Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/9472
Título: Efeito agudo do exercício resistido supersérie nas respostas cardiorrespiratórias e metabólicas de jovens ativos
Autor(es): Brito, Lourenzo Martins de
Orientador(es): Cipriano Júnior, Gérson
Assunto: Exercícios físicos
Contração muscular
Data de publicação: 17-Out-2011
Data de defesa: 27-Jul-2011
Citação: BRITO, Lourenzo Martins de. Efeito agudo do exercício resistido supersérie nas respostas cardiorrespiratórias e metabólicas de jovens ativos. 2011. 72 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física)-Universidade de Brasília, Brasília, 2011.
Resumo: A prescrição do exercício resistido (ER) pode envolver a manipulação de diferentes variáveis, dentre elas, a sequência de ativação dos músculos que, quando realizada de forma alternativa, como, por exemplo, a supersérie (SUPER) no comportamento muscular (CFM), cardiovascular (CR) e metabólico (CM), parece ainda controverso na literatura científica. Objetivo: Avaliar as respostas agudas do sistema CR e CM frente ao ER na metodologia SUPER em jovens saudáveis. Metodologia: 10 homens fisicamente ativos com média de idade entre 22,6 ± 4,0 anos, foram avaliados no IC - DF através de teste ergoespirométrico (Ee) em protocolo de Rampa com registro eletrocardiográfico. Foram submetidos e avaliados frente a duas metodologias de ER; tradicional (TRAD) e SUPER; utilizando dinamômetro isocinético (DI) à 60o/s, durante 3 séries de 10 repetições. O CR foi avaliado a partir da monitoração da frequência cardíaca (FC) e pressão arterial (PA). O CM a partir de monitoração e do cálculo do Gasto Energético (EE), e a CFM DI. Para análise dos dados utilizou-se ANOVA com um e dois fatores, com pós-teste de Bonferroni e Tukey, considerando significante p<0,05. Resultados: Dentre as variáveis para a avaliação do CFM verificamos que o pico de torque (PT) foi maior na SUPER que na TRAD, apenas na 1ª série da flexão (134±20 e 117±9,03 N/m) p<0,05. No CR observou-se maior variação da FC na TRAD em comparação à SUPER (72,66±13,08 e 52,11±17,25 bpm) p<0,001 para o movimento extensão, também apenas na 1ª série, não sendo significante para a flexão em nenhuma das séries. Já a PA diastólica apresentou maior elevação para a extensão na TRAD e SUPER (14,67±8,20 e 15,33±7,69 mmHg) em comparação com a flexão TRAD (7,44±4,55 mmHg) p<0,001. Para CM não se verificou diferenças para as variáveis ergoespirométricas diretas, mas apenas para o EE calculado, sendo este, menor apenas no início do ER (1ª e 2ª séries) na metodologia SUPER (61,98±16,13 e 38,29±59,70) em relação à TRAD (169,17±72,72 e 96,44±13,26) na extensão. Conclusão: A metodologia SUPER promove maior facilitação neuroproprioceptiva em relação à TRAD nas séries iniciais, pois é quando apresenta maior PT, associado a uma menor variação da FC e EE. O maior estresse CR para o movimento de extensão corrobora a hipótese de que a este esteja associado à quantidade de músculos envolvidos no movimento. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT
The prescription of resisted exercise (ER) may involve the manipulation of different variables among which the muscle’s activation sequence that once done by an alternative form, as, for example, the superseries (SUPER) in the muscular behavior (CFM), cardiovascular (CR) and metabolic (CM), still seems controversial in scientific literature. Objective: To evaluate the acute responses of the CR and CM systems as to the ER in the SUPER methodology in healthy teenagers. Methodology: 10 physically active males aging from 22.6 ± 4,0 were evaluated on the IC – DF through ergoespirometric (Ee) in Ramp protocol with electrocardiographic registration. They were submitted and evaluated as to two ER methodologies; traditional (TRAD) and SUPER; using isokinetic dynamometer (DI) at 60o/s, during 3 series of 10 repetitions. The CR was evaluated through cardiac frequency (FC) monitoring and arterial pressure (PA). The CM through the Ee monitoring and with the calculation of the Energy Expenditure (EE), and the CFM DI. For the data analyses ANOVA was used with one and two factors, with a Bonferroni and Tukey posttests, considering a significant p<0.05. Results: Amongst the variable for the evaluation of the CFM we verified that the peak torque (PT) was superior in the SUPER than in the TRAD, only in the 1st series of flexion (134±20 and 117±9.03 N/m) p<0.05. In the CR it was observed greater variation to the FC in the TRAD in comparison to SUPER (72.66±13.08 and 52.11±17.25 bpm) p<0.001 for the extension movement, also only on the 1st series, not being significant for flexing in any of the series. As to the diastolic PA it presented higher elevation for the extension in the TRAD and SUPER (14.67±8.20 and 15.33±7.69 mmHg) in comparison to the TRAD flexing (7.44±4.55 mmHg) p<0.001. For the CM no differences were verified for the direct ergoespirometric, but only for the EE calculation, which is lower only in the beginning of the ER (1st and 2nd series) in the SUPER methodology (61.98±16.13 and 38.29±59.70) in relation to the TRAD (169.17±72.72 and 96.44±13.26) in the extension. Conclusion: The SUPER methodology promotes greater neuropropioceptive facilitation in relation to TRAD in the initial series, for that is when it presents greater PT, associated to a lower variation of FC and EE. The greatest CR stress for the extension movement corroborates the hypothesis that the quantity of muscles involved in movement is associated to this.
Descrição: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, 2011.
Aparece nas coleções:FEF - Mestrado em Educação Física (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_LourenzoMartinsBrito.pdf913,47 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.