Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/12652
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_MedicoFrenteDiagnostico.pdf122,35 kBAdobe PDFView/Open
Title: O médico frente ao diagnóstico e prognóstico do câncer avançado
Authors: Trindade, Etelvino de Souza
Azambuja, Letícia Erig Osório de
Andrade, Jeison Pábulo
Garrafa, Volnei
Assunto:: Bioética
Diagnóstico - ética
Câncer - diagnóstico
Câncer - prognóstico
Issue Date: 2007
Publisher: Associação Médica Brasileira
Citation: TRINDADE, Etelvino de Souza et al. O médico frente ao diagnóstico e prognóstico do câncer avançado. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 53, p. 68-74, Jan./Feb. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ramb/v53n1/23.pdf>. Acesso em: 01 abr. 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302007000100023.
Abstract: OBJETIVO. Avaliar a postura de médicos frente à informação do diagnóstico e prognóstico de câncer aos pacientes, familiares ou ambos, incluindo uma análise bioética do conflito verificado entre beneficência, respeito à autonomia do paciente e paternalismo. MÉTODOS. Foram entrevistados 38 médicos responsáveis por pacientes com neoplasias malignas em um hospital terciário. O questionário foi dividido em duas partes. Uma com dados gerais do entrevistado e outra com perguntas específicas sobre a transmissão das informações ao paciente e também avaliação da compreensão do médico sobre beneficência. RESULTADOS. Embora 97,4% dos médicos em geral informem o diagnóstico aos seus pacientes, nos casos de doença terminal, 50% se valem da família como apoio. Com relação à informação sobre prognóstico fatal, os que comunicam somente à família foram 63,1%, enquanto 31,6% preferem passar a informação diretamente ao paciente. O estudo mostrou que os profissionais confundem beneficência com paternalismo. CONCLUSÃO. Os médicos têm o hábito de informar o diagnóstico aos seus pacientes. Na impossibilidade de recursos curativos, as atitudes tornam-se conflitantes no que concerne aos princípios da beneficência e autonomia. O número de médicos que acreditam no paternalismo como forma de beneficência é ainda significativo. A atitude paternalista emerge principalmente quando os recursos terapêuticos tornam-se não resolutivos.
Description: Trabalho realizado na Cátedra Unesco de Bioética da Universidade de Brasília e no Hospital de Base do Distrito Federal, Brasília, DF.
Licença:: Revista da Associação Médica Brasileira - Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons (Attribution-NonCommercial 3.0 Unported (CC BY-NC 3.0)). Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302007000100023. Acesso em: 01 abr. 2013.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302007000100023
Appears in Collections:DSC - Artigos publicados em periódicos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/12652/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.