Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/2095
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
José Eduardo Trevizoli - Tese Doutorado.pdf3,13 MBAdobe PDFView/Open
Title: Hepatite C em pacientes portadores de insuficiência renal crônica em hemodiálise : aspectos histológicos, bioquímicos e virológicos
Authors: Trevizoli, José Eduardo
Orientador(es):: Neves, Francisco de Assis Rocha
Assunto:: Hepatite crônica C
Insuficiência renal
Hemodiálise
Biópsia hepática
Fibrose hepática
Issue Date: Aug-2008
Citation: TREVIZOLI, José Eduardo. Hepatite C em pacientes portadores de insuficiência renal crônica em hemodiálise: aspectos histológicos, bioquímicos e virológicos. 2008. 127 f. Tese (Doutorado em Patologia Molecular)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.
Abstract: Justificativa: O grau de progressão da doença hepática nos pacientes portadores de insuficiência renal crônica (IRC) em tratamento regular de hemodiálise não está definido. Existem poucos estudos na literatura, e aqueles que avaliaram histologia hepática apresentam resultados contraditórios. Objetivos: O objetivo desse estudo foi comparar os aspectos clínicos, bioquímicos e de histologia hepática dos pacientes em hemodiálise com aqueles com função renal normal. Material e Métodos: Foi realizado um estudo caso-controle com 36 pacientes em hemodiálise e 37 pacientes com função renal normal. Os dois grupos apresentavam pesquisa do RNA do Vírus da hepatite C e foram emparelhados com relação a sexo, idade e tempo estimado de infecção. Além disso, foi realizado um estudo prospectivo para avaliar a taxa de progressão da fibrose hepática. Nos pacientes portadores de IRC em hemodiálise que não foram submetidos ao transplante renal num período de pelo menos 03 anos foi realizado uma segunda biópsia hepática e comparado com os achados histológicos da primeira. Resultados: Os pacientes infectados pelo VHC em hemodiálise apresentaram menores níveis de enzima hepática (alanina aminotransferase) e menor carga viral que os pacientes com função renal normal. A presença de qualquer grau de fibrose hepática pela classificação de Metavir foi significativamente mais freqüente nos pacientes com função renal normal (73%) quando comparados com aqueles em hemodiálise (47.2%; p<0.025). Da mesma forma, o grau de atividade inflamatória foi mais intenso nos pacientes com função renal normal (59.5%) do que naqueles em hemodiálise (27.7%; p=0.003). Na análise multivariada, a presença de atividade inflamatória grave com o único fator de risco para a ocorrência de fibrose hepática (p<0.001) e o risco de inflamação grave (Metavir graus 2-4) foi quatro vezes menor nos pacientes em hemodiálise (OR=0.23, p<0.004). Em nove pacientes em hemodiálise que permaneceram em hemodiálise, uma segunda biópsia foi realizada com intervalo médio de 66 meses (40-88). Houve progressão de pelo menos um ponto na escala de fibrose do sistema Metavir em três pacientes, com taxa de progressão direta de 0.15/ano. Conclusões: A menor atividade inflamatória tecidual hepática e bioquímica observada nos pacientes renais crônicos sugere que a hemodiálise e a uremia podem atuar como fator protetor na doença causada pelo vírus da hepatite C. ___________________________________________________________________________________ ABSTRACT
Background: The severity of liver disease among hepatitis C patients on hemodialysis is controversial. Objective: The aim of this study was to compare the clinical, biochemical and liver histological characteristics of HCV in hemodialysis patients with those with normal renal function. Methods: A case-control study was carried out with 36 HCV patients on hemodialysis and 37 HCV patients with normal renal function matched for gender, age at infection, and estimated time of infection. Moreover, a prospective study was performed to compare two liver biopsies obtained at an interval of at least three years in hemodialysis patients who did not receive a kidney transplant. Results: HCV patients on hemodialysis had lower levels of alanina aminotransferase and lower viral load. Hepatic fibrosis was significantly higher in the patients with normal renal function (73%) than in hemodialysis patients (47,2% p<0.025) as well as inflammatory activity (control group 59.5% vs. hemodialysis patients 27.7%, p=0.003). In addition, the risk of tissue inflammation was four times lower in hemodialysis patients (OR=0.23, p<0.004) and severe inflammatory activity on biopsy was the only independent risk factor for fibrosis (p<0.001). In two liver biopsies performed at a mean interval of 66 months (40-88) in nine hemodialysis patients, fibrosis progressed 1 point (Metavir scale) only in three patients (mean direct progression rate 0.15/year). Conclusion: The lower biochemical and inflammatory activities observed in hemodialysis patients suggest that hemodialysis and uremia may have a protective role against progression of the disease caused by HCV.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, 2008.
Appears in Collections:FMD - Doutorado em Patologia Molecular (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/2095/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.