Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/11207
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_MaysaMariaMassimoRibeiro.PDF887,8 kBAdobe PDFView/Open
Title: O paradoxo do cético de Wittgenstein enunciado por Kripke
Authors: Ribeiro, Maysa Maria Massimo
Orientador(es):: Gomes, Nelson Gonçalves
Assunto:: Kripke, Saul Aaron, 1940-
Wittgenstein, Ludwig, 1889-1951
Assuntos filósofos - Áustria
Paradoxo
Ceticismo
Verdade
Issue Date: 18-Sep-2012
Citation: RIBEIRO, Maysa M. Massimo. O paradoxo do cético de Wittgenstein enunciado por Kripke. 2012. viii, 99 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2012.
Abstract: Na presente dissertação, apresenta-se, no primeiro capítulo, o paradoxo do cético de Wittgenstein que, segundo Kripke, seria o problema fundamental das Investigações Filosóficas, e estabelece que nenhum curso de ação pode ser determinado por uma regra, pois não se pode garantir que o aprendizado de uma regra no passado pode determinar o comportamento consoante a mesma regra no futuro. Posteriormente, apresenta-se o que seria, para Kripke, a solução ao paradoxo, que reside no argumento contrário à linguagem privada, passando pela mudança no pensamento de Wittgenstein, a partir da comparação entre suas obras Tractatus e Investigações Filosóficas. Nas Investigações, Wittgenstein teria rejeitado a visão realista do Tractatus de que a forma de explicação da significação advém da declaração das condições de verdade de uma frase, substituindo-a por uma visão que salienta mais o papel normativo da linguagem. Nesse sentido, destaca-se o conceito de condição de justificação, introduzido por Kripke em substituição às condições de verdade na declaração da veracidade ou falsidade de uma frase. Sob esse cenário, a solução ao paradoxo seria indagar quais circunstâncias efetivamente permitem a emissão de afirmações e qual o papel prático que essa permissão exerce. A justificação da obediência a uma regra só seria possível se considerado o contexto no qual tal regra e a pessoa que irá obedecer-lhe estão inseridas, ou, segundo Wittgenstein, uma regra só terá conteúdo substantivo se considerada dentro de seu jogo de linguagem, daí a não possibilidade de se seguir uma regra “privadamente”. No segundo capítulo do trabalho, apresentam-se posicionamentos contrários e favoráveis à interpretação dada por Kripke ao pensamento de Wittgenstein, visando à realização de um confronto de argumentos, que culmina, no terceiro capítulo do trabalho, com a conclusão pela correção da interpretação de Kripke, particularmente no que tange à mudança na filosofia da linguagem de Wittgenstein do Tractatus para as Investigações Filosóficas, como uma mudança de condições de verdade para condições de justificação ou de assertibilidade. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT
The present work introduces, in its first chapter, Wittgenstein’s skeptical paradox, which is, according to Kripke, the fundamental problem of Philosophical Investigations, and establishes that no course of action could be determined by a rule, because we cannot assure that the learning of a rule in the past can determine any behavior according to the same rule in the future. Later, this work presents what Kripke believes is the solution to the paradox, which lies in the argument against the private language, and represents a change in Wittgenstein’s philosophy, from his work in the Tractatus to the Philosophical Investigations. In Philosophical Investigations, Wittgenstein rejected the realistic view present in the Tractatus, which advocated a truth-conditional conception of meaning, and substituted for a view that gives more emphasis to the normative role of language. In this context, Kripke introduces the concept of justification conditions, substituting the concept of truth conditions in the role of declaring the truth or falsity of a sentence. Thus, the solution to the skeptical paradox is to see what circumstances actually license assertions and what role this license actually plays. The justification for following a rule is only possible within the context which the rule and the person who will follow it belong, or, according to Wittgenstein, a rule only has substantive content if considered inside its language game, therefore, it is not possible to follow a rule “privately”. In the second chapter of this work, we present positions pro and against Kripke’s interpretation of Wittgensten’s philosophy, aiming a confrontation of arguments, which reach to the conclusion, in the third chapter. Thereby, the conclusion of this work is that Kripke is correct in his interpretation of Wittgensten’s philosophy, particularly regarding the change in Wittgenstein’s philosophy of language from the Tractatus to the Philosophical Investigations, as a change from truth conditions to assertability or justification conditions.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Departamento de Filosofia, Programa de Pós-Gradução em Filosofia, 2012.
Appears in Collections:FIL - Mestrado em Filosofia (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/11207/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.