Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/8404
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2010_RafaelSilvaPinto.pdf346,95 kBAdobe PDFView/Open
Title: Ética e metafísica na filosofia de Iris Murdoch : a peregrinação moral em busca do bem
Authors: Pinto, Rafael da Silva
Orientador(es):: Reis, Cláudio Araújo
Assunto:: Murdoch, Iris, 1919-
Ética
Pluralismo moral
Metafísica
Issue Date: 17-Jun-2011
Citation: PINTO, Rafael da Silva. Ética e metafísica na filosofia de Iris Murdoch: a peregrinação moral em busca do bem. 2010. 119 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia)-Universidade de Brasília, Brasília, 2010.
Abstract: Interpretação da filosofia moral de Iris Murdoch. A presente dissertação é estruturada em torno de três temáticas correlatas a fim de buscar uma compreensão abrangente da ética e da metafísica da filósofa. São elas: o pluralismo das visões morais, o bem e o vazio. A pergunta fundamental que orienta a investigação é sobre a possibilidade ou não de compatibilizar o pluralismo das visões morais e a soberania do Bem. Esta relação ocorre por meio de uma filosofia moral concebida como iconoclasmo criativo, que se nutre da tensão entre forma e contingência, explorando as fissuras e as ambigüidades de vários cenários e conceitos morais tais como retratados por sistemas filosóficos, pelas obras de arte, pela religião e tantas outras atividades humanas investigadas. Por meio da crítica de correntes filosóficas preponderantes, a filósofa delineia o seu programa de recuperação de conceitos e imagens metafísicos, esclarecendo a sua centralidade para o pluralismo moral, concebido como a exploração imaginativa do mistério vinculado às visões morais dos indivíduos. O caráter assistemático de sua filosofia bem como a pluralidade de formas adotadas para investigar cenários morais diversos integram a sua concepção de moralidade como uma peregrinação individual em busca do Bem, que envolve a purificação do Eros e o aperfeiçoamento dos estados de consciência. O Bem é a melhor metáfora encontrada para exprimir que a moralidade não pode ser descartada da vida humana. O seu caráter transcendente visa à preservação da consciência moral e do julgamento ético individual como ferramentas críticas para apontar os limites e as falibilidades de toda e qualquer teoria. A sua filosofia é um convite ao leitor para empreender sua própria jornada espiritual, é uma provocação para que os indivíduos não considerem o discernimento entre o bem e o mal uma mera questão de escolha ou de vontade arbitrária, mas um engajamento existencial na tarefa inesgotável de atenção, purificação da energia espiritual, aprimoramento da visão moral, que envolve tanto um aprofundamento íntimo da compreensão do vocabulário moral como uma transformação moral interior. A discussão do problema do mal face ao realismo moral abre caminho para uma análise mais acurada do conceito de vazio, que se revela como idéia-chave para a compreensão do Bem e da própria atividade filosófica. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT
Interpretation of Iris Murdoch’s moral philosophy. The present dissertation is structured upon three issues correlated in order to propose a general grasp of ethics and metaphysics in Iris Murdoch’s thought. The issues are: the pluralism of moral visions, the good and the void. The fundamental question, which guides the investigation, is about the possibility of harmonizing her pluralism of moral visions and the sovereignty of the Good. This relation comes about by means of a moral philosophy conceived as creative iconoclasm, which is fostered by the tension between form and contingency, exploring fissures and ambiguities of several moral pictures and concepts as portrayed by philosophical systems, by works of art, by religion and so many others human activities investigated. By means of the criticism of predominating philosophical currents, the philosopher draws her recuperation program for metaphysics’ concepts and pictures, showing its centrality for moral pluralism, thought as an imaginative exploration of the mystery attached to individuals’ moral visions. The unsystematic feature of her philosophy, as well as the plurality of adopted forms in order to investigate different moral scenarios, integrates her conception of morality as an individual peregrination in search of the Good, which involves the purification of Eros and the improvement of states of consciousness. The Good is the best metaphor found to express that morality cannot be eliminated from human life. Its transcendent feature intends to preserve moral consciousness and individual ethical judgment as critical tools to point limits and failures of every theory. Her philosophy is an invitation to the reader to undertake his own spiritual journey. It’s a challenge to individuals not to regard the discernment between good and evil as a matter of choice or arbitrary will, but as an existential commitment to the ceaseless task of attention, to the purification of spiritual energy, to the improvement of moral vision, which involves an intimate deepening of the comprehension of moral vocabulary as well as an interior moral transformation. The discussion of the problem of evil faced with the Good as a reality principle enables a more accurate analysis of the concept of the void, that reveals itself as a key idea for the comprehension of the Good and of the philosophical activity itself.
Description: Dissertção (mestrado)—Universidade de Brasilia, Instituto de Ciencias Humanas, Departamento de Filosofia, 2010.
Appears in Collections:FIL - Mestrado em Filosofia (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/8404/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.