Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/2302
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Sonia Fortes do Prado.pdf1,97 MBAdobe PDFView/Open
Title: Dimensões da violência sexual contra meninos sob a ótica de gênero : um estudo exploratório
Authors: Prado, Sonia Fortes do
Orientador(es):: Diniz, Gláucia Ribeiro Starling
Assunto:: Violência sexual
Violência doméstica
Abuso sexual infantil
Crime contra a criança
Issue Date: Oct-2006
Citation: PRADO, Sonia Fortes do. Dimensões da violência sexual contra meninos sob a ótica de gênero: um estudo exploratório. 2006. 216 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.
Abstract: O abuso sexual contra a criança e o adolescente se insere no espaço do segredo, dos silêncios, dos não ditos... E, assim sendo, passa despercebido, camuflado em relações aparentes, em famílias que vivem sozinhas a sua dor. Este trabalho buscou refletir sobre esse fenômeno, ao tentar compreender o abuso sexual em meninos, cuja incidência em nossa sociedade tem se mostrado insignificante em comparação ao abuso sexual de meninas. A nossa hipótese principal é a de que a construção social de gênero tem sido um dos motivos que sustenta o quadro de abuso sexual em meninos e fortalece a sua invisibilidade. A fundamentação teórica desse estudo tem na perspectiva sistêmica feminista sua base e norteamento. Dessa maneira a categoria gênero tornou-se uma categoria fundamental de análise. Ademais não poderemos deixar de discorrer sobre a relação entre a violência, gênero e masculinidade. Focalizando a família como o lócus vivendi do abuso, onde se dá a sua construção e concretização, escolhemos o estudo de caso como delineamento de pesquisa. Partimos da compreensão de que uma pesquisa qualitativa seria mais adequada e escolhemos a Análise de Conteúdo de Bardin como instrumento de análise. Três famílias foram escolhidas tendo como critério básico o fato da existência de abuso sexual contra meninos intrafamiliar e estarem em fases distintas do ciclo vital. As entrevistas semi-estrturadas foram realizadas em seu espaço domiciliar, como forma tanto de facilitar a locomoção e o encontro como também a de se conhecer melhor as estruturas e dinâmicas familiares. São três famílias e três formas de abusos: a primeira foi o primo que abusou de dois irmãos, a segunda foi o padrasto e a terceira foi o próprio pai a abusar de seus dois filhos. Dessa maneira pudemos fazer uma leitura expressiva desses abusos. Os resultados encontrados apontam para um viés de gênero. Ou seja, a invisibilidade da violência sexual de meninos encontra no patriarcalismo sua base e sustentação. O sofrimento e a dor são incomensuráveis em todas elas, mas manifestam de forma mais dura e cruel quanto mais proximidade o abusador tem com sua vítima. O impacto é visto como um abalo inusitado em todas as famílias, uma dor que ninguém gostaria de ter, de ver e de contar. __________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
Sexual abuse against children and adolescents is inserted in secrecy and silence. Therefore, it is unnoticed and camouflaged in apparent relations within families who undergo such grief by themselves. The present research has sought to reflect on this phenomenon by attempting to analyze sexual abuse against boys, which is, in our society, insignificant if compared to sexual abuse against girls. The main hypothesis of this study lies on the fact that gender social construction has been one of the motives that support the frame of sexual abuse against boys and strengthen its invisibility. The theoretical framework of this study is based on the feminine systemic perspective; therefore, the gender category is a fundamental category for analysis. Moreover, the relation among violence, gender and masculinity shall not be ignored. Due to the fact that the family is focused as the locus vivendi of the abuse, from which it is constructed and carried out, the case study was chosen as the research guideline. A qualitative research was chosen for it is believed to be more adequate and the Content Analysis of Burdin was chosen as the instrument for analysis. Three families have been chosen through the basic criterion of the existence of intrafamiliar sexual abuse against boys in distinct phases of the vital cycle. Semi-structured interviews were carried out in domiciliary spaces as a means to facilitate locomotion and meetings as well as knowledge of the family structures and dynamics. There are three families and three forms of abuses: in the first one, two brothers were abused by a cousin, in the second one, the abuser was the stepfather, and in the third one, the father himself abused his two sons. It was possible to analyze expressively these abuses. The results point out to a gender bias, that is, the invisibility of sexual violence against boys finds on patriarchalism its base and support. The suffering and pain are immeasurable in each case; however, they can be crueler and tougher the closer the abuser is to his victims. The impact is perceived as an unexpected shock in every family, which results in pain that no one wishes to have, see, or talk about.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Clínica, 2006.
Appears in Collections:PCL - Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/2302/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.