foi capaz de distinguir geneticamente as raças estudadas; Caracu, Crioulo Lageano, Curraleiro e Pantaneiro podem ser consideradas entidades genéticas distintas, comprovando assim, a unicidade de suas populações; a Mocho Nacional não conseguiu se restabelecer, após seu declínio na década de 50, perdendo, sua identidade genética.
DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2004000600005
Appears in Collections:FAV - Artigos publicados em periódicos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/6855/statistics">



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons