Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/7991
Título: Santo Estado, maldito mercado : de certas esquerdas que são direitas
Título(s) alternativo(s): Holy State, damned market : about certain left wings that are right wings
Autor(es): Demo, Pedro
Assunto: Estado
Política social - Brasil
Capitalismo
Data de publicação: Mai-2005
Referência: DEMO, Pedro. Santo Estado, maldito mercado: de certas esquerdas que são direitas. Sociedade e Estado, Brasília, v. 20, n. 2, p. 451-476, maio/ago. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/se/v20n2/v20n2a09.pdf>. Acesso em: 21 mar. 2011. doi: 10.1590/S0102-69922005000200009.
Resumo: É comum na discussão sobre política social e desenvolvimento preservar o Estado e sacrificar o mercado. Historicamente falando, a apreciação positiva do papel do Estado vincula-se ao welfare state, que, mesmo tendo sido fenômeno relativamente curto e restrito – durou por volta de 30 anos e restringiu-se a uma dúzia de países eurocêntricos –, foi marcante em termos de ganhos sociais frente às forças liberais de mercado. Quase sempre, encobre-se aí que o welfare state não redimiu o Estado capitalista, apenas ocasionou uma versão socialmente mais interessante. Do ponto de vista da questão social, as críticas ao mercado (neo)liberal, em geral, são adequadas, mas facilmente encobrem que mercado é instituição histórico-estrutural, tanto quanto o Estado. Assim como há que se distinguir entre Estado como tal e Estado capitalista, há que se distinguir entre mercado como tal e mercado capitalista. Mercado e Estado cumprem papéis essenciais para a política social e o desenvolvimento, em qualquer sociedade e sistema, estando em xeque sua configuração capitalista. Não são nem santos, nem malditos, porque sua qualificação histórica concreta depende da respectiva sociedade. Hoje vemos a tendência do pensamento único de apresentar o mercado capitalista liberal como solução única, como se fora dele não houvesse salvação. É apenas o outro lado da medalha do Estado santificado. ___________________________________________________________________________________ ABSTRACT
It's common in the discussion about social policy and development to preserve the State and to immolate the market. Historically speaking, positive appreciation of State's role is bound with welfare state which, although it hat been a relatively short and restrict phenomenon – it lasted about 30 years and was restricted to a dozen of Eurocentric countries –, was remarkable in terms of social gains facing market's liberal forces. Almost always the discussion hides that Welfare State didn't redeem the capitalist State, since it just occasioned one more interesting social version. From the viewpoint of the social question, critics to (neo)liberal market are, in general, adequate, but they easily hide that market is a historic-structural institution, as the State as well. Just as we have to distinguish between State as such and capitalist State, we also have to distinguish between market as such and capitalist market. Market and State fulfill essential roles in social policy e development, in each society and system, being in check its capitalist configuration. They are not saint, nor damned, because their historic concrete qualification depends from the respective society. Today we see the unique thought's tendency of presenting liberal capitalist market as one and only solution, as if outside there will be no salvation. It's simple the other side of the coin of the saint State.
DOI: 10.1590/S0102-69922005000200009
Aparece nas coleções:SOL - Artigos publicados em periódicos
UnB - Professores Eméritos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_SantoEstadoMalditoMercado.pdf73,93 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons