Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/6908
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2006_MariaCustódiaMachadoRibeiro.pdf252,37 kBAdobe PDFView/Open
Title: Estudo das características epidemiológicas da dor de crescimento em crianças atendidas em unidade hospitalar do Distrito Federal : avaliação da fibromialgia materna como fator de risco
Authors: Ribeiro, Maria Custódia Machado
Orientador(es):: Campos Júnior, Dioclécio
Assunto:: Crianças - doenças
Fibromialgia
Issue Date: 18-Feb-2011
Citation: RIBEIRO, Maria Custódia Machado. Estudo das características epidemológicas da dor de crescimento em crianças atendidas em unidade hospitalar do Distrito Federal: avaliação da fibromialgia materna como fator de risco. 2006. 82 f. Dissertação (Mestrado em Medicina)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.
Abstract: Este estudo teve como objetivos avaliar a freqüência de fibromialgia em mães de crianças com dor de crescimento e sua provável associação em 153 crianças procedentes do ambulatório de Pediatria e Reumatologia Pediátrica do Hospital Universitário de Brasília, no período de fevereiro a setembro de 2005. Foram estudadas as características clínicas e epidemiológicas e avaliada a correlação entre enxaqueca materna e presença de dor de crescimento nessas crianças. Foram selecionadas 75 crianças que inicialmente preenchiam critérios para dor de crescimento e 78 sem queixas de dor, com idade entre 2 e 12 anos e 11 meses. O estudo consistiu de um questionário sobre as queixas dolorosas e suas características, exame físico geral e ortopédico, avaliação laboratorial de todas as crianças e exame clínico de todas as mães. Com relação às características clínicas das crianças com dor de crescimento, foi observado que a dor foi mais freqüente nas pernas (56,9%), durante o período noturno (39%) e na faixa etária entre 6 e 9 anos. Foram considerados como fatores desencadeantes mais freqüentes o frio (52,9%) e o exercício físico (42,2%) e como fatores de alívio as massagens (43,9%) e uso de pomadas (24,3%). Das 75 crianças com diagnóstico inicial de dor de crescimento, 5 apresentaram resultados alterados da velocidade de hemossedimentação (VHS) e 1 apresentou fator antinuclear positivo (FAN+), sendo então excluídas do estudo. Das 78 crianças sem queixas de dor, 7 apresentaram resultados alterados do VHS e uma com FAN+, sendo também excluídas do estudo. Do total 139 crianças, 69 apresentavam dor de crescimento (grupo estudo) e 70 não apresentavam queixas dolorosas (grupo controle). Dosagens de hemoglobina e de ferritina sérica foram realizadas em todas as crianças e não foi observada correlação estatística entre os valores encontrados e a dor de crescimento. A fibromialgia foi encontrada em 10 (14,5%) mães de crianças do grupo estudo e em 17 (24,3%) mães de crianças do grupo controle. Não foi constatadas correlação estatística (p = 0,1445) entre fibromialgia materna e dor de crescimento. A freqüência da enxaqueca materna foi de 29% no grupo estudo e de 35,7% no grupo controle. Também não foi observadas correlação estatística (p = 0,3966) entre enxaqueca materna e dor de crescimento. Concluímos que a fibromialgia materna não representou fator de risco para este grupo de crianças, que a freqüência de mães com enxaqueca foi maior no grupo controle e que as características clinicas, laboratoriais e epidemiológicas das crianças com dor de crescimento foram similares às encontradas na literatura. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT
This study had as objective evaluate the frequency of fibromyalgia syndrome in mothers of children with growin g pain and its probable association in 153 children that were followed in the Departments of Pediatrics and Pediatric Rheu matology of the Hospital Universitário de Brasília, from Feb ruary to September of 2005. Clinical and epidemiological characteristics were studied and the correlation between maternal migraine and presence of growing pain in the children was evaluated. Seventy- five children that initially fit the criteria of growth pain and 78 without pain complaints, ages between 2 and 12 years and 11 months were selected. The study consisted of a questionnaire about the p ain complaints and their characteristics, followed by orthopedic and complete physical ex am, laboratorial evaluation of the children and clinical ex amination of the mothers. It was observed that in the group of children with growing pain, the pain was more frequently referred on th eir legs (56, 9%), during the night (39, 0%) and affected children that were 6 to 9 years old. Th e triggering factors considered more frequent wer e cold weather (52, 9%) and physical ex ercise (42, 2%), and the relief factors were massages (43, 9%) and the application of local ointments (24, 3%). Among the 75 children with the initial diagnosis of growing pain, 5 presented altered results in the sedimentation rate (ESR) and 1 child presented positive antinuclear erythrocyte factor (ANF+), consequently all them were left out of the study. From the 78 childr en without any pain complaints, 7 presented altered ESR results and 1 child presented ANF+, also being left out of the study. Out of the total of 139 children, 69 presented growing pains (study group) and 70 had no pain complaints (control group). Hemoglobin and serum f erritine were evaluated in all children but no statistical correlation was observ ed between the v alues obtained and the gro wing p ain. Fibromyalgia syndrome was found in 10 (14, 5%) mothers of children from the study group and in 17 (24, 3%) mothers of children fro m the control group. No statistical correlation was found between maternal fibromyalgia syndrome and growing pain (p = 0, 1445). The maternal migraine h ad a frequency of 29% in the study group and 35% in the control group. There was also no statistical cor relation between maternal migraine and growth pains in the children (p = 0, 3966). We concluded that maternal fibromyalgia syndrome didn't represent a risk factor to the group of children with gr owing pain. We also observed that the prevalence of mothers with migraine was higher in th e control group and th e clinic, laboratorial and epidemiologic characteristics of children with growth pain were similar to those found in the literature.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, 2006.
Appears in Collections:FMD - Mestrado em Ciências Médicas (Dissertações)
UnB - Brasília 50 anos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/6908/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.