Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/9540
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_ThiagoVasconcelosMarques.pdf602,91 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Sobre o inumanismo : acerca de uma política sem a máquina antropológica
Autor(es): Marques, Thiago Vasconcelos
Orientador(es): Bensusan, Hilan
Assunto: Biopolítica
Homens
Animais
Data de publicação: 27-Out-2011
Referência: Sobre o inumanismo: acerca de uma política sem a máquina antropológica. 2011. 141 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia)–Universidade de Brasília, Brasília, 2011.
Resumo: Máquina antropológica é um conceito formulado pelo filósofo italiano Giorgio Agamben para pensar as relações entre a animalidade e a humanidade. Tal conceito surge no contexto do que chamamos biopolítica. A máquina antropológica pode ser definida como uma máquina conceitual que visa, a partir da articulação e separação entre o âmbito animal e o âmbito humano, produzir o humano. Tal articulação e separação, no entanto, não possui um viés meramente ontológico, mas um viés político, o qual acaba por deixar como resto uma vida nua, confinada a um lugar de completa indistinção.Segundo as investigações de Agamben, podemos constatar a presença dessa máquina em diversos setores do conhecimento, passando pela teologia,filosofia e pela ciência. Na obra L’Aperto, Agamben dá uma atenção especial ao pensamento heideggeriano acerca da animalidade e da humanidade. Neste estudo,busca mostrar como o pensamento deste filósofo alemão está altamente atrelado à máquina antropológica. A separação radical estabelecida por Heidegger entre o animal e o Dasein acaba por jogar a animalidade, o ser vivente do humano em uma zona completamente indeterminada, possibilitando assim, a produção de uma vida nua, uma vida que não se identifica nem com a animalidade, visto que é humana, e nem com a humanidade, visto que é animal (e não Dasein).Pensar uma política sem a máquina antropológica é pensar uma política que não permita a produção de “vidas nuas”, ou seja, vidas das quais a humanidade possa ser tirada, arrancada. A vida nua é aquela vida na qual a animalidade e a humanidade se encontram totalmente incertas e indistintas, e por isso, totalmente exposta e à mercê dos poderes políticos.Para deter essa máquina, devemos impor sobre ela um processo de sucateamento, o qual será proporcionado através de uma mudança ontológica, na forma de concebermos e pensarmos a animalidade e a humanidade. Essa mudança ontológica coloca em questão tanto a ontologia clássica, fundada por Platão e Aristóteles, quanto à ideia de uma humanidade separada ou a parte da animalidade. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT
Anthropological Machine is a concept formulated by the Italian Philosopher Giorgio Agamben to relate animalism and humanity. The concept came up in the so called biopolitics context. The Anthropological Machine is definable as a conceptual machine that aims to generate the humane from the link and detachment of animal and human environments. Thus, such linkage and detachment, does not only have an ontological approach, but also a political one, it ends up restricted to a complete indistinct place. Agamben's researches demonstrate the presence of this machine in many fields of knowledge going from theology through philosophy and science. InL'Aperto, Agamben gives especial attention to the Heideggerian thought about animalism and humanity. In this study, tries to show how this German philosopher's thoughts is highly attached to his Anthropological Machine concept. The radical detachment established by Heidegger between the animal and the Dasein xxxxx, the living body of the human being in a whole undetermined zone, enabling the nurture of bare life, neither identifiable with animalism, beings it is humane, nor with humanity, as it is animal (not Dasein).To think of politics without the Anthropological Machine is to think of politics that does not allow the creation of "bare lives" from which the humanity could betaken. Bare life refers to that specific life where animalism and humanity are totally distinct and uncertain, therefore exposed to political powers. n order to block this machine, we must inflict a scrapping process to it, only possible by an ontological change in the way we conceive and think the animalism and humanity. This ontological change brings up both the issue of the classical ontology established by Plato and Aristotle and the idea of a humanity taken apart from animalism.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)–Universidade de Brasília, Departamento de Filosofia, 2011.
Aparece nas coleções:FIL - Mestrado em Filosofia (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.