Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/4592
Título: Estudo sobre avaliação de eficácia terapêutica em oncologia : grupo psicoeducacional "Aprendendo a Enfrentar"
Autor(es): Souza, Juciléia Rezende
Orientador(es): Araújo, Tereza Cristina Cavalcanti Ferreira de
Assunto: Câncer - aspectos psicológicos
Câncer - pacientes - qualidade de vida
Psicologia clínica da saúde
Data de publicação: 13-Mai-2010
Data de defesa: Fev-2009
Referência: SOUZA, Juciléia Rezende. Estudo sobre avaliação de eficácia terapêutica em oncologia: grupo psicoeducacional "Aprendendo a Enfrentar". 2009. 228 f., il. Dissertação (Mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde)-Universidade de Brasília, Brasília, 2009.
Resumo: O uso de intervenções psicossociais que, comprovadamente, geram benefícios aos pacientes oncológicos é um grande desafio para os psicólogos e demais profissionais que atuam em Oncologia. É necessário proporcionar aos pacientes condições para lidar o mais efetivamente possível com a doença e seus tratamentos. Diante do diagnóstico de câncer e dos seus tratamentos, os pacientes podem utilizar reações de enfrentamento que não favoreçam sua adaptação. Com o objetivo de promover habilidades de enfrentamento adaptativas ao diagnóstico de câncer e início do tratamento quimioterápico, foi desenvolvida uma intervenção psicoeducacional em grupo denominada Aprendendo a Enfrentar. O presente estudo propôs a elaboração e avaliação da eficácia terapêutica desta intervenção. Na fase 1, os pacientes foram avaliados para traçar a linha de base. Na fase 2, a intervenção foi desenvolvida e os pacientes reavaliados. Na fase 3, os pacientes foram reavaliados após três meses. Participaram do estudo quatro sujeitos iniciando tratamento quimioterápico no Serviço de Oncologia do HUB, independente do tipo de câncer. Foram todas mulheres, com idade média de 53 anos. Três delas compuseram o grupo de intervenção, enquanto uma se tornou sujeito controle. A intervenção foi realizada em seis encontros semanais, com duas horas de duração, utilizando o referencial teórico metodológico da análise do comportamento. Fizeram parte da intervenção estratégias de educação em saúde, promoção de autoconhecimento e autocontrole e treinos em estratégias de enfrentamento, relaxamento, habilidades de comunicação e resolução de problemas. Na linha de base os pacientes foram avaliados por meio de entrevista semi-estruturada e aplicação dos seguintes instrumentos: Escala de Modos de Enfrentamento (EMEP); Instrumento de avaliação da Qualidade de Vida da OMS (WHOQOL-bref); Psychological Screening Tool for Cancer Patients (PSCAN). Na fase 2, houve uma breve entrevista e os mesmos instrumentos foram utilizados. Para as participantes do grupo, foi aplicado ainda um questionário diretivo para avaliar a intervenção. Na fase 3, repetiu-se o uso das escalas e da entrevista breve. O uso de metodologia mista quantitativa e qualitativa contribuiu para a complementaridade entre os resultados, que revelaram: (a) na fase 1 todos os pacientes apresentavam prejuízos na qualidade de vida e elevado nível de distress, necessitando de intervenção. Porém, não havia necessidade de promover o uso de estratégias de enfrentamento segundo a EMEP; (b) na fase 2, imediatamente após a intervenção, os participantes do grupo mostraram significativo aumento no uso de estratégias focalizadas no problema (p<0,01 e p<0,05) e busca de suporte social (p<0,05), assim como redução nos níveis de ansiedade e depressão e melhoria significativa na qualidade de vida geral (p<0,01) havendo benefícios significativos (p<0,01 e p<0,05) nos domínios psicológico e meio ambiente. O mesmo não ocorreu nos escores do sujeito controle; (c) na fase 3 estes resultados se mantiveram. O uso de estratégias de enfrentamento correlacionou-se (p<0,05) positivamente com QV geral, e negativamente com depressão. Os resultados indicaram que a intervenção Aprendendo a Enfrentar foi eficaz para melhorar o uso de estratégias de enfrentamento adaptativas, reduzir o nível de distress e melhorar a qualidade de vida dos participantes. ____________________________________________________________________________ ABSTRACT
The use of psychosocial interventions that proved to be beneficial to oncological patients presents a considerable challenge to psychologists and other oncology professionals. It is necessary to offer these patients conditions to cope with the disease and its treatments as effectively as possible. Once diagnosed with cancer and made aware of its treatments, patients may show coping reactions that do not favor their adaptation. A psychoeducational group intervention called Aprendendo a Enfrentar (Learning to Cope) has been developed with the aim of promoting adaptive coping skills that will help them adjust to the diagnosis as well as to initiate the chemotherapy treatment. Hence, the aim of the following research is the establishment and assessment of the therapeutic efficacy of such intervention. The study was based on a sample of four women, with an average age of 53, all beginning chemotherapy treatment at the Oncology Department of the University Hospital of Brasilia (HUB), regardless of the type of cancer. Three patients joined the intervention group while the other one remained as control. In stage 1, the patients were assessed in order to establish the baseline. In stage 2, the intervention was developed and the patient were reassessed. In stage 3, they were once again assessed, this time 3 months later. The intervention took place in six weekly meetings, two hours each, having behavioral analysis as the main theoretical and methodological reference. The intervention made use of health education techniques to promote self-awareness and self-control among patients and to perform strategic training in coping, relaxing, communication skills and problem solving. In the baseline, patients were assessed through a semi-structured interview and the application of the following instruments: Mechanisms of Coping Scale (MOCS), the WHO quality of life assessment instrument and the Psychological Screening Tool for Cancer Patients (PSCAN). In stage 2, there was a short interview and the same instruments were used. A questionnaire was applied in order to assess the intervention. In stage 3, the scales and the short interview were once again used. The use of a mixed methodology quantitative and qualitative generated a wide base of results, which showed that: (a) in stage 1, all the patients presented damages to their quality of life and a high level of distress, pointing out to the need of an intervention. However, according to the EMEP, did not have necessity to promote the use of confrontation strategies; (b) in stage 2, immediately after the intervention, the group participants present better results in the assessment than the control subject, which are: significant increase in the use of strategies focused on the problem (p<0,01 and p<0,05) and search for social assistance (p<0,05), decrease in the anxiety and depression levels and, furthermore, significant improvement of their general quality of life (p<0,01), mainly regarding the psychological and environmental aspects (p<0,01 and p<0,05); (c) in stage 3, these results were kept. The use of coping strategies had a positive correlation with the general quality of life and a negative correlation with depression. The results indicated that the Aprendendo a Enfrentar intervention showed efficacy in improving the use of adaptive coping strategies as well as reducing the distress level of the patients and improving their quality of life.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde, 2009.
Aparece nas coleções:UnB - Brasília 50 anos
PED - Mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2009_JucileiaRezendeSouza.pdf1,33 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.