Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/7416
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2010_LauraBragadeOliveira.pdf11,44 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Diversidade e Fenologia de lagartas folívoras em Roupala montana (Proteaceae) no cerrado do Brasil Central
Autor(es): Oliveira, Laura Braga de
Orientador(es): Diniz, Ivone Rezende
Assunto: Lepidóptero
Parasitismo
Mariposa
Data de publicação: 16-Abr-2011
Referência: OLIVEIRA, Laura Braga de. Diversidade e Fenologia de lagartas folívoras em Roupala montana (Proteaceae) no cerrado do Brasil Central. 2010. 115., il. Dissertação (Mestrado em Biologia Animal)-Universidade de Brasília, Brasília, 2010.
Resumo: O presente trabalho apresenta um quadro geral das comunidades de lagartas, folívoras externas, que ocorrem em Roupala montana Aubl. (Proteaceae) em duas escalas: local e regional. O projeto, na escala local (Capítulo 1), foi desenvolvido em uma área de cerrado de altitude no Parque Estadual da Serra dos Pireneus (PESP), Pirenópolis, Goiás, de maio de 2008 a abril de 2009. Foram vistoriados mensalmente 100 indivíduos de R. montana (total=1.200), com anotações tanto das características fenológicas da planta quanto de todas as lagartas encontradas que foram criadas no laboratório. Foram encontradas 805 lagartas de 35 espécies em 22% das plantas vistoriadas. A espécie mais abundante corresponde a um gênero novo de Elachistidae, com 55% (442 indivíduos) do total de indivíduos coletados e 50% das ocorrências. Do total das espécies amostradas, 78% ocorreram em baixa densidade, sendo que, 43% corresponderam a espécies representadas por um único indivíduo (singletons) (15 espécies) e 37% foram raras (13 espécies representadas por 2 a 10 indivíduos no ano). Seis espécies que são consideradas, no cerrado de Brasília, como lagartas de dieta restrita a R. montana, foram as mais abundantes no PESP: gênero novo de Elachistidae, Eomichla sp. (Oecophoridae), Idalus lineosus (Walker, 1869) (Arctiidae), Stenoma cathosiota (Meyrick, 1925), Clamydastis platyspora (Meyrick, 1922) e Cerconota sciaphilina (Zeller, 1877) (Elachistidae). As folhas maduras foram significativamente mais consumidas pelas lagartas do que as novas ou senescentes. Resultados deste trabalho reforçaram os padrões encontrados para comunidades de lagartas no cerrado como: poucas espécies abundantes (provavelmente de dieta restrita), muitas espécies raras, variação temporal na freqüência, composição e abundância de espécies e pico de frequência nas plantas em maio (início da estação seca). Contudo, a grande contribuição desse projeto é a indicação de que a especificidade de dieta em R. montana de, pelo menos, seis espécies de lagartas não é uma característica local (Cerrado de Brasília) e, ainda, que as suas abundâncias variam enormemente entre áreas distantes do Cerrado. Na escala regional (Capítulo 2) o projeto foi desenvolvido em cinco áreas do cerrado do Brasil Central (PESP: Parque Estadual Serra dos Pireneus - GO; PNCV: Parque Nacional Chapada dos Veadeiros - GO; FAL: Fazenda Água Limpa; PNB: Parque Nacional de Brasília; JBB: Jardim Botânico de Brasília – DF). Foram vistoriadas 1.000 plantas de R. montana em cada área, no período de maio e junho de 2009. Todas as lagartas encontradas foram coletadas e criadas em laboratório, os adultos montados a seco e identificados. Foram encontradas 1.187 lagartas de 55 espécies de 15 famílias, em 13,26% das plantas. Oitenta e cinco por cento das espécies encontradas nas cinco áreas ocorreram em baixa densidade, destas 55% foram representadas por somente um indivíduo (‘singletons’). A maioria das espécies (73%) foi considerada exclusiva e. apenas quatro das espécies (7%) ocorreram em todas as localidades: 1) a mariposa do gênero novo de Elachistidae: 2) a mariposa Stenoma cathosiota (Meyrick, 1925), Elachistidae; 3) a mariposa Idalus lineosus (Walker, 1869) Arctiidae e 4) a borboleta Symmachia hippodice (Godman, 1903) Riodinidae, sendo todas elas consideradas de dieta restrita a R. montana. A abundância, riqueza de espécies e a frequência de plantas com lagartas variaram significativamente entre as áreas. A associação das áreas com faunas mais similares foram a FAL/JBB para os índices de similaridade de Sørensen e Bray-Curtis. O teste de Mantel não foi significativo para a relação entre a similaridade da fauna (Bray-Curtis) e a distância geográfica ou com as diferenças de altitude entre as áreas. Entretanto, os resultados do presente trabalho demonstraram uma tendência à uma relação negativa entre a similaridade e a distância geográficas entre as áreas. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT
This study presents a general framework in local and regional scales of communities of externally leaf feeding caterpillars found on Roupala montana Aubl. (Proteaceae). The project on a local scale (Chapter 1) was carried out in an area of cerrado of altitude in the Parque Estadual da Serra dos Pireneus (PESP), Pirenópolis, Goiás, from May 2008 to April 2009. Monthly, were surveyed 100 individuals of R. montana (total = 1,200), with notes on both phenological characteristics of plants and caterpillars. All encountered caterpillars were reared under laboratory conditions. During the present study we found 805 caterpillars of 35 species on 22% of the plants inspected. The lepidopteran species found most frequently on R. montana was a new genus of Elachistidae representing 55% (n=442) of the total of the sampled individuals. Of all the sampled species, 78% occurred in low abundances of which 38% were represented by singletons, and 40% were also very rare (2 to 10 individuals) along the year. In the cerrado of Brasilia six caterpillar species were considered to be food restricted to R. Montan. These species were the most abundant in the PESP as follows: new genus of Elachistidae, Eomichla sp. (Oecophoridae), Idalus lineosus (Walker, 1869) (Arctiidae), Stenoma cathosiota (Meyrick, 1925), Clamydastis platyspora (Meyrick, 1922), and Cerconota sciaphilina (Zeller, 1877) (Elachistidae). The mature leaves were significantly more consumed by caterpillars than the new or the senescent leaves. All results of this study reinforced the patterns previously found for communities of caterpillars in the cerrado plants: few abundant species (probably those with restricted diet on the host plant); many rare species; low proportion of host plants with caterpillars, large faunal-temporal and site variations; and the frequency peak occurring on plants in May (beginning of dry season in the Cerrado region). However, the major contribution of this project is an indication that, at least, for six species of caterpillars, the specificity of diet on R. montana is not a local feature of the Cerrado areas around Brasília, and also that their abundances varies greatly between distant areas of Cerrado. On a regional scale (Chapter 2) all samples was carried out in five small and preserved areas of the Cerrado in the Central Brazil within the State Park of Serra dos Pireneus (PESP), National Park of Chapada dos Veadeiros (PNCV) both in Goiás state; Experimental Station of the University of Brasília (FAL), National Park of Brasília (PNB), and Botanical Garden of Brasília (JBB) in the Federal District (DF). A thousand food plants were searched for caterpillars in each area, from May to June 2009. All caterpillars encountered were collected, and reared under laboratory conditions. A total of 1,187 caterpillars, belonging to 55 species of 15 families were found on 13.26% of the sampled plants. Eighty-five percent of the species found in all study areas occurred in low density, of which 55% were represented by singletons. Most species (73%) were considered exclusive to one study area and only four species (7%) were shared among the five study areas, three moth species: 1) a new genus belonging to Elachistidae: 2) Stenoma cathosiota (Meyrick, 1925), Elachistidae, 3) Idalus lineosus (Walker, 1869) Arctiidae, and a butterfly species 4) Symmachia hippodice (Godman, 1903) Riodinidae, all of which were considered to be food restricted to R. montana. Faunal similarities and species turnover varied significantly among areas. Sørensen indices and Bray-Curtis indices values grouped FAL/JBB as the two areas with highest similarities. The Mantel test was not significantly for the relationship between the faunal similarity (Bray-Curtis) and geographic distance and also with height differences between areas. However, the results of this study demonstrate tendency to relation negative between the similarity of communities and the geographical distance between areas.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, 2010.
Aparece nas coleções:IB - Mestrado em Biologia Animal (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.