Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/41066
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2020_PedroJoséLuszdeSouza.pdf21,28 MBAdobe PDFView/Open
Title: Mudanças climáticas e educação ambiental : uma pesquisa ação participativa com crianças e jovens de educação do campo
Authors: Souza, Pedro José Lusz de
metadata.dc.contributor.email: luszdobrasil@gmail.com
Orientador(es):: Rodrigues Filho, Saulo
Assunto:: Mudanças climáticas
Educação do campo
Educação ambiental
Percepção estudantil
Issue Date: 31-May-2021
Citation: SOUZA, Pedro José Lusz de. Mudanças climáticas e educação ambiental: uma pesquisa ação participativa com crianças e jovens de educação do campo. 2020. 129 f., il. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) — Universidade de Brasília, Brasília, 2020.
Abstract: As mudanças climáticas estão impactando os ecossistemas do Planeta Terra, com efeitos devastadores. Trata-se de uma urgência socioambiental que exige ações responsáveis e ágeis para uma sensibilização das pessoas em suas práticas com os demais ecossistemas. O presente estudo articulou diálogos e reflexões ecossistêmicas entre a educação ambiental e a educação do campo no contexto das mudanças climáticas. Teve como objetivo compreender as percepções de crianças e jovens estudantes das escolas de educação do campo sobre as mudanças climáticas e refletir sobre suas contribuições para produção coletiva de conhecimentos e de capacidade adaptativa aos desafios impostos por estas mudanças. Realizou-se uma pesquisa ação participativa em duas escolas de educação do campo da rede pública do Distrito Federal, denominadas Campo 1 e Campo 2. No Campo 1, participaram do estudo cento e dez crianças, de seis a onze anos, alunas do primeiro ao quarto ano do Ensino Fundamental I. Utilizou-se observação participante e rodas de conversa em sete encontros, com atividades em sala de aula e nos arredores da escola, com vistas a promover percepção ambiental. Foram abordados os temas: informação e aproximação; problematização; reflexão; sensibilização; percepção ambiental; e desenhando a utopia sustentável. Filmes, músicas, desenhos, maquetes, livros infantis e ilustrações foram usados em atividades de sensibilização. Os dados registrados em diário de campo e desenhos das crianças foram analisados por meio de análise temática. As reflexões dos participantes foram agrupadas em temas com os quais se construiu duas figuras. Os temas da primeira figura, desenhada no primeiro encontro da intervenção, foram retomados, debatidos e problematizados na segunda figura, concluída no último encontro, com respostas às urgências climáticas e socioambientais dos entornos das crianças e dos jovens. No Campo 2, participaram quarenta adolescentes, com idades entre treze a dezessete anos, alunos do oitavo e nono anos do Ensino Fundamental II e primeira série do Ensino Médio. Tal como no Campo 1, fez-se observação participante, com atividades de produção coletiva de conhecimentos e abordagem aos mesmos temas do Campo 1, com adequações ao capital cognitivo dos adolescentes. As atividades foram realizadas em sete encontros, na sala de aula e nos arredores, com observação participante, à sombra de árvores do terreno da escola e floresta de eucalipto. Usou-se filmes, fotografias, músicas, documentários, artigos jornalísticos e livros como atividades de sensibilização e problematização. Os dados derivados de registros em diário de campo e mapeamento feito pelos adolescentes, informado em grupo de WhatsApp, foram submetidos à análise temática. As crianças e jovens mapearam as vulnerabilidades socioambientais dos entornos das escolas, perceberam e aproveitaram as lacunas socioambientais evidenciadas nas vulnerabilidades de suas comunidades e propuseram ações coletivas para a produção de recursos adaptativos a tais impactos. Por um processo de problematização e sensibilização, produziu-se um projeto educacional interdisciplinar a ser implementado nas duas escolas, com recursos da educação ambiental em resposta às urgências das mudanças climáticas percebidas no contexto no qual o estudo se inseriu. Conclui-se que, no contexto das mudanças climáticas, as crianças e os jovens estudantes das escolas de educação do campo têm muito a nos dizer. Suas percepções evidenciaram apreensão e criticidade sobre estas ameaças. A educação ambiental apresentou-se como recursos para problematização e sensibilização e a educação do campo como arena privilegiada para estas reflexões. Novos estudos devem priorizar desenhos longitudinais, com maior envolvimento do corpo docente, da escola e articulações com gestores públicos da educação e órgãos ambientais.
Abstract: Climate change is impacting the ecosystems of Planet Earth with devastating effects. It is a socioenvironmental emergency that requires responsible and agile actions so as to raise people's awareness of their practices with the other ecosystems. The present study articulated dialogues and ecosystemic reflections between environmental education and rural education in the context of climate change. Its objective was to understand the children and youth of rural education schools’ perceptions about climate change and reflect on their contributions to the collective production of knowledge and also, their adaptive capacity to the challenges imposed by these changes. A participatory action research was carried out in two public rural education schools in the Federal District, labeled Field 1 and Field 2 respectively. Field 1, had the participation of one hundred and ten children between the ages of six and eleven and being pupils in their first to fourth year in Elementary School I in the study. Participant observation and conversation circles were used in seven encounters, comprising of activities in the classroom and around the school, with the view of promoting environmental awareness. The topics covered were: information and approximation; problematization; reflection; sensibilization; environmental perception; and designing sustainable utopia. Films, music, drawings, mockup, children's books and illustrations were used in awarenessraising activities. The data from the field diary and the children's drawings were analyzed through thematic analysis. The participants' reflections were grouped into themes and two figures were created. The themes of the first figure, drawn in the first meeting of the intervention were revisited, debated and discussed in the second figure, which was concluded at the last meeting, with responses to the climatic and socioenvironmental urgencies of children and young people. In Field 2, forty adolescents, aged between thirteen and seventeen in their eighth and ninth years of Elementary School II and first year of High School participated. As in Field 1, participant observation was carried out, with collective production of knowledge activities and also, an approach to the same themes as Field 1 with adjustments made due to the cognitive capital of adolescents. There were seven encounters carried out with participant observation in classrooms and in the surroundings under the shade of trees on the school grounds and the neighboring eucalyptus forest. Films, photos, music, documentaries, journalistic articles and books were used as sensibilization and problematization activities. Data derived from the field diary and information mapping by adolescents which was reported in a WhatsApp group, were subjected to thematic analysis. The children and the youths mapped the socioenvironmental vulnerabilities surrounding the schools, and took advantage of the perceived socioenvironmental gaps evidenced in the vulnerabilities of their communities and proposed collective actions to produce adaptive capacity to such impacts. Through a process of problematization and sensibilization, an interdisciplinary educational project was produced to be implemented in both schools, with resources from environmental education in response to the urgencies of climate change perceived in the context in which the study was inserted. We conclude that, in the context of climate change, children and young students from the rural education schools have a lot to say to us. Their perceptions showed apprehension and criticality about these threats. Environmental education was presented as a resource for problematization and awareness and rural education as a privileged arena for these reflections. New studies should prioritize longitudinal designs, with greater involvement of the teaching staff, the school and links with public education managers and environmental agencies.
Description: Dissertação (mestrado) — Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável, Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, 2020.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Agência financiadora: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).
Appears in Collections:CDS - Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento Sustentável (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/41066/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.