Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/15367
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2013_PaullaThalytadosSantosRamosFragoso.pdf745,76 kBAdobe PDFView/Open
Title: Qualidade de vida de enfermeiros atuantes nas unidades do programa de saúde da família de municípios goianos limítrofes ao Distrito Federal
Authors: Fragoso, Paulla Thalyta dos Santos Ramos
Orientador(es):: Guilhem, Dirce Bellezi
Assunto:: Enfermeiros - programas de saúde
Qualidade de vida
Enfermagem - saúde pública
Issue Date: 24-Mar-2014
Citation: FRAGOSO, Paulla Thalyta dos Santos Ramos. Qualidade de vida de enfermeiros atuantes nas unidades do programa de saúde da família de municípios goianos limítrofes ao Distrito Federal. 2013. 98 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.
Abstract: O enfermeiro, como cuidador, deve desenvolver a percepção de que antes de cuidar dos outros, necessita direcionar atenção ao cuidado de si próprio, como forma de qualificar a assistência que promove. Visto que a profissão assume diferentes facetas, imprimindo carga física, cognitiva e afetiva, se estes aspectos não forem trabalhados podem levar a um desequilíbrio orgânico amplo. Objetivo: Conhecer a percepção sobre qualidade de vida de enfermeiros atuantes nas unidades do Programa de Saúde da Família de municípios goianos limítrofes ao Distrito Federal (Águas Lindas, Cidade Ocidental, Cristalina, Formosa, Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina de Goiás, Santo Antônio do Descoberto e Valparaíso de Goiás). Métodos: Realizou-se um estudo observacional de corte transversal, com 119 enfermeiros que trabalham nas unidades de PSF dos municípios supracitados, no qual realizou-se entrevistas com a aplicação de dois instrumentos: um para coletar informações sociodemográficas e laborais, e o WHOQOL-Bref para se avaliar a qualidade de vida. Resultados: Foram 119 enfermeiros participantes, dos quais cerca de 90% eram do sexo feminino, concentrados na faixa etária de 25 a 30 anos, casados ou vivendo como casados (45,38%) e a maioria não possuíam filhos (52,94%). A média do tempo de formados foi de 4,2 anos. Quanto a escolaridade afirmaram ter realizado curso de curta duração (67,79%), especialização (67,79%) e poucos realizaram mestrado/doutorado (1,69%). O tempo de atuação na unidade de PSF foi por período igual ou menor a dois anos (61%). Entre os fatores que deixavam os enfermeiros mais ansiosos no PSF onde trabalham, destacou-se a instabilidade no emprego (32,47%). Grande parte dos enfermeiros não apresentavam carteira de trabalho assinada (80%). A carga horária mais prevalente é de 40 horas semanais (97,47%). A maior parte dos enfermeiros avaliaram sua própria saúde como boa ou muito boa (81,51%) e alguns mencionaram possuir doença ou acometimento (23,52%). Quanto ao instrumento WHOQOL-Bref, a maioria dos entrevistados avaliaram sua qualidade de vida como boa ou muito boa (55,46%) e afirmaram estarem satisfeitos ou muito satisfeitos com a sua própria saúde (60,5%). Quanto aos domínio, o que atingiu a melhor avaliação foi o de Relações Sociais (68,90), o Psicológico foi o segundo mais bem avaliado (65,37), o Físico ficou em terceiro lugar (57,54) e o Meio Ambiente foi o que recebeu a pior avaliação (52,10). Conclusão: Apesar de os enfermeiros atuantes nas unidades de PSF apresentarem escores médios condizentes com a zona de indefinição da QV, observou-se um impacto negativo dos componentes dos domínios na avaliação da QV dos enfermeiros, e que estes fatores que interferiram negativamente na QV e outros presentes no questionário sociodemográfico e laboral estavam, quase que em sua a totalidade, relacionados ao contexto do trabalho. A redefinição de políticas públicas, o controle das condições de trabalho, a avaliação periódica das necessidades dos enfermeiros e dos outros profissionais para o desempenho com qualidade do trabalho e o manejo adequado dos fatores geradores de QV, são ações que podem contribuir para promover a QV dos enfermeiros. ______________________________________________________________________________________ ABSTRACT
The nurse as caregiver, must realize that before taking care of others, he needs to direct attention to his own care, in a way to qualify the assistance to the patients. Nursing has different sides, printing physical, cognitive and affective load in every action, and if these issues are not considered, it can lead to a large organic imbalance. Objective: To know the life quality perception of nurses who work in the Family Health Program (PSF) in the counties of Goiás around Distrito Federal (Águas Lindas, Cidade Ocidental, Cristalina, Formosa, Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina de Goiás, Santo Antônio do Descoberto and Valparaíso de Goiás). Methods: Observational cross-sectional study with a sample population of 119 nurses who work in the PSF units located in the nine counties above, in which interviews were performed with through two instruments: the first one to collect sociodemographic and employment informations, and WHOQOL-Bref to assess quality of life. Results: 119 nurses participated, around 90% of female, concentrated in the age group 25-30 years old, married or living as married (45.38%) and most of them without children (52.94%). Mean time since the ending of graduation was 4.2 years. In schooling information, 67.79% reported latu sensu specialization and very few reported having master or doctor degree (1.69%). The time working in the PSF unit is equal or less than two years (61%). Employment instability is one of the most important anxiety factors between the PSF nurses (reported by 32.47%). Most of them don´t have a formal work contract (80%). The most prevalent workload is 40 hours per week (97.47%). Most nurses rated their own health as good or very good (81.51%) and some have mentioned illness or involvement (23.52%). Regarding the WHOQOL-Bref, most of respondents rated their life quality as good or very good (55.46%) and said they were satisfied or very satisfied with their own health (60.5%). Regarding the domains, the best rated was the Social Relations (68.90), the Psychological was the second best rated (65.37), the Physical ranked third (57.54) and the Environment received the worst review (52.10). Conclusion: Although nurses who work in the PSF units present mean scores that match the uncertainty zone of QoL, there was a negative impact of the domain components of QoL assessment, and these factors interfered negatively on QoL and other contents of sociodemographic and employment questionnaire, and most of them were related to working contexts. Are actions that can promote the QoL of nurses: the redefinition of public policies, working conditions control, periodic assessment of the needs of nurses and other professionals to perform quality work and the proper management of QoL generator factors.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2013.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:FS - Mestrado em Ciências da Saúde (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/15367/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.