Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/42715
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2021_SullyvanGarciadaSilva.pdf1,7 MBAdobe PDFView/Open
Title: O Ensino de Ciências e a violência escolar : os impactos da violência urbana nos percursos profissionais dos professores nas periferias de Brasília
Authors: Silva, Sullyvan Garcia da
Orientador(es):: Lima Junior, Paulo Roberto Meneses
Assunto:: Educação científica
Violência escolar
Sociologia da educação
Professores - formação
Periferias urbanas
Issue Date: 11-Jan-2022
Citation: SILVA. Sullyvan Garcia da. O Ensino de Ciências e a violência escolar: os impactos da violência urbana nos percursos profissionais dos professores nas periferias de Brasília. 2021. 124 f., il. Tese (Doutorado em Educação em Ciências)—Universidade de Brasília, Brasília, 2021.
Abstract: Esta tese tem como objetivo entender como as experiências de violência escolar repercutem no percurso profissional dos professores de ciências. As violências urbana e escolar encontram-se entre os principais desafios enfrentados pela educação brasileira, porém, é pouco abordada pelo ensino de ciências. O corpus teórico é construído a partir de documentos oficiais relativos à violência escolar e urbana; das contribuições de Barton (2002), que sintetizou sua pesquisa sobre educação científica das periferias urbanas em três temas transversais: equidade, justiça social e senso de lugar; McLaughlin (2014), que agrupou sua leitura de revisão de literatura em três grandes temas: barreiras ao ensino e aprendizagem em sala de aula, posicionalidade e construção da identidade, estratégias de reforma; Priotto e Boneti (2009) que sugerem distinguir violência escolar em: violência da escola; violência contra a escola; violência na escola; e Chalot e Èmin (1997) e Arendt (1963), que contribuíram para que os conceitos de violência escolar e banalidade do mal, juntos, formassem o que chamamos matriz da violência escolar. A metodologia desta pesquisa foi fundamentalmente qualitativa, realizada através de diversas entrevistas narrativas semiestruturadas com oito professores de ciências que atuam em escolas consideradas violentas nas periferias de Brasília. Porém, também foi utilizada a análise exploratória multivariada dos dados advindos dos documentos oficiais. Os resultados obtidos estão dispostos ao longo de todos os cinco capítulos desta tese e permitem afirmar que: (a) apesar das perspectivas contemporâneas da pesquisa educacional, modelos tradicionais jamais foram superados na educação científica das periferias urbanas; (b) a violência escolar é relativamente independente da violência urbana, podendo ser intensa, em regiões consideradas muito seguras, ou escassa, em regiões consideradas violentas; (c) diversos agentes escolares (alunos, diretor e a própria professora) participam ativamente da produção da violência escolar a partir de pontos de vista divergentes; (d) a violência escolar também participa como uma questão de classe; e (e) o percurso profissional dos professores de ciências é relativamente independente de sua origem social. Implicações para a formação de professores de ciências são discutidas.
Abstract: This thesis aims to understand how experiences of school violence affect the professional career of science teachers. Urban and school violence are among the main challenges faced by Brazilian education, however, it is little addressed by science education. The theoretical corpus is built from official documents related to school and urban violence; from the contributions of Barton (2002), who synthesized his research on science education in urban peripheries into three cross-cutting themes: equity, social justice and sense of place; McLaughlin (2014), who grouped his reading of a literature review into three major themes: barriers to teaching and learning in the classroom, positionality and identity construction, reform strategies; Priotto and Boneti (2009) who suggest distinguishing school violence in: school violence; violence against the school; violence at school; and Chalot and Èmin (1997) and Arendt (1963), who contributed for the concepts of school violence and the banality of evil, together, to form what we call the matrix of school violence. The methodology of this research was fundamentally qualitative, carried out through several semi-structured narrative interviews with eight science teachers who work in schools considered to be violent on the outskirts of Brasília. However, the exploratory multivariate analysis of data from official documents was also used. The results obtained are displayed throughout all five chapters of this thesis and allow us to state that: (a) despite the contemporary perspectives of educational research, traditional models have never been surpassed in scientific education in urban peripheries; (b) school violence is relatively independent from urban violence, and may be intense, in regions considered very safe, or scarce, in regions considered to be violent; (c) several school agents (students, principal and the teacher herself) actively participate in the production of school violence from divergent points of view; (d) school violence also participates as a matter of class; and (e) the career path of science teachers is relatively independent of their social background. Implications for the training of science teachers are discussed.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Instituto de Química, Instituto de Física, Faculdade UnB Planaltina, Faculdade de Educação, 2021.
Appears in Collections:IQ - Doutorado em Educação em Ciências (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/42715/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.