Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/8213
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_MagnitudeAbortoAnencefalia.pdf38,09 kBAdobe PDFView/Open
Title: A magnitude do aborto por anencefalia : um estudo com médicos
Other Titles: Anencephaly : the magnitude of the judicial authorization among medical doctors in Brazil
Authors: Diniz, Debora
Silva, Janaína Lima Penalva da
Faúndes Latham, Aníbal Eusébio
Rosas, Cristião
Assunto:: Aborto
Anencefalia
Issue Date: Sep-2009
Citation: DINIZ, Debora et al. A magnitude do aborto por anencefalia: um estudo com médicos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, supl. 1, p. 1619-1624, set./out. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v14s1/a35v14s1.pdf>. Acesso em: 2 jun. 2011. doi: 10.1590/S1413-81232009000800035.
Abstract: Este artigo tem por objetivo descrever a magnitude da assistência médica em casos de gravidez de feto com anencefalia, por meio de uma pesquisa empírica com médicos. A anencefalia é uma má-formação incompatível com a sobrevida do feto após o parto. O direito à interrupção da gestação nesse caso é tema de ação no Supremo Tribunal Federal. Realizou-se uma pesquisa tipo survey com 1.814 médicos, filiados à Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), o que corresponde a 12% do total de médicos da entidade. Os resultados indicam que, em um universo de 9.730 mulheres atendidas pelos médicos nos últimos vinte anos, 85% preferiram interromper a gestação nesse caso. Esse dado mostra o quanto a assistência médica a mulheres grávidas de fetos com anencefalia é uma experiência cotidiana nos serviços de saúde, bem como o desafio ético imposto pela ilegalidade do procedimento médico de interrupção da gestação nesses casos. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT
This paper describes the magnitude of the medical care for pregnant women with an anencephalic fetus. Anencephaly is an abnormality incompatible with life. The right to abort in this case is under litigation at the Brazilian Supreme Court. This survey was conducted among 1,814 medical doctors, all of them affiliated to the Brazilian Federation of Gynecology and Obstetrics (Febrasgo), corresponding to 12% of the doctors within this federation. The results show that, in a group of 9,730 women cared by the physicians over the last 20 years, 85% preferred to interrupt pregnancy in case of anencephaly. This fact reveals how common the experience of assist women pregnant with an anencephalic fetus is in health care services, as well as the ethical challenge imposed by the restrictive Brazilian legislation on abortion.
DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000800035
Appears in Collections:SER - Artigos publicados em periódicos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/8213/statistics">



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons