Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/32496
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_GilmaraLimaNascimento.pdf2,36 MBAdobe PDFView/Open
Title: Qual é a carga de uma doença em eliminação no Brasil? : o caso da esquistossomose mansoni
Authors: Nascimento, Gilmara Lima
Orientador(es):: Oliveira, Maria Regina Fernandes de
Coorientador(es):: Cruz, Luciane Nascimento
Itria, Alexander
Assunto:: Esquistossomose - Brasil
Custos de cuidados de saúde
Qualidade de vida
Economia da saúde
Saúde pública - Brasil
Issue Date: 21-Aug-2018
Citation: NASCIMENTO, Gilmara Lima. Qual é a carga de uma doença em eliminação no Brasil?: o caso da esquistossomose mansoni. 2018. 136 f., il. Tese (Doutorado em Medicina Tropical)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Abstract: Estudos brasileiros que mensuram a carga da esquistossomose em termos econômicos e por meio de medidas-resumo comparáveis são praticamente inexistentes. Para uma doença relacionada à pobreza como a esquistossomose, os custos públicos não são seus únicos impactos econômicos. Doenças relacionadas à pobreza participam de um ciclo dinâmico em que a doença é consequência da pobreza enquanto contribui para manutenção ou piora das condições socioeconomicas das pessoas. Com o objetivo de estimar a carga da esquistossomose mansoni no Brasil em 2015 foi realizado um estudo de carga de doença do qual fizeram parte um estudo de qualidade de vida (QoL) com a estimação dos Anos de Vida Ajustados por Qualidade (QALY) e um estudo de custo de doença. Foi realizado ainda um exercício metodológico para estimação dos Anos de Vida Ajustados por Incapacidade da doença. O estudo de QoL foi realizado a partir de entrevistas a pacientes em acompanhamento das repercussões das formas digestivas da doença no Ambulatório de Esquistossomose do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (AE/HC/UFPE). Foram aplicados dois questionários de QoL para os quais já existem adaptações culturais para o Brasil e escores de utilidade obtidos a partir de estudos com populações brasileiras (EQ5D3L e o SF36/SF6D). Também foi aplicado um questionário com questões socioeconômicas. O estudo de custo da doença foi realizado na perspectiva do Sistema Único de Saúde e e da sociedade. Na catergoria de custos diretos sanitários foram incluídos os itens relacionados ao diagnóstico e tratamento dos casos de infeção e das formas hepatoesplênicas e neurológicas, registrados no Sistema de Informação do Programa de Controlde da Esquistossomose (SISPCE), no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) e no Sistema de Informação de Internações Hospitalares (SIHSUS). Foi realizado um custeio misto. Na categoria custos diretos não sanitários foram incluídos os custos com cuidador e transporte para os casos com a forma grave da doença. Os custos indiretos foram estimados por meio do método do capital humano, valor atribuído ao tempo “econômico” perdido por morte prematura e afastamento do trabalho durante a internação e tempo para recuperação, da proporção de casos graves economicamente ativos. O exercício metodológico do DALY foi realizado por meio do “hazard based model”, sendo identificadas as sequelas e seus respectivos pesos referentes à esquistossomose mansoni para a infecção, forma hepatoesplênica e forma neurológica. O número de casos utilizado para calcular o DALY e sua distribuição segundo forma clínica foi estimado levando-se em consideração os indicadores operacionais do PCE dos dez anos anteriores ao estudo, a prevalência estimada no Inquérito Nacional de Esquistossomose, a distribuição de casos segundo sexo e faixa etária do SINAN. No AE/HC/UFPE foram entrevistados 147 pacientes, 92 (62,6%) do sexo feminino, com idade média e mediana de 55 anos (DP +/- 11; intervalo de 20-60), 79 (53,7%) tinham nenhuma ou muito baixa escolaridade (analfabetos ou tinham 1ª e a 4ª série do ensino fundamental),116 (78,9%) declararam-se pretos ou pardos e a renda familiar mediana foi de R$: 1.200,00 (77,00 -7.000,00). A média do escore de qualidade de vida, baseada em preferências entre os pacientes entrevistados foi de 0,7121, com desvio padrão de +/- 0,1546, sendo 0,2109 o escore mínimo encontrado e 1 (um) o máximo. Foram estimados 26,69 QALY para a população do AE/HC/UFPE que gerou o escore de qualidade, e 31,26 QALY para a população com as formas crônicas digestivas da esquistossomose no Brasil. No estudo de custo, considerando os casos ou eventos registrados nos sistemas de informação esquistossomose, internação e mortalidade, o custo total da esquistossomose foi estimado em R$: 136.087.909,29, 94,61% foram custos indiretos. No experimento metodológico estimaram-se 230.991,75 DALY, sendo a maioria (219.623 - 95%) representados pelo componente Anos de Vida com Incapacidades. As formas avançadas da esquistossomose mansoni contribuem para perdas significativas em saúde na população que convive com a doença. O escore de qualidade dos pacientes crônicos com a forma digestiva pode ser maior do que o estimado no estudo nos cenários onde não há diagnóstico e tratamento adequado das repercussões das doenças. A carga econômica estimada da esquistossomose mansoni no Brasil foi considerada elevada, tendo e o seu caráter preventivo, com meios disponíveis para seu controle. O impacto maior foi relacionado à perda de produtividade. O exercício metodológico para estimar o DALY demonstrou grande dependência das escolhas metodológicas. Os achados do presente estudo corroboram seu status de doença negligenciada e relacionada à pobreza.
Abstract: Brazilian studies that measure the burden of schistosomiasis in economic terms and by means of comparable summary measures are practically nonexistent. For a poverty-related disease such as schistosomiasis, public costs are not their only economic impacts. Poverty-related diseases participate in a dynamic cycle in which disease is a consequence of poverty while contributing to its maintenance or worsening people's socioeconomic conditions. In order to estimate the burden of schistosomiasis mansoni in Brazil in 2015, a burden of disease study was carried out, which included a quality of life study (QoL) with the estimation of Quality Adjusted Life Years (QALY) and one cost of illness study. A methodological exercise was also carried out to estimate the Disability Adjusted Life Years (DALY). For the QoL study interviews with patients in follow-up of the repercussions of the digestive tract of the disease in the Schistosomiasis Outpatient Clinic of the Hospital das Clínicas of the Federal University of Pernambuco (AE / HC / UFPE) were carried out. Two QoL questionnaires for which cultural adaptations for Brazil and utility scores obtained from studies with Brazilian populations (EQ5D3L and SF36 / SF6D) were already developed. A questionnaire with socioeconomic questions was also applied. The cost of illness study was carried out from the perspective of the Unified Health System (SUS) and of society. The items related to the diagnosis and treatment of cases of schistosomiasis infection cases, hepatosplenic and neurological cases, recorded in the Information System of the Schistosomiasis Control Program (SISPCE), in the Disease Notifiable Information System (SINAN) and in the Hospitalization Information System (SIHSUS). A mixed cost approach was realized. In the category of non-sanitary direct costs, caregiver and transportation costs were included for cases with severe disease. Indirect costs were estimated using the Human Capital Method, based on the value attributed to the "economic" time lost due to premature death and sick leave from work during hospitalization and time for recovery, applied for the proportion of economically active cases. The methodological exercise of the DALY was carried out by means of the hazard-based model, with sequels and their respective weights referring to schistosomiasis mansoni for the infection, hepatosplenic form and neurological form. The number of cases used to calculate the DALY and its distribution according to clinical form was estimated taking into account the operating indicators of the PCE of the ten years prior to the study, the estimated prevalence in the National Schistosomiasis Survey, the distribution of cases according to sex and age group in the SINAN. AE/HC/UFPE interviewed 147 patients, 92 (62.6%) female, with mean and median age of 55 years (SD +/- 11, range of 20-60), 79 (53.7%) had no or very low educational level (illiterate or had between 1st and 4th grade of elementary school), 116 (78.9%) declared themselves to be black or brown and the median family income was R $ 1,200.00 (77, 00 - 7,000.00). The average quality of life score based on preferences among the patients interviewed was 0.7121, with a standard deviation of +/- 0.1546, with 0.2109 being the minimum score found and 1 (one) being the maximum. It was estimated 26.69 QALY for the AE/HC/UFPE population that generated the quality score, and 31.26 QALY for the population with the chronic digestive forms of schistosomiasis in Brazil. In the cost study, considering the cases or events recorded in the schistosomiasis, hospitalization and mortality information systems, the total cost of schistosomiasis was estimated in R$: 136.087.909,29, 94,61% were indirect costs. In the methodological experiment, DALYs were estimated at 230.991,75 DALYs, the majority (219.623 - 95%) represented by the Life Years with Disabilities component. The advanced forms of schistosomiasis mansoni contribute to significant health losses in the population living with the disease. The quality score of the chronic patients with the digestive form may be higher than that estimated in the study in scenarios where there is no diagnosis and adequate treatment of the repercussions of the diseases. The estimated economic burden of schistosomiasis mansoni in Brazil was high and its greatest impact is related to loss of productivity. The methodological exercise to estimate the DALY showed a great dependence on the methodological choices. The findings of the present study corroborate to the schistosomiasis neglected and povertyrelated status.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical, 2018.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:FMD - Doutorado em Medicina Tropical (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/32496/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.