Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/29290
Files in This Item:
File SizeFormat 
ARTIGO_InterfacesDeslocamentosFeminismos.pdf236,7 kBAdobe PDFView/Open
Title: Interfaces e deslocamentos: feminismos, direitos, sexualidades e antropologia
Other Titles: Interfaces and displacements: feminisms, rights, sexualities and anthropology
Authors: Machado, Lia Zanotta
Assunto:: Antropologia
Feminismo
Diversidade sexual
Gênero
Direitos humanos
Diversidade cultural
Issue Date: 2014
Publisher: Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu
Citation: MACHADO, Lia Zanotta. Interfaces e deslocamentos: feminismos, direitos, sexualidades e antropologia. Cadernos Pagu, Campinas, n. 42, p. 13-46, jun. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400420013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332014000100013&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 31 out. 2019.
Abstract: Este artigo tem como objetivo identificar e analisar as diferentes questões e interfaces entre os estudos antropológicos sobre gênero e sexualidade e os movimentos sociais pelos direitos das mulheres e pelos direitos à diversidade sexual no Brasil. Entendo que esses estudos, especialmente nas últimas duas décadas, têm ampliado suas questões, no sentido da corporalidade, do self, da subjetividade, da agência, dos sentimentos e afetos. Sempre reforçando relações de gênero como diferentes posiçõesde poder e hierarquia, o conceito de gênero é entendido como tornando-se ou podendo tornar-se em outra forma, não mais identidades, mas identificações, propondo uma ruptura das dicotomias como a heterossexualidade e a homossexualidade, masculinidade e feminilidade. Esses estudos revelam os desafios políticos entre, de um lado, a luta pelos direitos humanos das mulheres e pela diversidade sexual e, de outro lado, a luta pela diversidade cultural, bem como os efeitos políticos da escolha de diferentes metodologias antropológicas.
Abstract: This article aims to identify and analyze different issues and interfaces between anthropological studies on gender and sexuality, and social movements for women's rights and for rights for sexual diversity in Brazil. I argue that these studies, especially on the last two decades, have enlarged their issues, towards corporeality, self and subjectivity, agency, feelings and affects. Always reinforcing gender relations as different positions in power and hierarchy, the concept of gender is understood in the mode of becoming or becoming otherwise, no more identities, but identifications, proposing a rupture of dichotomies as heterosexuality and homosexuality, masculinity and femininity. These studies reveal the political challenges between the fight for human rights of women and sexual diversity and the fight for cultural diversity, as well as political effects from different choices of anthropological methodologies.
Licença:: Cadernos Pagu - (CC BY NC) - This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited. Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332014000100013&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 31 out. 2019.
DOI: https://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400420013
Appears in Collections:DAN - Artigos publicados em periódicos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/29290/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.