Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/44399
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2022_MárcioTavaresdosSantos.pdf3,85 MBAdobe PDFView/Open
Title: A arte como inimiga : as redes reacionárias e a guerra cultural (2013-2021)
Other Titles: Art as enemy : the reactionary networks and the cultural war
Authors: Santos, Márcio Tavares dos
Orientador(es):: Mari, Marcelo
Assunto:: Censura
Guerra cultural
Arte e política
Reacionarismo
Queermuseu
Issue Date: 3-Aug-2022
Citation: SANTOS, Márcio Tavares dos. A arte como inimiga: as redes reacionárias e a guerra cultural (2013-2021). 2021. 396 f., il. Tese (Doutorado em Artes Visuais) — Universidade de Brasília, Brasília, 2021.
Abstract: Desde 2013, o Brasil acompanha o avanço de um movimento condenatório à arte protagonizado por setores reacionários. A partir do ano de 2016, abriu-se um cenário em que as direitas passaram a ocupar as estruturas de poder político e uma ofensiva contra o campo cultural e artístico ganhou proporções que não eram vistas no país desde a ditadura militar. Em 2017, a exposição Queermuseu foi censurada em Porto Alegre, a partir de iniciativa da própria instituição realizadora (o Santander Cultural), como resultado de uma campanha difamatória orquestrada pelas redes reacionárias. Esses grupos avançariam nos anos seguintes em seu projeto de constrangimento à arte e cultura, tornando a “guerra cultural” um tema central para as discussões políticas, sociais, culturais e artísticas no país. Esses agrupamentos operam a partir de uma ideologia reacionária que deita raízes na história brasileira e nos demais grupos de extrema direita que avançam pelo mundo, sobretudo nos Estados Unidos recentemente. Em 2019, Jair Bolsonaro toma posse e a guerra cultural se torna uma política de governo afetando duramente as condições para o exercício livre da atividade cultural e artística. Nesta pesquisa, delineamos a forma como esse processo se desenvolveu e como a produção artística e cultural é atingida com o avanço do reacionarismo.
Abstract: Since 2013, Brazil has followed the advance of an anti-art movement led by reactionary sectors. As of 2016, a scenario emerged in which the right-wing forces began to occupy the structures of political power and an offensive against the cultural and artistic field gained proportions that had not been seen in the country since the military dictatorship. In 2017, the Queermuseu exhibition was censored in Porto Alegre, at the initiative of the promoting institution itself (Santander Cultural), because of a defamatory campaign orchestrated by reactionary networks. These groups would advance in the following years in their project to constrain art and culture, making the "cultural war" a central theme for political, social, cultural, and artistic discussions in the country. These groupings operate from a reactionary ideology that takes root in Brazilian history and in other far-right groups that are advancing around the world, especially in the United States recently. In 2019, Jair Bolsonaro takes office, and the “cultural war” becomes a government policy, severely affecting the conditions for the free exercise of cultural and artistic activity. In this research, we outline how this process developed and how artistic and cultural production is affected by the advance of reactionaryism.
Description: Tese (doutorado) — Universidade de Brasília, Instituto de Artes, Departamento de Artes Visuais, Programa de Pós-Graduação em Artes, 2021.
Agência financiadora: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).
Appears in Collections:IdA - Doutorado em Artes Visuais (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/44399/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.