Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/16199
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_TacioRodriguesSilvaSantos.pdf3,89 MBAdobe PDFView/Open
Title: Função autonômica cardíaca e desempenho no exercício resistido em indivíduos com doença de Parkinson
Authors: Santos, Tácio Rodrigues da Silva
Orientador(es):: Oliveira, Ricardo Jacó de
Assunto:: Batimento cardíaco
Disautonomia
Exercícios físicos
Parkinson, Doença de
Issue Date: 5-Sep-2014
Citation: SANTOS, Tácio Rodrigues da Silva. Função autonômica cardíaca e desempenho no exercício resistido em indivíduos com doença de Parkinson. 2014. xiv, 105 f., il. Dissertação (Mestrado em Educação Física)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Abstract: A disautonomia é um dos sintomas não motores mais incapacitantes da doença de Parkinson, pois incide na função autonômica cardíaca, resultando em falência da atividade simpática. Indivíduos com doença de Parkinson que apresentam falência da atividade simpática alcançam um menor desempenho no exercício físico, que é parte integrante do tratamento desta patologia. Entretanto, em nosso conhecimento, esta questão foi investigada apenas no exercício aeróbio. Como o exercício resistido é a classe de exercício físico que proporciona mais benefícios a indivíduos com doença de Parkinson, o objetivo do presente estudo foi analisar a função autonômica e o desempenho no exercício resistido em indivíduos com doença de Parkinson. Para tanto, 14 indivíduos com doença de Parkinson foram submetidos a uma avaliação da função autonômica cardíaca pela variabilidade da frequência cardíaca e divididos em simpaticotônicos (n = 9) e vagotônicos (n = 5). Posteriormente, foi analisada a ocorrência de hipotensão ortostática em repouso e após o exercício resistido; e o desempenho no exercício resistido (três séries de 12 a 15 repetições no exercício pressão de pernas). O grupo simpaticotônico apresentou hipotensão ortostática na pressão arterial sistólica em repouso (118 mmHg vs. 98 mmHg; p = 0,02), e o grupo vagotônico apresentou hipotensão ortostática na pressão arterial diastólica após o exercício resistido (86 mmHg vs. 73 mmHg; p = 0,03). O grupo simpaticotônico realizou um volume de treino maior que o grupo vagotônico (2.250 kg vs. 900 kg; p = 0,02) mesmo sem haver diferença entre a Percepção Subjetiva de Esforço dos grupos (8 pontos vs. 8 pontos; p = 0,47) ou entre as características demográficas e clinimétricas. Neste sentido, podemos concluir que indivíduos com doença de Parkinson que apresentam falência da atividade simpática alcançam um menor desempenho no exercício resistido em relação àqueles que não apresentam este quadro. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
Dysautonomia is one of the most prejudicial non motor symptoms of Parkinson's disease because it affects the cardiac autonomic function and results in sympathetic failure. Individuals with Parkinson's disease with sympathetic failure showed a worst performance during the physical exercise, which is part of the treatment. In our knowledge, this question was investigated only in the aerobic exercise. As the resistance exercise is the type of physical exercise that promotes more benefits to individuals with Parkinson's disease, the purpose of the present study was to analyze the cardiac autonomic function and the performance in resistance exercise in individuals with Parkinson's disease. A group of 14 individuals with Parkinson's disease was submitted to a cardiac autonomic function evaluation by the heart rate variability and was divided into sympathetic group (n = 9) and parasympathetic group (n = 5). The orthostatic hypotension occurrence was analyzed at rest and after the resistance exercise. The performance in resistance exercise was also analyzed (three sets of 12 to 15 repetitions in the leg press exercise). The sympathetic group had orthostatic hypotension in systolic blood pressure at rest (118 mmHg vs. 98 mmHg; p = 0,02), and the parasympathetic group had orthostatic hypotension after the resistance exercise (86 mmHg vs. 73 mmHg; p = 0,03). The sympathetic group realized a training volume greater than parasympathetic group (2.250 kg vs. 900 kg; p = 0,02), but there was no difference between the groups for perceived exertion (8 points vs. 8 points; p = 0,47) and for the demographic and the clinimetric characteristics. In conclusion, individuals with Parkinson's disease with sympathetic failure showed a worst performance in resistance exercise in relation with the no sympathetic failure ones.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Programa de Pós-Graduação Strictu-Sensu em Educação Física, 2014.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:FEF - Mestrado em Educação Física (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/16199/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.