Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/5161
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2009_AnandadeMeloMartins.pdf4,34 MBAdobe PDFView/Open
Title: Rede de resistência solidária : resistência e cotidiano na luta pelo direito à cidade em Recife - PE
Other Titles: Solidary Resistance Network : resistance and the quotidian in the struggle for the right to the City in Recife – PE
Authors: Martins, Ananda de Melo
Orientador(es):: Penna, Nelba Azevedo
Assunto:: Movimentos sociais
Geografia urbana
Sociologia urbana
Cidades e vilas - Recife (PE)
Urbanização
Issue Date: 2009
Citation: MARTINS, Ananda de Melo. Rede de resistência solidária: resistência e cotidiano na luta pelo direito à cidade em Recife - PE. 2009. 170 f. : il. Dissertação (Mestrado em Geografia)-Universidade de Brasília, Brasília, 2009.
Abstract: A pesquisa que ora apresentamos visa ampliar o debate acerca dos Movimentos de Resistência Populares no contexto da urbanização contemporânea, por meio e a partir do cotidiano. Com base em Henri Lefebvre na temática da luta pelo direito à Cidade, objetivamos compreender o papel da Rede de Resistência Solidária (RRS) no espaço urbano em Recife. A atuação de grupos comunitários articulados em rede nos indica mudanças nas formas-conteúdos da organização popular, o que nos levou a recompor a proposta de alguns autores em ―atualizar‖ a organização, atuação e estratégias dos movimentos de resistências populares, fundamentadas nas experiências do espaço vivido. Os resultados da nossa pesquisa apontam para os sujeitos da urbanização contemporânea, cuja relação com a questão urbana traz elementos que indicam não apenas os espaços em que os movimentos se organizam, mas como se organizam por meio do espaço. A centralidade da periferia surge com base na força do lugar e os grupos comunitários que fazem parte da Rede de Resistência Solidária constroem estratégias que visam a ruptura com a cotidianidade programada. Por meio dos eixos estratégicos de ação, a RRS propõe o diálogo comunitário que vão de encontro às práticas urbanas que tentam homogeneizar e fragmentar os espaços de construção das relações de solidariedade. A partir de uma análise dialética foi possível construir um entendimento acerca da relação ente os movimentos de resistência populares e o espaço. Por meio da categoria de análise geográfica do cotidiano, articulada aos pressupostos teóricos do direito à Cidade, buscamos a possibilidade de concretização do urbano enquanto realidade transformada. Esta mediação nos proporcionou desvelar a força do lugar na construção de uma rede de articulação comunitária que busca empreender ações emancipatórias. Nos indicou ainda a importância e necessidade do aprofundamento da crítica à vida cotidiana, tal como esta tem sido moldada pelo modo de produção capitalista: capturada pelos signos do consumo. Porém, esta captura também encontra resistências que a contesta e as enfrenta. ________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
The research that now we present aims to amplify the debate about the Popular Resistance Movements in the context of the contemporaneous urbanization, by and from the quotidian. Based in Henri Lefebvre in the thematic of the struggle for the right to the City we aim at understanding the role of the Solidary Resistance Network (RRS) in the urban space of Recife. The Acting of communitarian groups articulated in nets indicates changes in the shapes-contents of the popular organization, what has taken us to recompose the proposition of updating the organization, acting and strategies of the popular resistance movements, based on the experiences of the lived space. The results of our research point to the subjects of the contemporaneous urbanization, whose relation with the urban matter brings elements that indicate not only the spaces in which the movements organize themselves, but how they organize through the space. The centrality of the periphery arises based on the strength of the place and the communitarian groups that are part of the Solidary Resistance Network construct strategies to break with the programmed day-to-dayness. By its strategic axis of action, the RRS propose the communitarian dialog and the difficulties imposed by the urban practices that try to homogenize and fragment the spaces of construction of the relations of solidarity happen in an intense way, but find resistances. From a dialectic analysis it was possible to construct an understanding about the relation between the Popular Resistance Movements and the space, by the category of geographic analysis of the quotidian, articulating the theoretical presuppositions of the right to the City in the possibility of concretization of the urban as transformed reality. This mediation provided us to reveal the strength of the place in the construction of a communitarian articulated network that seeks to undertake emancipatory actions, as well as pointed us to the necessity to deepen the critic to the quotidian life as it has been shaped by the capitalistic production way: captured by the signs of the consume. However, this capture also finds resistances that contest it.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Geografia, 2009.
Appears in Collections:GEA - Mestrado em Geografia (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/5161/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.