Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/2768
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2007_MargotLattMarinho.PDF2,33 MBAdobe PDFView/Open
Title: O ensino da biologia : o intérprete e a geração de sinais
Authors: Marinho, Margot Latt
Orientador(es):: Carvalho, Orlene Lúcia de Saboia
Assunto:: Biologia - estudo e ensino
Língua de sinais
Surdos - educação
Issue Date: 2-Jul-2007
Citation: MARINHO, Margot Latt. O ensino da biologia: o intérprete e a geração de sinais. 2007. 143 p., il. Dissertação (Mestrado em Lingüística)-Universidade de Brasília, Brasília, 2007.
Abstract: O português é geralmente a segunda língua das pessoas com surdez profunda. Conseqüentemente, a maioria dos estudantes surdos não compreende o significado de determinadas palavras. Além disso, a estrutura da linguagem científica e os conceitos podem ser também complexos e abstratos. Isso faz com que as informações dadas por professores nas aulas de Biologia sejam difíceis de compreender. Deste modo, apreender uma nova informação é tarefa árdua para estudantes surdos. Por outro lado, a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) tem poucos termos e isso faz com que a interpretação na sala de aula seja igualmente difícil. O presente estudo faz análises dessas dificuldades e limitações vividas por estudantes surdos, intérpretes educacionais e professores, no que concerne ao ensino da Biologia, principalmente no que tange à terminologia científica. Para a realização desse estudo, foi escolhido um grupo de estudantes surdos do Ensino Médio de uma escola pública. Durante certo tempo, algumas aulas foram filmadas e posteriormente transcritas para análise. Os resultados desta pesquisas mostraram que somente a presença do intérprete na sala de aula é insuficiente e a adoção de estratégias interacionais, bem como o material visual, intervêm decisivamente na qualidade da aprendizagem e na possibilidade da criação de sinais em LIBRAS para os termos da Biologia. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT
Portuguese is usually the second language of profoundly deaf people. Therefore, most of the students do not understand the meaning of certain words. Besides that, the structure of science language and the concepts can be also complex and abstract. That makes the information presented by teachers in Biology classes difficult to understand. Thus, it is hard for deaf students to grasp new information. On the other hand Brazilian Sign Language (LIBRAS) has few terms, wish makes interpretation in the classroom also hard. The present study analysis these difficulties and limitations by deaf students, educational interpreters and teachers, into consideration and it analysis the teaching of Biology, mainly in what it refers to the scientific terminology. In order to carry out this study a group of deaf students of a Secondary State School was chosen. Classes were videotaped for a certain period of time and transcribed for analysis. The results of this research show that the presence of an interpreter in the classroom is not enough and that the adoption of interactional strategies and visual material intervenes decisively in the quality of learning and the possibility of creating signs for biological terms in LIBRAS.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Classicas, Programa de Pós-Graduação em Linguística, 2007.
Appears in Collections:LIP - Mestrado em Linguística (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/2768/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.