Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/1535
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_Raphael_Coutinho_Cunha.pdf1,24 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCarvalho, Maria Izabel Valladão de-
dc.contributor.authorCunha, Raphael Coutinho da-
dc.date.accessioned2009-07-27T13:30:52Z-
dc.date.available2009-07-27T13:30:52Z-
dc.date.issued2008-07-08-
dc.date.submitted2008-07-08-
dc.identifier.citationCUNHA, Raphael Coutinho da. Preferências domésticas e diplomacia comercial: a posição negociadora brasileira sobre o comércio de serviços nas rodadas Uruguai e Doha. 2008. 220 f. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.en
dc.identifier.urihttp://repositorio.unb.br/handle/10482/1535-
dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais, 2008.en
dc.description.abstractO Brasil tem adotado tradicionalmente postura defensiva em negociações multilaterais sobre o comércio de serviços no âmbito do GATT e da OMC. A literatura acadêmica indica que as preferências de atores domésticos não-governamentais são uma das principais variáveis para se explicar decisões em matéria de política comercial e política externa econômica. O objetivo desta dissertação, portanto, é avaliar em que medida as preferências de atores não-governamentais influenciaram a posição negociadora brasileira nas negociações comerciais multilaterais sobre serviços. Em outras palavras, investiga-se se as preferências não-governamentais constituem variável relevante para explicar as decisões tomadas pela diplomacia brasileira no tema de serviços. Para tanto, a posição negociadora do país nas negociações sobre serviços é estudada em dois momentos distintos: (a) na Rodada Uruguai do GATT; e (b) na Rodada Doha da OMC. Em ambos os casos, dois subsetores de serviços foram enfocados: (i) serviços de engenharia e construção e (ii) serviços financeiros, especialmente bancários. As evidências reunidas incluem documentação primária (correspondência diplomática), entrevistas com atores governamentais e nãogovernamentais e matérias de jornal, além da literatura relevante. A evidência disponível sugere que, em ambos os casos estudados, a posição negociadora brasileira não pode ser explicada por meio das preferências de atores não-governamentais e da atuação de grupos de interesse. Algumas explicações alternativas também são brevemente discutidas: os determinantes institucionais da política externa econômica, como a autonomia burocrática; e as idéias dos tomadores de decisão acerca da relação entre proteção comercial e desenvolvimento econômico. _________________________________________________________________________________ ABSTRACTen
dc.description.abstractBrazil has traditionally adopted a defensive stance on the liberalization of trade in services in multilateral negotiations within GATT and the WTO. The academic literature in the field indicates that societal preferences constitute one of the most relevant variables for explaining trade policy and foreign economic policy decisions. Therefore, this dissertation aims to assess the extent to which societal preferences have influenced Brazil's position in multilateral trade negotiations on services. In other words, I examine whether societal preferences constitute a relevant explanatory variable in accounting for the decisions made by Brazilian diplomacy on the issue of services. To this end, the country's position in negotiations on trade in services is examined at two different moments: (a) the Uruguay Round of GATT; and (b) the Doha Round of the WTO. In both case studies, I focus on two services subsectors: (i) engineering and construction services; and (ii) financial services, especially banking. The evidence analyzed includes archival sources (diplomatic correspondence), interviews with governmental and non-governmental actors, newspaper articles and relevant literature. I find that, in both cases, the negotiating position adopted by the Brazilian government cannot be explained by reference to societal preferences and interest groups politics. Alternative explanations – such as the institutional determinants of foreign economic policy (e.g. state autonomy); and the ideas held by decision makers about the relation between protectionism and economic development – are also briefly discussed.en
dc.language.isoPortuguêsen
dc.rightsAcesso Abertoen
dc.titlePreferências domésticas e diplomacia comercial : a posição negociadora brasileira sobre o comércio de serviços nas rodadas Uruguai e Dohaen
dc.typeDissertaçãoen
dc.subject.keywordOrganização Mundial do Comércioen
dc.subject.keywordAcordo Geral sobre o Comércio de Serviços (GATS)en
dc.subject.keywordRodada Uruguaien
dc.subject.keywordRodada Dohaen
dc.subject.keywordPolítica externa - Brasilen
dc.subject.keywordAcordo Geral de Tarifas e Comércio (Organização)en
dc.location.countryBRAen
Appears in Collections:IREL - Mestrado em Relações Internacionais (Dissertações)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/1535/statistics">



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons