Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/9113
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2010_RonaldoPedreiraSilva.pdf1,17 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: A Gestão do conhecimento em instituições de ensino superior e tecnológico : análise do instituto federal de educação, ciência e tecnologia da bahia - IFBA
Autor(es): Silva, Ronaldo Pedreira
Orientador(es): Kipnis, Bernardo
Assunto: Gestão do conhecimento
Ensino superior
Data de publicação: 18-Jul-2011
Referência: SILVA, Ronaldo Pedreira. A Gestão do conhecimento em instituições de ensino superior e tecnológico: análise do instituto federal de educação, ciência e tecnologia da bahia - IFBA. 2010. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação)- Universidade de Brasília, Brasília, 2010.
Resumo: A dissertação busca principalmente determinar os motivos pelo qual a Gestão do Conhecimento(GC) não é uma prática difundida nas instituições de ensino superior e tecnológico, em especial no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) e em extensão às outras. Em segundo lugar, fazer uma comparação com o mundo empresarial, que teoricamente, tem em muitas organizações, a preocupação com o uso da GC e os benefícios que ela pode trazer. É feita uma introdução teórica sobre o tema, a fim de fundamentar o trabalho empírico e os resultados obtidos, abordando aspectos básicos da GC. Como metodologia de coleta de informações foram feitas entrevistas com profissionais de diversas áreas, escolhidos com base em critérios previamente determinados e sempre que possível, com atuação acadêmica, mas não obrigatoriamente. A análise das informações foi executada com base na análise de conteúdo. Pôde-se constatar que a GC não é uma prática das instituições de ensino superior e tecnológico, como sugerido inicialmente, também não o é nas empresas, conforme respostas dos entrevistados ligados ao mundo comercial imagina e isso também é discutido no estudo. Apesar disso, observa-se que em todos os tipos de organizações há iniciativas isoladase muitas vezes sem qualquer planejamento de algum tipo de GC. _____________________________________________________________________________________ ABSTRACT
This study aims to determine the motives why the Knowledge Management (KM) is not a practice well disseminated in institutions of technical education or in colleges/universities, especially at the Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) along with others with the same purpose. In addition, it is commendable to establish a comparison between the corporate world and the studied institution, mainly for the first has as a main concern the KM application in several organizations, not to mention the benefits it may provide with. A theoretical about the topic – KM - is brought about in the beginning section of this study in order to place the empirical investigation and the outcomes observed all of which regarding the basic aspects of KM. A survey was applied among carefully chosen professionals from different work fields subsequently to previously determined criteria and academic record. The information analysis was performed based upon the content analysis. At last it is possible to come to a conclusion that KM is not a regular practice in educational institutions, such as IFBA and other technical schools, as initially suggested, that is no longer a rule in corporate organizations, according to the answers collected from the survey. This is another aspect which is discussed along the study and moreover one can observe that there are indeed isolated initiatives holding no planning of any kind regarding Knowledge Management.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)-Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2010.
Aparece nas coleções:FE - Mestrado em Educação (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.