Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/2848
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2007_JulianaLopreteCury.pdf1,01 MBAdobe PDFView/Open
Title: Avaliação da capacidade de exercício, função pulmonar e qualidade de vida em pacientes com insuficiência renal crônica
Authors: Cury, Juliana Loprete
Orientador(es):: Aydos, Ricardo Dutra
Assunto:: Insuficiência renal crônica
Insuficiência respiratória
Insuficiência renal crônica - pacientes - qualidade de vida
Issue Date: 22-Dec-2009
Citation: CURY, Juliana Loprete. Avaliação da capacidade de exercício, função pulmonar e qualidade de vida em pacientes com insuficiência renal crônica. 2007. 107 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde)-Universidade de Brasília, Brasília, 2007.
Abstract: A Insuficiência Renal Crônica (IRC) é uma doença que afeta todo o sistema orgânico do indivíduo. Ela evolui com complicações sistêmicas como miopatia urêmica, anemia, hiperparatireoidismo secundário, entre outras que levam o paciente a desenvolver déficits funcionais. O objetivo deste trabalho foi avaliar a função pulmonar, a capacidade de exercício e a qualidade de vida em pacientes com IRC. Foram avaliados 72 indivíduos, sendo 32 pacientes com IRC que estão sob tratamento de hemodiálise (GD) há mais de 6 meses, 10 pacientes transplantados renais (GT) e 30 sujeitos saudáveis para compor o grupo controle (GC). A distribuição da idade foi de 43,9 (2,3) anos, o peso 65,9 (2,2) Kg e a altura 1,67 (0,01) metros para o GD; 50,4 (2,7) anos, 75,2 (5,1) Kg e 1,7 (0,02) metros para o GT; 48,4 (2,6) anos, 71,7 (2,2) Kg e 1,67 (0,01) metros para o GC. A avaliação da função pulmonar constou de espirometria segundo as normas da American Thoracic Society (1995), avaliação da força muscular respiratória segundo a técnica de pressões inspiratória (PImax) e expiratória (PEmax) máximas, descrita por Black & Hyatt (1969) e mobilidade torácica segundo adaptação do método utilizado por Kakizaki (1999). A capacidade de exercício foi avaliada pelo teste da distância percorrida em seis minutos (DP6min) segundo American Thoracic Society (2002). A qualidade de vida (QV) foi avaliada mediante questionário genérico SF-36 no GD e GT. Foram analisados resultados de exames laboratoriais: uréia, creatinina, PTH, hemoglobina, cálcio e fósforo para o GD. Todos os valores estão descritos na forma de média (erro padrão). A análise estatística utilizou os testes ANOVA e teste t de Student para os dados de distribuição normal; Mann-Whitney e Kruskall-Wallis para os dados de distribuição não-normal. Teste qui-quadrado para associação de grupos e variáveis e correlação de Pearson entre os parâmetros funcionais, considerando, para todos P<0,05 como índice mínimo de significância estatística. Foram encontrados resultados estatisticamente significativos (p<0,01) entre os grupos para os seguintes parâmetros: diminuição da função pulmonar (CVF, VEF1, VVM, CV, PImax, PEmax) nos pacientes do GD e GT; associação entre diminuição da PImax e GD (? =0,5, p<0,001); diminuição da capacidade de exercício (DP6min) no GD e GT (p<0,01). Não foram encontrados diferenças nos parâmetros funcionais segundo a classificação dos exames laboratoriais no GD. Não houve diferença para a QV entre GD e GT porém a pontuação está abaixo do valor esperado para normalidade. Foram encontradas correlações significativas (p<0,05) no GD entre CVF e DP6min (r=0,355), CVF e Total do SF-36 (r=0,414), CVF e VVM (r=0,469), DP6min e Total do SF-36 (r=0,439), DP6min e Funcionalidade (r=0,708), VVM e Total do SF-36 (r=0,348), PImax e PEmax (r=0,548). Encontramos correlação significativa (p<0,05) entre PImax e PEmax também para o GT (r=0,637) e GC (r=0,846). Pode-se concluir que existem alterações na capacidade de exercício, função pulmonar e qualidade de vida do paciente com IRC indicativas de prejuízo funcional que aparecem no paciente em hemodiálise e também no paciente transplantado renal. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT
The Chronic Kidney Disease (CKD) can affect all organic systems, that evolve with some complications like uremic miopathy, anemia and secondary hyperparathyroidism. This complication has been associated with symptoms like weakness and functional impairment. The aim of this study was to evaluate pulmonary function, exercise capacity and quality of life in the patients with CKD. There were evaluated 72 subjects: 32 patients with CKD (DG), 10 patients post renal transplantation (TG) and 30 normal subjects that was called control group (CG). The DG group has been on hemodialysis treatment during at least 6 months, 43,9 (2,3) years, 65,9 (2,2) Kg and 1,67 (0,01) meters. The TG group has done the renal transplantation at least 6 months and have to be clinically stable, 50,4 (2,7) years, 75,2 (5,1) Kg and 1,7 (0,02) meters. The CG group, 48,4 (2,6) years, 71,7 (2,2) Kg and 1,67 (0,01) meters, must not be respiratory, cardiac or others that can impaired the evaluated variables. The pulmonary function was evaluated by spirometry according to American Thoracic Society (1995), by maximal inspiratory pressure (MIP) and expiratory pressure (MEP) according to Black and Hyatt protocol (1969) and by chest wall motion using an adaptation from Kakisaki (1999) methods. The exercise capacity was measured using the six minute walking test (6MWT) according to American Thoraci Society (2002). The quality of life was measured using SF-36 questionnaire to DG and TG groups. There were analyzed the exams from DG group. Al values was showed with mean (standard error). The statistical analysis were done using one way ANOVA and Student t test for normal distribution sample. Mann-Whitney e Kruskall-Wallis tests for unormal distribution sample. Qui-square test for association between variables and groups and Pearson’s correlation between functional variables. All test has considered p<0,05 to minimum statistical significant level. The results showed statistical different values to: reduction of pulmonary function (FVC, FEV1, MVV, VC, MIP, MEP) in DG and TG groups; association between MIP reduction and DG group; exercise capacity reduction (6MWT) in DG and TG groups. There were not found differences in functional parameters when classifying DG group by exams results. There were not differences between DG and TG group in SF-36 analysis; however the mean values were under the normal values expected for normal population. We found significative correlations (p<0,05) in DG group between FVC and 6MWT (r=0,355), FVC and e Total from SF-36 (r=0,414), FVC and MVV (r=0,469), 6MWT and Total from SF-36 (r=0,439), 6MWT and Physical Functioning (r=0,708), MVV and Total from SF-36 (r=0,348), MIP and MEP (r=0,548). We also found significative correlations (p<0,05) between MIP and MEP to TG (r=0,637) and CG (r=0,846) groups. We conclude that there were differences in pulmonary function, exercise capacity and quality of life in patient with CKD that indicate some degree of functional impairment in this population. This functional impairment appears in haemodialysis patients and in post renal transplant patients.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2007.
Appears in Collections:PPGCS - Mestrado em Ciências da Saúde (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/2848/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.