Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/1688
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2008_MarcelleCastroCavalheiro.pdf3,03 MBAdobe PDFView/Open
Title: O brincar em sagüis Callithrix penicillata (Primates; Callitrichidae) sob o foco da teoria do excedente de energia
Authors: Cavalheiro, Marcelle de Castro
Orientador(es):: Souza, Vanner Boere
Assunto:: Primata
Brincadeiras
Issue Date: 2008
Citation: CAVALHEIRO, Marcelle de Castro. O brincar em sagüis Callithrix penicillata (Primates; Callitrichidae) sob o foco da teoria do excedente de energia . 2008. 86 f., il. Dissertação (Mestrado em Biologia Animal) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008.
Abstract: Brincar é um conjunto de comportamentos que estão relacionados à manipulação do ambiente físico ou social, com funções aparentemente fora do contexto de sobrevivência e reprodução. A origem e função das brincadeiras são obscuras. Entre as teorias mais difundidas para explicar o brincar está a Teoria do Excedente de Energia (TEE). Essa teoria prediz que, uma vez satisfeitas as necessidades do indivíduo, há um impulso para drenar a energia em brincadeiras. Entre primatas neotropicais, o brincar é pouco entendido, principalmente entre os calitriquídeos. Esse estudo visou testar a TEE no comportamento do brincar em sagüis selvagens (Callithrix penicillata). Dois grupos com aproximadamente 15 animais cada, distribuídos em quatro categorias etário-reprodutivas foram estudados durante 8 meses, sendo observados pelo método grupo focal e registro de todas as ocorrências. As principais variáveis mensuradas foram as brincadeiras (sociais e solitárias), as características espaciais e temporais do brincar e a distância percorrida por dia pelo grupo. Os sagüis se envolveram na maioria das vezes em brincadeiras sociais. Os sagüis preferem brincar em áreas mais protegidas por cobertura aérea e estrato baixo da floresta, dentro do espectro de atividades moldadas por defesa contra predadores. Os jovens brincaram mais do que os filhotes e estes mais do que os adultos. Os reprodutores brincaram minimamente. A relativa independência locomotora e de capacidade de se auto-sustentar dos jovens em relação aos filhotes justificam essas diferenças. O fardo das atividades do grupo é maior para os adultos em relação aos jovens e filhotes, o que pode ter limitado o nível de brincadeiras nessa categoria e particularmente nos reprodutores. A concentração de brincadeiras para jovens e filhotes na fase intermediária do dia está dentro do espectro de ritmo de atividades da espécie, ainda talvez como parte de termorregulação e acúmulo de energia (nutrientes) nas horas antecedentes. Os adultos brincaram ao final do dia, devido ao acúmulo de energia ao longo do período e como complementação das atividades de interação social, podendo dispor de energia para brincarNão houve uma relação entre a distância percorrida e a freqüência média de brincar, nem as variáveis climáticas se correlacionaram com o brincar. Contudo, analisando por categoria etário-sexual e por níveis de distâncias percorridas, observou-se que em menores distâncias os jovens brincaram menos, um resultado diametralmente oposto ao esperado pela TEE. A explicação mais plausível para esse resultado está na ocorrência de chuvas durante alguns dos dias de observações, quando a atividade geral de sagüis é diminuída como um todo. Concluise que a TEE mostrou-se plausível para explicar as brincadeiras em sagüis, porém novas teorias devem ser analisadas e testadas para entender de forma abrangente as brincadeiras nesta espécie. ________________________________________________________________________ ABSTRACT
Playing is a set of behaviors related to the manipulation of physical and social environment, apparently with no functions of survival and reproduction. The origin and function of plays are obscure. Among the most widespread theories that explain the play is the Surplus Energy Theory (SET). It predicts that, once met the needs of the individual, there exists an impetus to drain energy in play. Among Neotropical primates, little is known about the play, particularly among calitrichids. This study aimed to test the SET in the behavior of wild marmosets (Callithrix penicillata). Two groups with about 15 individuals each, divided into four age-reproductive categories were studied for eight months, observed by the focal group method and recording of all occurrences. The main variables measured were play (social and solitary), the spatial and temporal characteristics of play and daily distance travelled by the group. The marmosets have engaged mostly in social games. They prefer to play mostly in areas protected by aerial cover and low stratum of the forest, in a spectrum of activities shaped by defense against predators. Young ones played more than infants that played more than the adults. Breeders played minimally. The relative independence and locomotor ability of self-sustaining justify such differences between the young and infants. The burden of the activities of the group is greater for adults, which may have limited the level of play in that category, and particularly in breeding. The concentration of games for youngsters at the intermediate stage of the day is within the spectrum of activities rhythm of the species, perhaps even as part of thermoregulation and accumulation of energy (nutrients) in the previous hours. The adults played at the end of the day, due to the accumulation of energy over the period and to complement the activities of social interaction. There was no relationship between the distance traveled and the average frequency of play, nor are the climatic variables correlated with the play. However, by analyzing age-sex category and by level of traveled distance, it was observed that in smaller distances young played least, a diametrically opposite result expected by the SET. The most plausible explanation for this result is the occurrence of rain during a few days of observations, when the general activity of marmosets is reduced. It follows that SET proved to be partially plausible to explain the games in marmosets, but the theory is weak in order to understand in a comprehensive way the play in this species. Other theories should be tested to complement the understanding of the origins and functions of play in marmosets.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, 2008.
Appears in Collections:IB - Mestrado em Biologia Animal (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/1688/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.