Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/24126
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2016_JéssicaGomesdeAlmeidaMaia.pdf9,55 MBAdobe PDFView/Open
Title: Caracterização da mineralização aurífera no Granito do Carmo, Depósito Serra Alta, município de Monte do Carmo (TO)
Authors: Maia, Jéssica Gomes de Almeida
Orientador(es):: Souza, Valmir da Silva
Coorientador(es):: Oliveira, Claudinei Gouveia de
Assunto:: Metalogenia
Ouro
Granito
Província Tocantins - aspectos geológicos
Mineralização
Issue Date: 15-Aug-2017
Citation: MAIA, Jéssica Gomes de Almeida. Caracterização da mineralização aurífera no Granito do Carmo, Depósito Serra Alta, município de Monte do Carmo (TO). 2016. xiii, 87 f., il. Dissertação (Mestrado em Geociências Aplicadas)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Abstract: A mineralização aurífera do Depósito Serra Alta é do tipo Intrusion Related e encontra-se hospedada no denominado Granito do Carmo, que representa uma fase mais evoluída e fracionada de um magmatismo sienogranítico do tipo I, alcalino-cálcico a calci-alcalino de alto potássio, peraluminoso e com moderado fracionamento entre os ETR leves e pesados. Apresenta assinatura geoquímica de ambiente geotectônico do tipo cordilheira, como produto da colisão entre placas oceânica e continental. A idade de cristalização U-Pb é de 2083 ± 21 Ma, com valores TDM entre 2,05-2,15 Ma e εNd (2,083) positivo, pertencente a Suíte Intrusiva Ipueiras, dentro no contexto da Faixa Araguaia, Província Tocantins. A mineralização é do tipo filoneana, formada por dois sistemas de veios e vênulas que se intercruzam em dois trends principais, NE-SW e NWSE, desenvolvidos junto às zonas de alteração hidrotermal e intensificados na porção de cúpula do granito. O ouro encontra-se hospedado nos sistemas de veios e vênulas, ocorrendo como grãos isolados, de forma livre em veios quartzosos, ou associado a paragênese mineral sulfetada (pirita, galena, esfalerita, calcopirita ± covelita). As frentes de alteração hidrotermal são representadas pelas fases propílica, seguida de sulfetação e silicificação, que eventualmente se sobrepõem. As frentes de alteração hidrotermal observadas juntamente com a presença de distintas fases de dilatação nos sistemas filoneanos, indicam sucessivas fases de reaberturas e preenchimento de cavidades, que podem ocorrer simultaneamente, demonstrando um processo efetivo e prolongado da circulação convectiva dos fluidos hidrotermais. Estudos de inclusões fluidas em veios de quartzo mineralizados identificaram a existência de três tipos de fluidos: aquoso (H2O – NaCl ± KCl, NaHCO3), aquocarbônico (H2O – NaCl – CO2) e carbônico (CO2). O sistema aquoso apresenta salinidade de 0,35-10,23% em peso de NaCl equivalente, densidade de 0,59-0,91 g/cm³, temperatura e pressão mínima de aprisionamento de 201-381°C e 0,024-0,189 kbar, respectivamente. Enquanto que os sistemas aquocarbônico e carbônico possuem salinidade entre 1,02-10,1% em peso de NaCl equivalente, densidade de 0,36-0,71 g/cm³, temperatura e pressão mínima de aprisionamento de 194-382°C e 0,83-3,05 kbar, respectivamente. Essas diferentes composições de fluidos indicam que o processo hidrotermal tardi a pós-magmático do depósito envolveu a interação de sistemas de fluidos de naturezas distintas (hidrotermais de derivação magmáticas vs meteóricos) durante a ascensão fluidal sob condições epi a mesozonais. A fase hidrotermal foi assim, impulsionada para a cúpula granítica pelos voláteis com grande aporte de metais (Au+Fe+Pb+Zn+Cu) e, a tensão gerada nessa porção, proporcionou sua ruptura, gerando fraturas distensivas nas direções NW-SE e NE-SW, facilitando a percolação de fluidos de forma generalizada. A interação dos fluidos associada ao processo de ruptura na cúpula granítica, favoreceram ao abaixamento de temperatura e descompressão, alterando as condições físico-químicas no sistema hidrotermal e proporcionando a precipitação dos metais em armadilhas estruturais. Os dados aqui apresentados demonstram que a mineralização aurífera do Depósito Serra Alta é do tipo Intrusion Related, em ambiente do tipo Cordilheirano.
Abstract: The Serra Alta gold deposit is intrusion related type associated to the Carmo Granite, which is the more evolved and fractioned phase of a type I sienogranitic magmatism. It is present alkaline-calcium to high potassium calci-alkaline and peraluminous geochemical characteristics, as well as moderate fractionation between ETRL and ETRH. It presents yet cordillera type geotectonic environment geochemical signature most likely to oceanic-continental plate collision. The crystallization age U-Pb is 2083 ± 21 Ma, with TDM values between 2.05-2.15 Ma and εNd (2.083) positive, belonging to the Intrusive Suite Ipueiras, within the context of the Araguaia Belt, Tocantins Province. The gold mineralization is lode type, formed by two veinsveinlets systems on the NE-SW and NW-SE intersect trends, developed in the apex-zone of granitic intrusion and associated to hydrothermal alteration zones (propilic, sulfation and silicification types) that eventually overlap. In the veins-veinlets system the gold occur as free nugget or associated to sulphide-mineral assemblage (pyrite, galena, sphalerite, chalcopyrite ± covelite). Often dilatation/opening and deposition of the minerals events in the fissure systems are observed, indicative to an effective and prolonged process of convective circulation of hydrothermal fluids. Fluid inclusions studies in quartz veins identified the existence of three types of fluids: aqueous (H2O - NaCl ± KCl, NaHCO3), aquocarbonic (H2O - NaCl - CO2) and carbonic (CO2). The aqueous system presents from 0.35 to 10.23 wt.% NaCl equiv., density between 0.59-0.91 g/cm-3 , temperature and pressure entrapment of 201o -381o C and 0.024-0.189 kbar, respectively. On the other hand, the aquocarbonic and carbonic systems have salinity between 1.02-10.1% wt.% NaCl equiv., density of 0.36- 0.71 g/cm-3 , temperature and minimum entrapment pressure of 194o -382o C and 0.83-3.05 kbar, respectively. These characteristics different in the fluid systems suggest that the late- to post-magmatic hydrothermal phases in the Serra Alta gold deposit, involved the interaction between different fluid systems (e.g. hydrothermal from magnatic derivation vs. meteoric) during the fluidal rising under epi- to mesozone conditions. The fluidal tension led to dilatation fractures generation over apex-zone of granitic intrusion, facilitating fluid percolation and temperature lowering by decompression, modifying the physico-chemical conditions in the hydrothermal system and providing the precipitation of metals in structural traps.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Geociências, Programa de Pós-Graduação em Geociências Aplicadas, 2016.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:IG - Mestrado em Geociências Aplicadas (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/24126/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.