Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/33499
Files in This Item:
File SizeFormat 
ARTIGO_NecrobiopoderQuemPode.pdf185,78 kBAdobe PDFView/Open
Title: Necrobiopoder : Quem pode habitar o Estado-nação?
Other Titles: Necrobiopower : Who can inhabit the Nation-State?
Authors: Bento, Berenice
Assunto:: Necrobiopoder
Reconhecimento
Issue Date: 2018
Publisher: Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu
Citation: BENTO, Berenice. Necrobiopoder: Quem pode habitar o Estado-nação?. Cadernos Pagu, Campinas, n. 53, e185305, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/18094449201800530005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332018000200405&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 abr. 2019. Epub June 11, 2018.
Abstract: Nos estudos sobre pessoas trans, travestis, população negra, mulheres, entre outras, o Estado aparece como agente fundamental que distribui de forma não igualitária o reconhecimento de humanidade. Há um núcleo de referência bibliográfica compartilhado por este campo de pesquisa. O conceito de biopoder de Michael Foucault, como técnica de governo que tem como objetivo “fazer viver, deixar morrer”, é recorrente. Quando as pesquisas se referem à violência do Estado, geralmente se aciona a noção de “soberania”, também de Foucault, em contraposição à de governabilidade (conjunto de técnicas voltadas para o cuidado da vida). Mais recentemente o conceito de necropoder de Achille Mbembe passou a compor este corpus conceitual. Este artigo sugere outro conceito: necrobiopoder. Necropoder e biopoder são termos indissociáveis para se pensar a relação do Estado com os grupos humanos que habitaram e habitam os marcos do Estado-nação. Vida vivível e vida matável, para utilizar os termos de Giorgio Agamben, são formas de gestão da população e não podem ser postas em uma perspectiva cronológica, em que o necropoder (ou poder soberano) teria sido ultrapassado pelo biopoder.
Abstract: In the studies on trans-people, transvestites, black population, women, among others, the state appears as a fundamental agent that distributes in a non-egalitarian way the recognition of humanity. There is a core bibliographical reference shared by this field of research. Michael Foucault’s concept of biopower, as a government technique that aims to “to make live, to let die”, is recurrent. When the research refers to state violence, it usually triggers the notion of “sovereignty”, also by Foucault's, as opposed to governability (a set of techniques that are life-oriented). More recently Achille Mbembe’s concept of necropower has become part of this conceptual corpus. This article suggests another concept: necrobiopower. Necropower and biopower are inseparable terms for one to think about the relation of the State with the human groups that inhabited and inhabit the marks of the Nation-State. Livable life and killable life, to use the terms of Giorgio Agamben, are forms of population management and cannot be put in a chronological perspective, where the necropower (or sovereign power) would have been surpassed by biopower.
Licença:: (CC BY NC) - cadernos pagu tem seu conteúdo sob uma Licença Creative Commons.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/18094449201800530005
Appears in Collections:SOL - Artigos publicados em periódicos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/33499/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.