Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/7079
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_FusaoImagensaltimetricas.pdf708,46 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Fusão de imagens altimétricas e aeromagnetométricas como ferramenta de interpretação geológica, exemplo da Província Mineral de Carajás (PA)
Autor(es): Carneiro, Cleyton de Carvalho
Crósta, Alvaro Penteado
Silva, Adalene Moreira
Pinheiro, Roberto Vizeu Lima
Assunto: Sensoriamento remoto
Geofísica aérea
Geologia - Carajás, Serra dos, Região (PA)
Data de publicação: Abr-2006
Referência: CARNEIRO, Cleyton de Carvalho et al. Fusão de imagens altimétricas e aeromagnetométricas como ferramenta de interpretação geológica, exemplo da Província Mineral de Carajás (PA). Rev. Bras. Geof., São Paulo, v. 24, n. 2, abr./jun. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbg/v24n2/a09v24n2.pdf>. Acesso em: 1 mar. 2011. doi: 10.1590/S0102-261X2006000200009.
Resumo: A Província Mineral de Carajás localiza-se na parte sudeste do Cráton Amazônico, estado do Pará. É composta por dois domínios tectônicos principais, representados pelos sistemas transcorrentes Carajás e Cinzento. Parte significativa das ocorrências minerais da referida província está vinculada geologicamente a estruturas que compõem esses dois sistemas de falhas. Este trabalho apresenta os resultados obtidos da interpretação realizada a partir da fusão de dados magnetométricos e altimétricos, como ferramenta auxiliar na compreensão do quadro estrutural relacionado à Falha Carajás. Foram utilizadas as imagens orbitais do modelo digital de elevação, gerado a partir dos dados altimétricos orbitais da Shuttle Radar Topographic Mission (SRTM), e dos dados aeromagnetométricos do Projeto Geofísico Brasil-Canadá (PGBC). Para atingir os objetivos propostos foi desenvolvido um método de processamento e fusão dos dados provenientes dos dois levantamentos, geofísico e altimétrico, a partir de técnicas de processamento geofísico e de imagens digitais de sensoriamento remoto. Os resultados obtidos permitiram estabelecer a relação das feições interpretadas a partir da imagem de fusão com os principais domínios geomorfológicos e magnéticos reconhecidos na região. Estes resultados demonstram o potencial de aplicação desses métodos na análise de outras áreas com características metalogenéticas similares às da Amazônia, como forma de facilitar e orientar programas regionais de exploração mineral.
Abstract: The Carajás Mineral Province is located in the eastern portion of the Amazonian Craton, in the Pará state, north of Brazil. It comprises two main tectonic domains: Carajás and Cinzento strike-slip systems. A significant proportion of the mineral deposits and occurrences of this Province is geologically related to structures belonging to these two fault systems. This paper presents the results obtained by the interpretation of merged altimetric and magnetometric data, as an auxiliary tool for understanding the structural framework of the Carajás Fault. Satellite digital elevation data acquired by the Shuttle Radar Topographic Mission (SRTM) were used in combination with aeromagnetometric data acquired by the Brazil-Canada Geophysical Project (PGBC). A method was developed for digital processing and merging the data acquired by these two surveys, based on geophysical and remote sensing processing methods. The results obtained allowed to establish the relationship between features interpreted from the merged image, with the main geomorphologic and magnetic domains known in the region. These results demonstrate the potential of applying these methods for assessing areas with similar metallogenetic characteristics located elsewhere in Amazon, thus facilitating and guiding regional exploration programs.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-261X2006000200009
Aparece nas coleções:IG - Artigos publicados em periódicos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons