Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/10708
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2011_MarianiCarlaPrudenteBatista.pdf2,32 MBAdobe PDFView/Open
Title: Estudo dos polimorfismos no gene da subunidade beta do LH em mulheres brasileiras com e sem a Síndrome dos Ovários Polícísticos
Authors: Batista, Mariani Carla Prudente
Orientador(es):: Porto, Adriana Lofrano Alves
Assunto:: Stein-Leventhal
Síndrome de hormônios
Issue Date: 14-Jun-2012
Citation: BATISTA, Mariani Carla Prudente. Estudo dos polimorfismos no gene da subunidade beta do LH em mulheres brasileiras com e sem a Síndrome dos Ovários Polícísticos. 2011. 87 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2011.
Abstract: Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) é um distúrbio endócrino complexo, de etiologia multifatorial, comum nas mulheres em fase reprodutiva, considerada a principal causa de infertilidade anovulatória, distúrbios menstruais e hiperandrogenismo nessa população. Dados atuais suportam que a SOP pode aumentar o risco para o desenvolvimento de diabetes mellitus tipo 2, dislipidemia, doenças cardiovasculares e carcinoma endometrial, enfatizando a necessidade de diagnóstico precoce da síndrome. Embora ainda não completamente elucidados, seus mecanismos moleculares e celulares envolvem anormalidades intrínsecas na esteroidogênese ovariana e adrenal, sugerindo um defeito esteroidogênico primário. Anormalidades neuroendócrinas parecem estar envolvidas na sua etiopatogenia, representadas principalmente pela pulsatilidade excessiva do LH, com aumento na amplitude dos seus pulsos, resultado de um aumento da sensibilidade da hipófise à estimulação GnRH. A base genética da SOP é desconhecida. Reporta-se significativa agregação familiar, entretanto, a determinação do seu modo de herança é difícil, uma vez que a apresentação clínica é muito heterogênea. Vários genes candidatos já foram avaliados com foco, recentemente, naqueles que codificam as enzimas esteroidogênicas na via de biossíntese de andrógenos e os envolvidos na secreção e ação da insulina. Considerando a repercussão funcional de variantes da subunidade beta específica do LH na fisiopatogenia de disfunções reprodutivas, o estudo ampliado da freqüência dos polimorfismos do gene LHB deve ajudar a esclarecer a heterogeneidade de suas manifestações clínicas, particularmente aquelas relacionadas à hiperandrogenemia. Estudamos assim a prevalência desses polimorfismos em controles (n=85) e casos de SOP (n=130) e sua associação com parâmetros clínicos e laboratoriais da síndrome. Através de seqüenciamento genético detectamos 11 polimorfismos na região codante do LHB, sendo 1 deles (233C>A/Thr78Asn) ainda não descrito na literatura. Na análise de associação entre a detecção destes polimorfismos e a presença de SOP, o poder estatístico consequente ao tamanho de nossas amostras não permitiu a observação de associações estatisticamente significativas, mas o nível de associação entre a presença do novo polimorfismo descoberto (233C>A/Thr78Asn) com a presença de SOP revelou um OR= 3,96 (95% IC= 0,43-189,12), sugerindo uma ligação a ser mais explorada em amostras maiores. A distribuição dos parâmetros clínicos estudados ficaram dentro dos níveis reportados na literatura. Observamos, entretanto, que dois polimorfismos, que segregam em desequilíbrio de ligação, são significativamente mais prevalentes na presença da hiperandrogenemia: rs1800447/rs34349826 (Trp28Arg/Ile35Thr) (p=0,015) e outros 2 parecem proteger contra hirsutismo severo embora estas associações não tenham apresentado resultados estatisticamente significativos em nível de p<0,05, mas de p<0,01: rs6521 (Val38=) (p=0,094) e 233C>A (p=0,063). Os resultados do nosso estudo corroboram outros recentemente publicados na literatura em que não foi possível demonstrar um papel causal para os polimorfismos conhecidos do gene LHB no desenvolvimento da SOP. Revelamos, no entanto, que o novo polimorfismo detectado (233C>A) deve ser objeto de mais investigações. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
Polycystic Ovary Syndrome (PCOS) is a complex endocrine disorder, of multifactorial a etiology, common in women of reproductive age and considered the leading cause of anovulatory infertility, menstrual disorders, and hyperandrogenism in this population. PCOS is also a risk factor for the development of type 2 diabetes mellitus, dyslipidemia, cardiovascular disease, and endometrial carcinoma, which emphasizes the need for early diagnosis of the syndrome. Although not yet fully understood, its molecular and cellular mechanisms involve intrinsic ovarian and adrenal steroidogenesis abnormalities, suggesting these to be a primary defect. It appears that there are also accompanying neuroendocrine abnormalities along the natural history of PCOS, represented mainly by excessive luteinizing hormone (LH) pulsatility, with the amplified pulse amplitude resulting from increased sensitivity of the pituitary gland to GnRH stimulation. The genetic basis of PCOS is still largely unknown despite significant family clustering; determining its mode of inheritance is particularly difficult given the wide variability in clinical presentation. Several candidate genes have been evaluated with focus switching recently to genes that encode steroidogenic enzymes that regulate androgen biosynthesis and those involved in insulin secretion and action. The crucial functional role played by specific LH beta (LHB) subunits in various reproductive disorders makes these units natural candidates for elucidating the causal pathway and the many clinical manifestations of PCOS, particularly those related to hyperandrogenemia. The present project is a study of the prevalence of these polymorphisms in 85 controls and 130 PCOS cases and their association with clinical and laboratory parameters of the syndrome. Through genetic sequencing 11 polymorphisms were detected in the coding region of LHB, one of them, 233C>A/Thr78Asn, not yet described in the literature. No statistically significant associations were found between polymorphisms and the presence of PCOS, probably due to small sample size and consequent lack of statistical power, however, the level of association between detection of the newly discovered polymorphism (233C>A) and PCOS revealed an OR=3.96 (95% CI = 0.43-189.12), suggesting a possible connection to be further explored in larger samples. The distribution of the clinical parameters studied matched those already reported in the literature. Notable exceptions included two polymorphisms that secrete in link imbalance and were found to be significantly more prevalent in the presence of hyperandrogenemia: rs1800447/rs34349826 (Trp28Arg/Ile35Thr) (p=0.015) and two other which seemed to be protective against severe hirsutism. The latter however, were not found to be statistically significant at the level of p<0,05, but instead, at the level of p<0,01: rs6521 (Val38=) (p=0,094) e 233C>A (p=0,063). The results of this study corroborate other recently published in the literature in that it was not possible to demonstrate a causal role for the known LHB gene polymorphisms in PCOS. However, a newly detected polymorphism (233C>A) should probably be the object of further investigation.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2011.
Appears in Collections:PPGCS - Mestrado em Ciências da Saúde (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/10708/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.