Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/10103
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2011_SuzanaCanezCruzLima.pdf1,11 MBAdobe PDFView/Open
Title: Coletivo de trabalho e reconhecimento : uma análise psicodinâmica dos cuidadores sociais
Authors: Lima, Suzana Canez da Cruz
Orientador(es):: Mendes, Ana Magnólia Bezerra
Assunto:: Cuidadores
Trabalho - aspectos psicológicos
Issue Date: 20-Mar-2012
Citation: LIMA, Suzana Canez da Cruz. Coletivo de trabalho e reconhecimento: uma análise psicodinâmica dos cuidadores sociais. 2011. 220 f. Tese(Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações)—Universidade de Brasília, Brasília, 2011.
Abstract: Esta investigação analisa a psicodinâmica do trabalho do/a cuidador/a social do abrigo de crianças e adolescentes do município de Macaé, localizado no Estado do Rio de Janeiro, que tem como aporte teórico os princípios da psicodinâmica do trabalho em diálogo com a corrente da sociologia do trabalho que trata das relações sociais de sexo. O estudo discute as diferentes dimensões presentes na psicodinâmica do trabalho do/a cuidador/a social, a saber: a organização do trabalho, as formas de sofrimento, as estratégias defensivas, a construção do coletivo de trabalho e a dinâmica do reconhecimento. Foi utilizado o método proposto pela psicodinâmica do trabalho em suas três etapas. A pré-pesquisa obteve um conhecimento prévio da organização do trabalho a partir de três recursos metodológicos: análise documental, visitas à instituição e realização de seis entrevistas semiestruturadas com participantes do corpo gestor e técnico, com seus dados submetidos à análise de conteúdo temática. A pesquisa consistiu-se nas discussões grupais com foco na análise do sofrimento no trabalho com os dois grupos de oito cuidadores/as sociais do abrigo, cada grupo relativo a uma unidade da instituição – Cemaia I e Cemaia II. A validação, última etapa, ocorreu pela própria continuidade das discussões grupais que atestam o sentido da atividade para os/as participantes e a aprovação do relatório final produzido pela reflexão de cada grupo. Com base nos resultados foram evidenciadas as seguintes considerações. O trabalho do/a cuidador/a é uma atividade complexa que se constrói na relação com o outro, o que exige forte mobilização subjetiva e contínua necessidade de inventividade. A organização do trabalho está marcada pela precarização observada na falta de recursos materiais e de pessoal que representa condições insuficientes para sua realização. Esta é uma atividade situada no terreno sócio-histórico das práticas sociais da assistência social e do trabalho do cuidado. Ou seja, é historicamente uma atividade voluntária e naturalizada, fruto das características femininas inatas, fatores que dificultam o reconhecimento do status do/a cuidador/a social como um profissional. O sofrimento está relacionado ao sentimento de impotência, ao medo frente às condições de precariedade, à dor de “estar na berlinda” e à falta de reconhecimento. Esta última tendo sido observada como a principal forma de sofrimento. Identificamos que frente à falta de espaço de discussão para o debate sobre os impasses vinculados ao cuidar são construídas diversas estratégias de defesa que, no geral, criam um distanciamento afetivo entre cuidador/a e usuário. Constatamos que as estratégias defensivas são uma forma coletiva de lidar com as deficiências da organização do trabalho. Concluímos que cuidar é uma ação coletiva. A partir da construção de acordos normativos sobre o bom cuidado é que se torna possível oferecer um cuidado atento à vida e ao sujeito na sua totalidade. Consideramos que o coletivo se sustenta apenas se houver o reconhecimento dos/as cuidadores/as – protagonistas da atividade – trabalhadores/as que o realizam. O fortalecimento do coletivo de trabalho e o reconhecimento do/a cuidador/a social nos parece ser o caminho para encontrar o prazer no ato de cuidar nos serviços de abrigamento. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
The present study investigates the psychodynamics of work of the social caretaker in a shelter for children and adolescents in the city of Macaé, state of Rio de Janeiro. The study is grounded on the principles of the psychodynamics of work in an interface with the school of sociology of work dedicated to sex social relationships. The various dimensions of the caretaker‟s psychodynamics of work are discussed, namely: work organization, suffering, defense strategies, building of a work collective, and the dynamics of recognition. We applied the method proposed by the psychodynamics of work in its three stages. The pre-research stage in order to obtain a preview of the job organization from the perspective of three methodological resources: documental analysis; visits to the institution, and six semistructured interviews with members of the managing and technical body of the Shelter, analyzed by the theme content analysis. The research consists of group discussions with focus on the analysis of suffering at work carried out with two groups of eight social caretakers in the Shelter, each one belonging to a unit – Cemaia I and Cemaia II. The last stage, validation, was an ongoing process of the group discussions, which attests the meaning of the activity to the participants and the approval of the final report produced as a result of each group‟s reflexions. The results showed the following: the work of a caretaker is a complex activity which is built upon the relationship with the other and requires strong subjective mobilization and continuous inventability. The organization of work is stressed by the precariousness identified in the lack of material and personnel resources, a representation of the unsatisfactory condition for its occurrence. It is an activity situated in the social-historical terrain of social practices pertaining to social assistance and to the work of caretaking. That is, it is historically a volunteer and naturalized activity, a fruit of the innate feminine characteristics, factors which hinder the recognition of the social caretaker‟s status as a professional activity. The suffering is related to the feeling of impotence, the fear of precariousness, the pain from being “in the spotlight” and the lack of recognition – the latter having been identified as the major form of suffering. It became evident that due to there being no room for discussion, for debating the impasses related to caretaking, several strategies are developed that, in general, establish an affective gap between care „taker‟ and „receiver‟. We have detected that such defense strategies constitute a collective manner of dealing with deficiencies in the work organization. Thus, we conclude that caretaking is a collective action and that it is from the construction of normative agreements on what constitutes good care practices that it is possible to offer attentive care to an individual in his/her wholesomeness. We consider that the collective finds support in the recognition of the caretakers – protagonists of that activity – and of the workers that undertake that activity. It seems to us that the strengthening of the work collective and the recognition of the social caretaker may be the road to finding pleasure in the activity of caretaking in shelters.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, 2011.
Appears in Collections:PSTO - Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/10103/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.