Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/5570
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
adailton da silva.pdf8,88 MBAdobe PDFView/Open
Title: Relatos sobre o Jongo : reflexões e episódios de um pesquisador negro
Authors: Silva, Adailton da
Orientador(es):: Carvalho, José Jorge de
Assunto:: Pesquisadores - negros
Identidade social
Etnologia
Patrimônio cultural
Issue Date: 5-Oct-2010
Citation: SILVA, Adailton da. Relatos sobre o Jongo: reflexões e episódios de um pesquisador negro. 2006. 180 f., il. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.
Abstract: Este é um estudo sobre representações xistentes em diferentes relatos sobre o Jongo e relação destas com uma série de experiências de iniciação de um pesquisador negro. Apresenta-se o Jongo enquanto arte, enquanto projeto social, enquanto patrimônio cultural, e como ferramenta de valorização da identidade negra. Os conflitos de nteresse e o choque entre as diferentes (até absolutamente excludentes) representações e leituras do Jongo, não encontram resposta adequada no reconhecimento legal como atrimônio nacional nas condições atuais. Os mecanismos de registro oficial das manifestações da cultura popular e o seu procedimento legal estão comprometidos com um discurso antropológico que qualifica ao seu modo, de forma parcial e interessada, essas formas de saber, seu meio de origem e s atores envolvidos. A imposição de um valor nacional a uma expressão cultural local identificada com famílias negras de uma comunidade específica determina uma contradição nesta tradução que retira dos mantenedores a autoridade sobre os parâmetros de preservação de sua cultura e identidade. É crítico o lugar do pesquisador negro no contato antropológico e na relação com a comunidade, já que as relações interétnicas na antropologia brasileira permanecem sendo predominantemente frutos do contato entre pesquisadores brancos e populações nãobrancas. Mostra-se necessário tanto ampliar a experiência etnográfica que norteia a antropologia brasileira quanto alterar o foco na proposição de políticas de patrimônio cultural voltadas para a população negra garantindo a autonomia e controle social em seus processos de gestão. O país da elite branca ganha com o reconhecimento do Jongo, mas nenhuma contrapartida real foi estabelecida para os jongueiros ou para a população negra até o momento. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT
This study is about representations given in the different stories about the Jongo and their relation with a series of initiation experiences of a black researcher. The Jongo here is presented as an art, as a social project, as a cultural patrimony and as a valuation tool of the black identity. The conflicts of interest and the shock between different (even absolutely exculpatory) representations and interpretations of the Jongo do not find an adequate answer in its legal recognition as a national patrimony. The official registry of popular culture expressions and its legal procedure are compromised with the anthropologic speech that qualifies, in its own partial and interested way, these forms of knowledge, their roots and the actors involved. The imposition of a national value in the local cultural expressions identified to black families of an specific community, imposes a contradiction in this translation that subtracts from the keepers the authority over the preservation parameters of their cultural identity. The role of black researcher in the anthropologic contact and in the relationship with the community is critical, since interracial relations in the Brazilian anthropology are still based on the contact between white researchers and non-white populations. The extension of the ethnographic experience that guides the Brazilian anthropology is as important as the change of focus in the proposition of policies for cultural patrimony related to the black population. This way we guarantee the autonomy and social control of these managements. The country of the white elite gains with the recognition of the Jongo, but so far no real counterpart was given to the Jongueiros or to the black population.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Antropologia, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, 2006.
Appears in Collections:DAN - Mestrado em Antropologia (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/5570/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.