Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/9674
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_PorUmaVidaNaoColonizada.pdf109,75 kBAdobe PDFView/Open
Title: Por uma vida não colonizada : diálogo entre bioética de intervenção e colonialidade
Authors: Nascimento, Wanderson Flor do
Garrafa, Volnei
Assunto:: Bioética
Epistemologia
Política
América Latina
Issue Date: 6-Dec-2011
Citation: NASCIMENTO, Wanderson Flor do; GARRAFA, Volnei. Por uma vida não colonizada: diálogo entre bioética de intervenção e colonialidade. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 2, Jun. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000200003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 06 dez. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000200003.
Abstract: O objetivo deste trabalho é discutir algumas noções desenvolvidas pelos estudos sobre colonialidade originadas por um conjunto de pensadores(as) da América Latina acerca do modo como a Modernidade surgiu estruturada como uma maneira de arranjar o poder, o saber e o ser de modo que uma hierarquia entre centro e periferia, instalados em uma perspectiva colonial, organize nossa maneira de lidar com a política, com as ciências e – esse é o ponto principal que o trabalho sustentará – com a própria vida. A Bioética de Intervenção (BI), que tem como proposta politizar de modo ético e aplicado o modo de lidar com os conflitos biotecnocientíficos, sanitários, sociais e ambientais a partir da realidade latinoamericana, desenvolve uma linha de pesquisa que pode acolher as críticas e contribuições advindas dos estudos sobre a colonialidade, sobretudo no que diz respeito às bases conceituais relacionadas com as teorias éticas e epistemológicas que a sustentam. Entre estas, especificamente, o estudo discute as relações existentes entre o utilitarismo aceito pela BI por meio de um consequencialismo solidário e suas inter-relações com a ideia de colonialidade.
Abstract: This paper aims to discuss some concepts – developed within the Coloniality Studies by a group of thinkers in Latin America – about how Modernity emerged structured as a way to dispose power, knowledge and being, so that a hierarchy between center and periphery, installed in a colonial perspective, organizes our way of dealing with politics, with science and - this is the main focus of this paper – with life. Intervention Bioethics (IB), whose proposal is to politicize in an ethical manner the method of dealing with biotechnoscientific, sanitary, social and environmental conflicts from the Latin American reality, develops a line of research that can accommodate the contributions, as well as the criticisms, from Coloniality Studies, particularly with regard to conceptual frameworks related to the ethical and epistemological theories that support it. Among these conceptual frameworks, this paper deals specifically with the relationship between the utilitarianism accepted by IB through a supportive consequentialism and its interrelations with the idea of Coloniality.
Licença:: Saúde e Sociedade - All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License (Attribution-NonCommercial 3.0 Unported (CC BY-NC 3.0)). Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 dez. 2011.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000200003
Appears in Collections:DSC - Artigos publicados em periódicos
FIL - Artigos publicados em periódicos
UnB - Direitos Humanos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/9674/statistics">



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons