Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/13065
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2013_BeatrizOliveiraSilveira.pdf2,88 MBAdobe PDFView/Open
Title: O consumo da magreza : a publicidade como ideal de felicidade
Authors: Silveira, Beatriz de Oliveira
Orientador(es):: Fausto Neto, Tiago Quiroga
Assunto:: Publicidade
Propaganda
Issue Date: 10-May-2013
Citation: SILVEIRA, Beatriz de Oliveira. O consumo da magreza: a publicidade como ideal de felicidade. 2013. 138 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.
Abstract: A temática da felicidade tornou-se objeto de estudo de muitos pesquisadores, devido à preocupação acerca das atitudes que estamos tomando na busca por experimentá-la. Devido ao uso recorrente da imagem de homens sarados e mulheres gostosas por meio da publicidade, a magreza tornou-se não apenas uma obsessão na contemporaneidade, mas também vem sendo apontada como requisito para que se possa ser feliz. Não é comum observar atrizes que se encontram em casos de sobrepeso ou obesidade protagonizando comerciais, por isso, é possível que as mídias, através da publicidade, sejam disseminadoras desse padrão corporal. Para compreender se é possível que uma peça publicitária é capaz de transformar a magreza em padrão e a torná-la indispensável aos que anseiam pela felicidade, é preciso analisar quais elementos contidos em um comercial poderiam ser interpretados como incentivadores da construção e propagação desse ideal. Para tanto, temos como corpus a campanha lançada em março de 2011 pelas Lojas Renner, em comemoração ao dia internacional da mulher. É possível observar que o comportamento das protagonistas, as cores das lingeries que trajam, a música que embala toda a movimentação no decorrer da peça e a narrativa nela contida, bem como a assinatura das Lojas Renner, auxiliam na disseminação da magreza. Apesar de a campanha conter duas modelos plus size, o uso excessivo de atrizes magras em conjunto com os demais elementos que favorecem a construção de uma sensualidade pautada na magreza, funcionam como incentivadores da busca por esse padrão corporal. Porém, é preciso lembrar que a relação que temos com o mercado produtor e, conseqüentemente com a publicidade, é uma via de mão dupla; desta forma, faz-se uso de modelos magras porque, em algum momento, demonstramos interesse em consumir esse biotipo, mesmo que apenas com olhos. O que não condiz é a associação da magreza com a felicidade, pois cada um de nós possui necessidades e expectativas diferentes; e generalizar o sonho de um corpo magro como sendo o da maioria dos indivíduos seria, de fato, absurdo. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
The happiness has become object of study for many researchers, because there’s a concern about the things we have been doing to experiment it. Due to recurring use of the image of men healed and hot women through advertising, leanness has become not just an obsession in contemporary times, but has also been singled out as requirement be happy. It is not common to observe actresses who are overweight or obese, leading an commercial, so maybe the media, through advertising, are disseminating good shape. To understand if it’s possible to happen, we need do analyze which elements contained in an advertisement could be interpreted as promoters of the construction and dissemination of this ideal. To do that, we have as a case the campaign launched in March 2011 by Lojas Renner, in celebration of international women's day. I’s possible to see that the actress behavior, their lingerie colors, the music on the back ground and the Renner’s signature helps to disseminate leanness. Although the campaign video contains two plus size models, overuse of skinny actresses working together with other elements, helps the construction of a sexiness based on leanness, working as promoters of good shape. But, it’s important to remember that the relationship that we have with industries and advertising is a two-way street. So, the use of thin models is, at some point, because we have demonstrate interest in consuming this biotype. After all, it’s not right to associate leanness and happiness, because each one of us has particular needs and expectations. Generalize the dream of having good shape as something shared for the majority is absurd.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Comunicação, Programa de Pós-Graduação, 2013.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:FAC - Mestrado em Comunicação (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/13065/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.