Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/21431
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2016_DeniseGasperinGelain.pdf1,1 MBAdobe PDFView/Open
Title: Deficiência física e violências cotidianas : experiências de mulheres
Authors: Gelain, Denise Gasperin
Orientador(es):: Diniz, Gláucia Ribeiro Starling
Assunto:: Deficiência física
Gênero
Violência contra as mulheres
Issue Date: 9-Sep-2016
Citation: GELAIN, Denise Gasperin. Deficiência física e violências cotidianas: experiências de mulheres. 2016. vii, 123 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Abstract: As mulheres com deficiência física são um grupo vulnerável a sofrer violências. O objetivo geral dessa pesquisa foi investigar como mulheres com deficiência física vivenciam violências cotidianas nos âmbitos pessoais, familiares e sociais, a partir de uma perspectiva de gênero e feminista. Para tanto, são apresentadas as dimensões corporal, relacional e identitária das experiências dessas mulheres e as formas como violências cotidianas e preconceitos são vividos nessas áreas. As participantes da pesquisa foram quatro mulheres com deficiência física, com idades entre 20 a 50 anos, recrutadas através da rede de contatos da mestranda, envio de e-mails de divulgação da pesquisa e indicações das próprias entrevistadas. As informações foram coletadas por meio de entrevistas individuais semiestruturadas e analisadas com base na metodologia de análise de conteúdo. As categorias temáticas discutidas foram: Percepções de si e de sua vida; Vivências da corporeidade e da sexualidade; Experiências relacionais; Interações com o contexto social; Preconceitos e violências cotidianas. Utilizou-se uma perspectiva de gênero e feminista em diálogo com o modelo social da deficiência. Constatou-se que diversos aspectos têm impacto sobre as experiências das mulheres entrevistadas: a força de valores como magreza e beleza, mediados por discursos médicos e midiáticos; as opressões, os mitos e as negações ligadas à sexualidade; as dificuldades que os próprios familiares têm de aceitar, acolher e lidar com as diferenças; a desproteção e invisibilidade a que estão sujeitas as mulheres com deficiência no contexto social; a falta de acessibilidade que limita suas vivências e desenvolvimento de potencialidades; a participação em grupos de pessoas com deficiência; presença de preconceitos e violências cotidianas. Dependendo do contexto, diferentes formas de violência se delinearam nas vivências das mulheres com deficiência física entrevistadas. Os depoimentos das participantes nos levou a concluir que podemos considerar como alguns possíveis impactos das violências cotidianas, nomeadas dessa forma ou não, os seguintes comportamentos e sentimentos: dificuldade de aceitação, humilhação, sentimento de exclusão, vergonha do corpo, revolta, tristeza, decepção, desânimo, falta de motivação, impotência e sensação de rejeição na relação com outras pessoas. De maneira geral, os preconceitos e as violências cotidianas deixaram uma marca emocional nas mulheres entrevistadas. Constataram-se também algumas pré-concepções e preconceitos acerca do que é socialmente esperado no que concerne à participação de mulheres com deficiência física em contextos sociais. Mesmo não intencionalmente, as mulheres com deficiência física entrevistadas desafiaram algumas dessas expectativas e barreiras. A produção de mais conhecimento acerca dessas e outras dimensões das experiências de vida dessas mulheres pode contribuir para melhorar as condições de vida desse grupo minoritário. _________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
Women with disability are a vulnerable group to suffer violence. The goal of this research was to investigate how women with disability experience everyday violence in personal, familiar and social spheres, from a perspective of gender and feminism. Therefore, it is presented the body, relational and identity dimensions of the experiences of these women and the ways in which everyday violence and prejudice are experienced in these areas. The participants were four women with disabilities aged from 20 to 50 years old, recruited in the graduate student networking, by sending emails to disseminate the research and other participants were proposed by some of the interviewees themselves. Data were collected through semi-structured individual interviews and analyzed based on the content analysis methodology. The thematic categories discussed were: perceptions of themselves and their lives; experiences related to the body and the sexuality; relationship experiences; interactions with the social context; prejudices and everyday violence. We used a perspective of gender and feminism with the social model of disability. It was found that several aspects have an impact on the experiences of the women interviewed: the strength of values such as thinness and beauty, mediated by medical and media speeches; oppression, myths and denials related to sexuality; the difficulties that the families themselves have to deal with and accept regarding the differences; the defenselessness and invisibility that women with disabilities face in the social context; lack of accessibility that limits their experiences and development; participation in groups of people with disabilities; everyday prejudice and violence. Depending on the context, different forms of prejudice and violence outlined and affected the experiences of the women with disabilities that were interviewed. The testimonies of the participants lead us to conclude that we can consider as some possible impacts of everyday violence, named that way or not, the following behaviors and feelings: difficult of acceptance, humiliation, feelings of exclusion, body shame, anger, sadness, disappointment , lack of motivation, impotence and sense of rejection related to others. In general, prejudice and everyday violence have left an emotional scar on the women interviewed. It has also been found some preconceptions and prejudices about what is socially expected regarding the participation of women with disabilities in social contexts. Even unintentionally, women with disabilities interviewed challenged some of these expectations and barriers. The production of knowledge about these and other aspects of the life experiences of these women can help to improve the living conditions of this minority group.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Clínica, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, 2016.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:PCL - Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/21431/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.