Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/40329
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2020_AndreySoaresPinto.pdf1,87 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorPereira, Marcos Aurélio de Paula-
dc.contributor.authorPinto, Andrey Soares-
dc.date.accessioned2021-03-26T14:08:41Z-
dc.date.available2021-03-26T14:08:41Z-
dc.date.issued2021-03-26-
dc.date.submitted2020-10-07-
dc.identifier.citationPINTO, Andrey Soares. Revolta, negociação e autoridade: o levante dos escravos do Engenho Santana, Ilhéus (1789). 2020. 184 f. Dissertação (Mestrado em História)—Universidade de Brasília, Brasília, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.unb.br/handle/10482/40329-
dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de História, 2020.pt_BR
dc.description.abstractEsta Dissertação busca analisar a revolta escrava que ocorreu no engenho Santana, ao sul da Bahia, Ilhéus, de meados de 1789. Tal fenômeno resultou na produção de um emblemático documento: uma tentativa de tratado de paz – assim designado pelos autores – enviado ao proprietário do engenho à época, o provedor da casa da moeda da Bahia, Manuel da Silva Ferreira. Pretende-se compreender as estratégias de luta e de resistência desenvolvidas por este grupo e nos aproximar das perspectivas, desses escravos do século XVIII, que são expressas em tais artifícios e estratégias de negociação. Por meio de uma análise do modo de vida desses cativos e da conjuntura histórica da região, a comarca de Ilhéus, buscamos entender como certos aspectos da administração/economia da América portuguesa influenciaram e atingiram as vidas desses homens e mulheres escravizados, ao ponto de desencadearem a revolta. Avaliar, da mesma forma, as nuances de negociação e atos na micropolítica do cotidiano provenientes tanto da comunidade cativa, como do senhor de engenho. Para tanto, nos utilizaremos da perspectiva analítica das “autoridades negociadas”, trabalhada por autores como Jack P. Greene, dentre outros.pt_BR
dc.description.sponsorshipConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleRevolta, negociação e autoridade : o levante dos escravos do Engenho Santana, Ilhéus (1789)pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.subject.keywordRevolta escravapt_BR
dc.subject.keywordNegociaçãopt_BR
dc.subject.keywordEngenho Santanapt_BR
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.pt_BR
dc.description.abstract1This Dissertation seeks to analyze the slave revolt that took place in the “Engenho Santana”, south of Bahia, Ilhéus, from mid 1789. This phenomenon resulted in the production of an emblematic document: an attempt at a peace treaty – so designated by the authors – with the Santana’s owner at the time, the provider of the Bahia mint, Manuel da Silva Ferreira. It is intended to understand the strategies of struggle and resistance developed by this group and to bring us closer to the perspectives of these 18th century slaves, which are expressed in such devices and negotiation strategies. Through an analysis of the historical situation of the region of these captives, the region of Ilhéus, an understanding of how certain aspects of the administration / economy of Portuguese America influenced and affected the lives of these enslaved men and women to the point of started the revolt. Likewise, evaluate the nuances of negotiation and acts in the micropolitics of daily life coming from both the captive community and the plantation master. To this purpose, we will use the perspective of "negotiated authorities", worked by authors like Jack P. Greene, among others.pt_BR
Appears in Collections:HIS - Mestrado em História (Dissertações)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/40329/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.