Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/11455
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_LeandroRodriguesdaCunha.pdf2,94 MBAdobe PDFView/Open
Title: Mercúrio em leite de mulheres residentes no Distrito Federal : concentração, dieta materna e avaliação da exposição infantil
Authors: Cunha, Leandro Rodrigues da
Orientador(es):: Caldas, Eloísa Dutra
Coorientador(es):: Costa, Teresa Helena Macedo da
Assunto:: Mercúrio
Leite humano - Distrito Federal (Brasil)
Issue Date: 23-Oct-2012
Citation: CUNHA, Leandro Rodrigues da. Mercúrio em leite de mulheres residentes no Distrito Federal: concentração, dieta materna e avaliação da exposição infantil. 2012. x, 74 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2012.
Abstract: A exposição humana a mercúrio tem sido alvo de preocupação devido a seus potenciais efeitos tóxicos. Crianças podem ser expostas a mercúrio pelo leite materno, e a presença desse metal no leite pode ser influenciada pela alimentação materna. Este estudo teve como objetivos analisar as concentrações de mercúrio total (THg) em leite humano de mulheres residentes no Distrito Federal, correlacionar estes níveis com a dieta materna e avaliar os riscos da exposição infantil a mercúrio pelo consumo de leite humano. O estudo incluiu dois grupos de amostras de leite, sendo o primeiro de amostras coletadas de 18 mães entre os dias 15 e 90º de lactação (7-8 amostras/mãe) e o segundo de 100 amostras de leite humano coletadas de bancos de leite. As amostras de leite sofreram digestão ácida em microondas e THg foi analisado por espectrometria de fluorescência atômica. Dois recordatórios alimentares de 24H foram utilizados para estimar o consumo alimentar habitual e um questionário de frequência alimentar para avaliar a frequência de consumo de peixes pelas mães do primeiro grupo. Não houve alterações significantes nos níveis de THg no leite durante os 90 dias de lactação, com média total de 6,47±5,80 ng/mL (n=142), variando de <0.76 a 22.7 ng/mL entre as mães. Houve correlação estatisticamente significativa (p < 0.05) entre concentração de THg e consumo materno de gordura, carboidrato e vegetais, mas não com o de peixes. A maior parte das crianças (77,8%) estiveram expostas a níveis de THg que levam a uma ingestão maior que aquela considerada segura (PTWI de 5μg/kg pc) em algum momento durante os 90 dias de lactação. A concentração média de THg encontrada nas amostras de bancos de leite foi de 2,68 ± 1,72 ng/mL, com valores entre <0,26 e 7,2 ng/mL. Cerca de 20% das amostras apresentaram níveis de THg acima de 3,9 ng/mL, o que poderia representar uma exposição de bebês prematuros e de baixo peso acima da PTWI (considerando 2,5 kg pc e 450 mL consumo diário de leite). Apesar dos resultados desse estudo mostrarem níveis altos de THg em algumas amostras de leite humano, este é um alimento completo e vital para bebês prematuros e de baixo peso, e os benefícios de seu consumo superam os potenciais riscos advindos da exposição a mercúrio. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT
Human exposure to mercury has been a health concern due to its potential toxic effects. Infants may be exposed to mercury through lactation, and the presence of this metal in breast milk may be affected by the maternal diet. The aims of this study were to determine total mercury levels (THg) in human milk from breastfeeding mothers residing in the Federal District, correlate these levels with the mothers’ diets, and discuss the potential risks for the infants from the exposure to mercury. The study analyzed two groups of milk samples, the first collected from 18 mothers who were between the 15th and 90th day of breastfeeding (7-8 samples/mother), and the second comprised of 100 samples obtained from human milk banks. Milk samples were acid digested in a microwave and THg analyzed by fluorescence atomic spectrometry. Two 24-hour dietary recall questionnaires to assess the usual food consumption and a food frequency questionnaire to obtain fish consumption information were applied to the mothers of the first group. There were no significant changes in THg levels during the 90 days of lactation, with a mean concentration of 6.47±5.80 ng/mL (n=142), ranging from <0.76 to 22.7 ng/mL among the mothers. There was a significant correlation (p < 0.05) between THg concentrations in milk and the mothers’s consumption of fats, carbohydrates and vegetables, but not of fish. Most of the infants (77.8%) were exposed to THg levels that lead to an exceedance of the Provisional Tolerable Weekly Intake (PTWI, 5 μg/kg bw) at least once during lactation. The mean THg level in the milk bank samples analyzed was 2.68 ± 1.72 ng/mL, ranging from <0.26 to 7.2 ng/mL. About 20% of these samples had THg levels higher than 3.9 ng/mL, which may represent exposure levels exceeding the PTWI for premature and low body weight infants (considering 2.5 kg bw and 450 mL daily milk consumption). Although the results of this study showed that mercury levels in some milk samples were high, human milk is nevertheless considered a complete food and vital for premature and low weight infants, and the benefits of its consumption outcome the potential risks from mercury exposure.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2012.
Appears in Collections:FS - Mestrado em Ciências da Saúde (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/11455/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.