Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/31137
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_RafaelFariasdeMenezes.pdf1,14 MBAdobe PDFView/Open
Title: Limites e possibilidades de uma visão afrocentrada a partir da obra de Ibn Khaldūn
Authors: Menezes, Rafael Farias de
Orientador(es):: Oliva, Anderson Ribeiro
Assunto:: África - cultura
Narrativas históricas
África - história
Issue Date: 1-Feb-2018
Citation: MENEZES, Rafael Farias de. Limites e possibilidades de uma visão afrocentrada a partir da obra de Ibn Khaldūn. 2017. 110 f., il. Dissertação (Mestrado em História)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Abstract: O conhecimento da história africana foi forjado, entre outras narrativas, por um conjunto de discursos formulados pelo Ocidente ou de fora de África que moldaram parcialmente o saber sobre aquele continente. As categorias não-africanas, muitas vezes, produziram uma visão distorcida e etnocêntrica do passado de África. Uma das formas de promover alternativas ao etnocentrismo ocidental ou árabe é abrir espaços para pesquisas de vozes africanas. Ibn Khaldūn (1332-1406) escreveu Kitab al-‘Ibar, uma das maiores composições a respeito da história norte-africana do século XIV. Partindo do estudo de sua narrativa histórica sobre dois grupos (os povos pretos e os povos árabes), buscamos entender quais são as balizas que subjazem a escrita da história africana em Ibn Khaldūn. Em função disso, pretendemos saber se a Kitab al-‘Ibar constituir-se-ia numa fonte portadora de saberes internos, aliados a uma possível visão afrocentrada, ou se se refletiria os olhares eurocentrados e araboislamocentrados sobre a África e suas populações.
Abstract: Knowledge of African history was crafted, among other narratives, by a set of discourses formulated by the West or, in general, from outside Africa, which partially moulded what is known about the continent. Such categories produced a distorted and ethnocentrical perspective on Africa's past. One of the ways to promote alternatives to Western or Arabic ethnocentrism is to give space for research by African voices. Ibn Khaldun (1332-1406) wrote Kitab al-'Ibar, one of the largest compositions on North African history in the 14th century. Beginning by studying his historical narrative on two groups (the Black populations and the Arabian populations), we seek to understand what the marks are that underlie the writing of African history in Ibn Khaldun. As a result, we intend to discover is the Kitab al'Ibar would constitute a source that contains in-group knowledge, allied to a possible Afrocentered view, or if it reflect the Eurocentered and Araboislamocentered gaze upon Africa and its populations.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de História, Programa de Pós-graduação em História, 2017.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Agência financiadora: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
Appears in Collections:HIS - Mestrado em História (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/31137/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.