Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/41400
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2021_IzabellaRodriguesMelo.pdf3,57 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBrambatti, Larissa Polejack-
dc.contributor.authorMelo, Izabella Rodrigues-
dc.date.accessioned2021-07-13T03:04:26Z-
dc.date.available2021-07-13T03:04:26Z-
dc.date.issued2021-07-12-
dc.date.submitted2021-03-15-
dc.identifier.citationMELO, Izabella Rodrigues. A saúde vista pelas cores do arco-iris: experiências de representantes do movimento LGBTQ+ no Distrito Federal. 2021. 185 f., il. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clinica e Cultura)—Universidade de Brasília, Brasília, 2021.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.unb.br/handle/10482/41400-
dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura, 2021.pt_BR
dc.description.abstractO movimento LGBTQI+ do Distrito Federal manifesta-se em frentes diversificada, capaz de promover articulações de defesa de direitos diretamente com o poder público local. Pela Lei 8.080 de 1990, o Sistema Único de Saúde fundou-se nos princípios da igualdade, equidade e universalidade, que devem ser observados na proposição de todas as políticas de saúde nacionais, propondo ampliação dos modelos de prestação de cuidados e incorporando saberes de outras áreas de saúde além da medicina. A Política Nacional de Saúde Integral LGBT trouxe o reconhecimento dos determinantes sociais em saúde que afetam a população LGBTQI+. As ações da PNSI LGBT distribuem-se pelas áreas de formação, participação social, promoção da saúde, prevenção e reabilitação. Diante do exposto, este estudo objetivou compreender o acesso ao SUS pela população LGBTQI+ no ponto de vista de representantes do movimento social local. Desenvolveu-se pesquisa qualitativa, a partir de entrevistas semiestruturadas conduzidas com dez pessoas, que abordaram as temáticas de experiências no uso do Sistema Único de Saúde, demandas identificadas para que seja defendida a saúde da população LGBTQI+, observações sobre o acolhimento da população LGBTQI+ nos serviços de saúde, acesso à rede de saúde e as representações sociais de profissionais da saúde. As respostas foram tratadas pelo método do Discurso do Sujeito Coletivo. Observou-se que a rede de saúde local não está preparada para o atendimento da população LGBTQI+. As participantes da pesquisa relataram experiências de preconceito, discriminação e violência por parte das profissionais da área, violando os direitos das usuárias. As iniciativas do movimento social têm sido essenciais para a manutenção da saúde deste grupo social. A pesquisa sugere, com base nas observações das participantes, a implementação e incremento das políticas de educação permanente em saúde para todas as profissionais da rede local, a fim de promover o reconhecimento das cidadãs usuárias como sujeitas de direitos. Também se sugere a inserção da estratégia de navegação de pares, com vistas à melhoria da qualidade do acolhimento prestado à população LGBTQI+ nos serviços de saúde.pt_BR
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (CAPES).pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleA saúde vista pelas cores do arco-iris : experiências de representantes do movimento LGBTQ+ no Distrito Federalpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.subject.keywordSistema Único de Saúde (Brasil)pt_BR
dc.subject.keywordLGBTQI+pt_BR
dc.subject.keywordMinorias sexuais e de gêneropt_BR
dc.subject.keywordMovimentos sociaispt_BR
dc.subject.keywordRepresentações sociaispt_BR
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.pt_BR
dc.description.abstract1The LGBTQIA+ movement of the Brazilian Federal District presents itself in various fronts, able to promote articulations with the local government regarding the defense of rights. According to Act no. 8,080 from 1990, the Brazilian Unified Health Service (SUS) was founded on the principles of equality, equity, and universality, which must be observed in the proposition of all national healthcare policies, aiming to extend caregiving models and to incorporate knowledge from other fields besides medicine. The National Full Healthcare Services Policy (PNSI) for the LGBT population has brought the acknowledgment of healthcare social determinants that affect the LGBTQI+ population. These LGBT PNSI policies are distributed among areas such as training, social participation, healthcare promotion, prevention, and rehabilitation. Considering the above, this study aimed to understand the access of the LGBTQI+ population to SUS, from the point of view of local social movement representatives. A qualitative research was developed with semi structured interviews carried out with ten people, which approached themes on experiencing SUS’s usage, demands identified so that the LGBTQI+ population’s sexual is defended, observations over the LGBTQI+’s population refuge in healthcare services, access to the healthcare services network and the social representations of healthcare workers. The answers were treated according to the method of Discourse of the Collective Subject. It was observed that the local healthcare service network is not ready to service the LGBTQI+ population. The research’s participants have reported experiences of prejudice, discrimination and violence coming from healthcare service workers, which violate users’ rights. Social movement initiatives have been essential to maintain healthcare service’s access to this social group. This research suggests, considering the observations from the participants, implementing and increasing permanent healthcare educational policies to the local network’s healthcare services workers, in order to acknowledge the forementioned citizens as holders of rights. The insertion of the strategy of pairs navigation is also suggested, aiming to improve the quality of the refuge within healthcare services provided to the LGBTQI+ population.pt_BR
dc.contributor.emailizabella.rmelo@gmail.compt_BR
Appears in Collections:PCL - Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura (Dissertações)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/41400/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.