Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/12239
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_AndreLuizMarquesSerrano.pdf2,86 MBAdobe PDFView/Open
Title: Ensaios sobre evidências empíricas da relação entre renda, desigualdade e meio ambiente
Authors: Serrano, André Luiz Marques
Orientador(es):: Nogueira, Jorge Madeira
Assunto:: Pobreza
Igualdade
Renda - distribuição
Meio ambiente
Issue Date: 27-Feb-2013
Citation: SERRANO, André Luiz Marques. Ensaios sobre evidências empíricas da relação entre renda, desigualdade e meio ambiente. 2012. 141 f., il. Tese (Doutorado em Economia) —Universidade de Brasília, Brasília, 2012.
Abstract: Esta pesquisa contribui com evidências empíricas para uma das mais antigas controvérsias da literatura em economia ambiental: as interfaces entre nível de renda e o meio ambiente. Apesar do significativo debate sobre as possíveis causalidades entre renda e degradação ambiental, ele tem sido dominado por simplificações de realidades complexas. Simplificações usuais apontam, por um extremo, o crescimento populacional acelerado como causa da pobreza em que vivem camadas imensas da população mundial, pobreza que seria a causa geral da degradação ambiental. No outro extremo, a opulência concentrada nas mãos de uma parcela menor da população seria causa de uma demanda imensa sobre a base natural e de uma luxuriante busca por locais conservados para lazer e contemplação. Acreditamos que essas simplificações sobrevivem ao longo dos anos por causa da escassez de trabalhos empíricos que busquem testar diferentes e conflitantes hipóteses existentes. Os quatro capítulos empíricos testam hipóteses sobre as relações entre nível de renda, pobreza, desigualdade e diferentes problemas ambientais emoldurados analiticamente por uma revisão não exaustiva da literatura relevante. Usamos modelos de análise de regressão múltipla para manipular dados obtidos em fontes secundárias brasileiras. Apesar da maioria dos resultados robustos obtidos, percebemos evidências de um hiato conceitual ainda considerável para que seja alcançado um entendimento vigoroso sobre as correlações existentes entre nível de renda, sua distribuição e uso do capital natural pela sociedade. Pobreza pode ser causa e consequência de altas taxas de degradação ambiental assim como a desigualdade na distribuição da renda pode levar à coexistência de degradação e conservação do capital natural. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT
This research contributes with empirical evidence for one of the oldest controversies in the literature on environmental economics: the correlations between income level distribution and the environment. Despite significant debate on the possible causality between income and environmental degradation, this debate has been dominated by oversimplifications of complex realities. On one hand, simplifications maintain the believe that rapid population growth is the cause of poverty in which live the majority of the world population and this immense poverty is, therefore, the basic cause of environmental degradation. On the other hand, concentration of wealth in the hands of a smaller proportion of the population would cause a huge demand on the natural capital in terms of sites preserved for recreation and contemplation. We believe the reason these simplifications survive over the years is the few number of empirical studies that have tested the existing different and conflicting hypotheses. The four empirical chapters test the hypothesis on the relationship between income level, poverty, inequality and different environmental problems framed analytically by a non-exhaustive review of the relevant. We use models of multiple regression analysis to analyze data from secondary sources in Brazil. In spite of our robust results there is evidence for a considerable conceptual gap to be overcome before we achieve an understanding on strong correlations between income level, its distribution and use of natural capital. Poverty can be both cause and consequence of high rates of environmental degradation as well as income inequality can lead to natural capital degradation and conservation coexistence.
Description: Tese (Doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Economia, Programa de Pós-Graduação em Economia, 2012.
Appears in Collections:ECO - Doutorado em Economia (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/12239/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.