Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/18804
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2015_DanielaLopesGomes.pdf1,28 MBAdobe PDFView/Open
Title: Efeitos metabólicos e nutricionais da suplementação proteica em mulheres com reganho de peso após 24 meses de cirurgia bariátrica : um ensaio clínico randomizado
Authors: Gomes, Daniela Lopes
Orientador(es):: Carvalho, Kênia Mara Baiocchi de
Assunto:: Cirurgia bariátrica
Composição corporal
Ganho/Perda de peso
Dietas
Metabolismo energético
Issue Date: 26-Nov-2015
Citation: GOMES, Daniela Lopes. Efeitos metabólicos e nutricionais da suplementação proteica em mulheres com reganho de peso após 24 meses de cirurgia bariátrica: um ensaio clínico randomizado. 2015. xi, 74 f., il. Tese (Doutorado em Nutrição Humana)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Abstract: Introdução: É comum o reganho de peso após 24 meses de gastroplastia redutora em Y-de-Roux (GRYR), com ingestão insuficiente de proteína, associada a perda de massa livre de gordura (MLG) e redução no Gasto Energético de Repouso (GER). Porém, ainda não existe consenso sobre a melhor conduta dietoterápica para estes pacientes. O objetivo deste estudo foi avaliar aspectos nutricionais e metabólicos de mulheres com reganho de peso após 24 meses de GRYR e sem uso de suplementação proteica. A tese é apresentada em dois artigos: O primeiro avaliou o GER e sua associação com a composição corporal na linha de base do estudo e o segundo avaliou, em 16 semanas de seguimento, os efeitos de dieta hipoenergética associada à suplementação com proteína do soro do leite, nos parâmetros antropométricos e metabólicos das pacientes estudadas. Método: Este estudo foi realizado no período de janeiro a dezembro de 2013. Para análise transversal foram determinados o GER por calorimetria indireta, a composição corporal por análise de bioimpedância tetrapolar e o consumo proteico pela média de 2 recordatórios de 24 horas em 34 mulheres com pelo menos 5% de reganho de peso. Foram aplicadas correlação de Pearson e modelo de regressão linear multivariada para investigar associação entre as variáveis. Na segunda etapa, foi realizado ensaio clínico aberto, com 24 destas pacientes que concluiram pelo menos 2 meses de intervenção, aleatoriamente alocadas no grupo com ou sem suplementação proteica (grupo intervenção-GI e grupo controle-GC, respectivamente). Além das medidas já citadas, foram avaliadas na linha de base, com 8 e 16 semanas e dosagem bioquímica para avaliação do perfil glicêmico, lipídico, adiponectina, IL-6 e colecistoquinina (CCK), estas três últimas, na linha de base e após 16 semanas de intervenção. Aplicou-se Equações de Estimativas Generalizadas (GEE) com imputação dos dados faltantes para investigar interação tempo e grupo (int T/G) do modelo, considerando p<0,05 como significância estatística. Foi utilizado o software SPSS (v.19) nas duas análises. Resultados: No primeiro estudo, as pacientes encontravam-se com 68,8 ± 22,9 meses após a GRYR. A mediana de reganho de peso foi de 14% (min= 6%; máx= 65,7%), associada positivamente ao tempo após a cirurgia (r=0,39; p=0,023). A média de massa gorda (%MG) foi de 45,1 ± 8,3% e de massa livre de gordura (%MLG) 54,3 ± 8,1% (razão MLG/MG = 1,1 ± 0,2). A média do GER foi de 1425 ± 187 kcal (14kcal/ kg de massa corporal) e a ingestão proteica foi de 0,9 + 0,3 g/kg peso ideal. Pela regressão linear, observou-se que o GER mostrou associação positiva à MLG (ß=0,445; p=0,025) independente do consumo proteico e tempo após a cirurgia. No GI, observou-se que houve um aumento no consumo diário de proteína, com média de 100,4+16,7g e 51,78+56,3g no GI e GC, respectivamente. No estudo de intervenção, observou-se que, comparando-se com o GC, o GI apresentou maior redução de massa corporal (int T/G p=0,017) acompanhado de maior redução de MG (int T/G p=0,021). Não foram observadas interações tempo e grupo para MLG (p=0,188) e GER (p=0,990). Ambos os grupos apresentaram reduções dos níveis de hemoglobina glicada (p<0,001), colesterol total (p=0,003) e LDL colesterol (p=0,010). Porém, observou-se a redução do HDL colesterol para o GC (int T/G p=0,048). Não houve alteração quanto a adiponectina (int T/G p=0,991), IL-6 (int T/G p=0,495) e CCK (int T/G p=0,247). Conclusão: Preservar a MLG em pacientes bariátricos parece ser fundamental para manter o GER. Para tratar pacientes com reganho de peso, além da dieta hipoenergética, a suplementação proteica parece ser importante para promover redução de MG. Para este protocolo, a suplementação com proteína do soro do leite não modulou resposta nos marcadores inflamatórios e hormonais testados.
Abstract: Introduction: The weight regain is often observed after 24 months of Roux-en-Y gastric bypass (RYGB) with insufficient protein intake, associated with fat-free mass (FFM) loss and reduced resting energy expenditure (REE). However, there is no consensus on the best nutritional treatment for these patients. The objective of this study was to evaluate nutritional and metabolic aspects of women with weight regain after 24 months of RYGB and no protein supplementation. For this purpose, two studies were conducted: the first evaluated the GER and its association with body composition at baseline, and the second study evaluated, at 16 weeks of follow-up, the effects of diet low in energy associated with whey protein supplementation in anthropometric and metabolic parameters of the studied patients. Method: For cross-sectional analysis, REE were determined by indirect calorimetry, body composition by bioelectrical impedance analysis and protein intake by average of two 24-hour recalls in 34 women with at least 5% weight regained. It was applied Pearson correlation and multivariate linear regression model to investigate the association between variables. In the second stage an open clinic trial was conducted open clinical trial, with 24 of these patients which concluded at least two months of intervention, randomly allocated in the group with or without whey protein supplementation (intervention group - IG and control group - CG, respectively). In addition to the measures already mentioned, were evaluated at baseline, with 8 and 16 weeks, proceeded to biochemical analysis for assessment of glycemic and lipid control, adiponectin, IL-6 and cholecystokinin (CCK), these last three, at baseline and after 16 weeks of intervention. Applied generalized estimates of equations (GEE) with imputation of missing data, to investigate interaction time and group model (int T / G), considering p <0.05 as statistically significant. The SPSS software was applied (version 19.0) for all tests. Results: In the first study, the length after the cirgury was 68,8 ± 22.9 months. The weight regain median was 14% (min=6%; max=65,7%) and positively associated with the postoperative time (r=0,39; p=0,023). The average body fat (% BF) was 45,1 ± 8,3% and fat-free mass (FFM%) 54,3 ± 8,1% (ratio FFM/= 1,1±0,2 ). The REE was 1425 ± 187 kcal (14kcal/ kg current weight) and protein intake was 0,9 ± 0,3g/kg ideal weight. By linear regression, it was observed that the REE showed a positive association with the FFM (ß=0,445; p=0,025), independent of protein intake and postoperative time. In the intervention study, it was observed that, compared with the CG, IG presented a greater reduction of body mass (int T/G p = 0.017), accompanied by further reduction of fat mass (FM) (int T/G p=0,021). There were no interactions time and group for FFM (p=0,188) and REE (p=0,990). Both groups showed reductions of glycated hemoglobin levels (p<0,001), total cholesterol (p=0,003) and LDL cholesterol (p=0,010). However, the reduction in HDL cholesterol is observed for CG (int T/G p = 0,048). There was no change adiponectin (int T/G p=0,991), IL-6 (int T/G p=0,495) and CCK (int T/G p=0,247). Conclusion: Preserving the FFM in bariatric patients appears to be crucial to keep the REE and avoid weight regain. Even those patients with insufficient protein intake can benefit from resistance training aimed at improvement of body composition. To treat patients with weight regain, in addition to low-protein diet, protein supplementation appears to be important to promote FM reduction. For this protocol, whey protein supplementation not modulated hormonal markers and inflammatory response did not.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós Graduação em Nutrição Humana, 2015.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
DOI: http://dx.doi.org/10.26512/2015.06.T.18804
Appears in Collections:NUT - Doutorado em Nutrição Humana (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/18804/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.