Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/18631
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2015_AlineCarsonBorges.pdf25,77 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBarros, Marília-
dc.contributor.authorBorges, Aline Caron-
dc.date.accessioned2015-10-26T11:52:50Z-
dc.date.available2015-10-26T11:52:50Z-
dc.date.issued2015-10-26-
dc.date.submitted2015-06-25-
dc.identifier.citationBORGES, Aline Caron. Efeito do acesso intermitente a alimentos palatáveis no comportamento alimentar e nas respostas induzidas por cocaína em primatas não-humanos (Callithrix Penicillata). 2015. 147 f., il. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.en
dc.identifier.urihttp://repositorio.unb.br/handle/10482/18631-
dc.descriptionTese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2015.en
dc.description.abstractO comportamento alimentar é regulado por dois sistmas complementares: o sistema homeostático e o hedônico. O primeiro regula o equilíbrio energético por meio do aumento da motivação para comer em situações de déficit energético. O segundo, relacionado ao prazer, pode sobrepor-se ao primeiro e gerar comportamentos alimentares patológicos. A compulsão alimentar e a dependência por drogas dividem, em parte, as mesmas bases neurais, uma vez que drogas de abusos se apropriam do sistema neural de recompensa de reforçadores naturais. O presente estudo teve como objetivo desenvolver um modelo animal de comportamento alimentar do tipo compulsivo em primatas não-humanos (micos-estrela; Callithrix penicillata), e investigar o efeito da pré-exposição a alimentos palatáveis (ricos em açúcar e/ou gordura) em comportamentos induzidos pela administração de cocaína. No Estudo 1, dois grupos homogêneos compostos por machos e fêmeas foram estabelecidos e submetidos a diferentes regimes alimentares: grupo HR (high restriction – acesso à bala de banana restrito a três dias por semana) e grupo LR (low restriction – acesso diário à bala de banana) por 15 min, em uma caixa de alimentação. Após quatro semanas, não foram encontradas diferenças significativas no consumo de bala entre os grupos, no entanto, houve diferença entre os gêneros. Fêmeas consumiram mais balas que machos e também apresentaram maior duração e maior frequência de forrageio, o que sugere maior susceptibilidade para o modelo animal de comportamento compulsivo em relação ao macho. Portanto, o Estudo 2 investigou o efeito da pré-exposição à dieta de cafeteria no comportamento de hipervigilância gerado pela administração de 5mg/kg de cocaína em dois grupos de fêmeas (HR: acesso à dieta de cafeteria duas vezes por semana, e GC: acesso a frutas apenas). Não foi possível observar episódio de compulsão alimentar, pois os animais do grupo HR não escalonaram a ingestão de dieta de cafeteria da primeira para a última semana de estudo (S1 vs. S6). Porém, dois perfis foram identificados: animais propensos e animais não-propensos à hiperfagia. Os animais propensos à hiperfagia também apresentaram maior vigilância após receberem um injeção de cocaína, sugerindo, assim, uma possível predisposição a desenvolver comportamentos compulsivos. No Estudo 3 foi avaliado o efeito da pré-exposição à dieta de cafeteria oferecida no viveiro de moradia por seis semanas no comportamento de preferência por lugar condicionada à cocaína (3mg/kg). O grupo de fêmeas expostas à dieta de cafeteria apresentou escalonamento no consumo alimentar, portanto, sugere-se que, com essa metodologia, é possível induzir um comportamento do tipo compulsivo em calitriquídeos. No entanto, ambos os grupos apresentaram comportamentos de preferência-por-lugar condicionada à cocaína, e esse comportamento se manteve por pelo menos quinze dias após a última sessão de condicionamento, sugerindo que a dieta de cafeteria não influenciou o efeito reforçador da droga.en
dc.language.isoPortuguêsen
dc.rightsAcesso Abertoen
dc.titleEfeito do acesso intermitente a alimentos palatáveis no comportamento alimentar e nas respostas induzidas por cocaína em primatas não-humanos (Callithrix Penicillata)en
dc.typeTeseen
dc.subject.keywordCompulsão alimentaren
dc.subject.keywordCocaínaen
dc.subject.keywordPrimataen
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.en
dc.identifier.doihttp://dx.doi.org/10.26512/2015.06.T.18631-
dc.description.abstract1Feeding behavior is regulated by both homeostatic and hedonic systems. The former regulates energy balance by increasing an individual’s motivation towards feeding in stiuations of energy deficit. The latter, related to pleasure, can overide this homeostatic system and generate pathological eating behaviors. The neural bases responsible for binge eating disorder and drug addiction seem to overlap, as drugs ovartake the reward system of natural reinforcers. Accordingly, the present study aimed to develop an animal model of compulsive-like eating behaviour in non-human primates (black tufted-ear marmosets; Callithrix penicillata) and to investigate the effects of the pre-exposure to palatable foods (rich in sugar and/or fat) on cocaineinduced behaviors. In Study 1, two homogenous groups with both males and females were submitted to different feeding schedules: HR group (high restriction – restricted access to banana candy three times a week) and LR group (low restriction – daily access to banana candy) for 15 min in a feeding chamber. After a four week period, significant between-group differences were not seen, however there was a significant between-gender effect. Females consumed significantly more candy and forraged longer than males, thus suggesting being more susceptible to the procedure for inducing compulsive type behavior. Thus, Study 2 investigated in two groups of female marmosets (HR: access to cafeteria diet twice a week, and GC: access to fruit only) the effects of a pre-exposure to a cafeteria diet on cocaine-induced (5mg/kg) hipervigilance. A compulsive-like eating behaviour was not seen, as there was no escalation in the amount of cafeteria diet ingested between the first and last week (S1 vs. S6). However, two profiles were identified: animals prone and resistant to overeat. Those prone to overeat were more vigilant following cocaine injections, suggesting a possible general predisposition to develop compulsive behaviors. In Study 3 the effect of pre-exposing female marmosets to a cafeteria diet in their home-cages during six weeks on a cocaine-induced (3mg/kg) conditioned-place preference paradigm was evaluated. Females exposed to cafeteria diet escalated their consumption of the palatable foods. Therefore, this procedure may possibly induce a compulsive type behavior in the marmosets. However, both groups acquired a conditioned-place preference response to cocaine which was still present after a 15-day period, suggesting that the cafeteria diet did not influence this drug’s reinforcing properties.-
Appears in Collections:PPGCS - Doutorado em Ciências da Saúde (Teses)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/18631/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.