Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/30702
Files in This Item:
File SizeFormat 
ARTIGO_CatadorDoutorRetrato.pdf279,09 kBAdobe PDFView/Open
Title: Do catador ao doutor : um retrato da informalidade do trabalhador por conta própria no Brasil
Other Titles: From the waste picker to the physician : a portrait of the informality of the self-employed in Brazil
Authors: Santiago, Carlos Eduardo Pinto
Vasconcelos, Ana Maria Nogales
Assunto:: Trabalhadores autônomos
Trabalho informal
Issue Date: Aug-2017
Publisher: Nova Economia
Citation: SANTIAGO, Carlos Eduardo Pinto; VASCONCELOS, Ana Maria Nogales. Do catador ao doutor: um retrato da informalidade do trabalhador por conta própria no Brasil. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 27, n. 2, p. 213-246, maio/ago. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-63512017000200213&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 31 jan. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-6351/2588.
Abstract: O presente artigo tem por intuito avaliar o grau de formalização dos trabalhadores por conta própria no Brasil. Inicialmente, é feita uma revisão bibliográfica sobre os estudos que originaram o conceito “setor informal”. Ao explorar a operacionalização do conceito, o autor argumenta que o termo “emprego informal” ratifica a ideia de que existem casos em que o trabalhador por conta própria pode ser considerado como formal. A partir da análise da evolução dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD 2009-2014), é traçado um panorama do trabalho por conta própria no Brasil, com destaque para o fato de que entre os indivíduos adultos e residentes em áreas urbanas, apenas 16,1% são formais. Conclui-se que a taxa de formalização do trabalho por conta própria pode ser ampliada, e para que isso ocorra é fundamental um conhecimento mais apurado sobre essa heterogênea categoria ocupacional, que engloba do catador ao doutor.
Abstract: This paper aims to evaluate the degree of formalization of self-employed in Brazil. At a first moment a bibliographical review is made on studies that originated the concept of "informal sector". By exploring the operationalization of the concept, the author argues that the term "informal employment" reinforces the idea that there are cases where the self-employed can be regarded as formal. From the analysis of the evolution of data from National Survey by Household Sampling (PNAD 2009-2014), highlighting the fact that among adults and individuals living in urban areas only 16.1% are formal. Therefore, it is concluded that the rate of formalization of self-employment can be expanded and for this to occur it is essential to have a more accurate understanding of this heterogeneous occupational category which encompasses both waste pickers and physicians.
Licença:: Nova Economia - Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons (CC BY 4.0). Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-63512017000200213&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 31 jan. 2018.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-6351/2588
Appears in Collections:EST - Artigos publicados em periódicos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/30702/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.