Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/3572
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2008_VivianDaSilvaBraz.pdf4,51 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Ecologia e conservação das aves campestres do bioma Cerrado
Autor(es): Braz, Vívian da Silva
Orientador(es): Cavalcanti, Roberto Brandão
Assunto: Aves - biogeografia
Espécies em extinção
Cerrados
Aves - ecologia
Data de publicação: 2008
Referência: BRAZ, Vívian da Silva. Ecologia e conservação das aves campestres do bioma Cerrado. 2008. 184 f., il. Tese (Doutorado em Ecologia)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.
Resumo: Atualmente existem poucos campos nativos em qualquer lugar da região Neotropical, sendo que todos estão ameaçados em algum grau, e como resultado da perda e da degradação desses habitats ao redor do mundo, as aves campestres, como grupo, experimentaram um dos maiores declínios populacionais conhecidos. O Cerrado, segundo maior bioma brasileiro, abriga em sua área 78% das aves de campos que ocorrem no Brasil, e 41% do total relacionado para a América do Sul, e apesar disso pouco se sabe sobre as espécies campestres, principalmente as ameaçadas de extinção, sendo que muitas vezes são desconhecidas informações sobre sua biologia básica. Este trabalho teve como objetivo estudar a comunidade de aves campestres do Cerrado, investigando aspectos ecológicos como riqueza, sazonalidade e resposta ao fogo, e realizar estimativas populacionais para fundamentar estratégias de conservação. Para obtenção dos parâmetros de abundância relativa de indivíduos, variação sazonal e efeito do fogo, foi utilizado o método de transeções lineares, e as densidades e tamanhos populacionais foram obtidos pelo método de amostragem de distâncias. O Cerrado abriga 117 espécies de aves campestres, sendo 48 consideradas especialistas obrigatórias, 17 em alguma categoria de ameaça de extinção, e 13 endêmicas do bioma. A riqueza nas áreas de estudo apresentou pouca variação ao longo do ano, enquanto a abundância relativa foi menor nos meses mais secos. As espécies apresentaram respostas diferentes com relação ao fogo, sendo que Xolmis cinereus e Geositta poeciloptera tiveram taxas de encontro maiores nas áreas recém-queimadas, enquanto para a maioria das espécies foi observado um efeito de curto prazo, com as taxas de encontro diminuindo logo após o fogo e se normalizando nos três meses seguintes. Foi possível realizar uma estimativa da densidade populacional para onze espécies campestres no PN Chapada dos Veadeiros (Coryphaspiza melanotis D=23.19 indiv/km2 Emberizoides herbicola D=14.82 indiv/km2 , Sicalis citrina D=10.02 indiv/km2 , Culicivora caudacuta D=7.92 indiv/km2, Ammodramus humeralis D=6.58 indiv/km2, Cistothorus platensis D=5.81 indiv/km2 , Alectrurus tricolor D=4.47 indiv/km2, Xolmis cinereus D=3.1 indiv/km2 , Taoniscus nanus D=2.92 indiv/km2 , Rynchotus rufescens D=1.84 indiv/km2 e Nothura maculosa D=1.77 indiv/ km2) e seis no PN Brasília (Cistothorus platensis D=14.64 indiv/km2, Emberizoides herbicola D=9.59 indiv/km2 , Culicivora caudacuta D=7.17 indiv/km2, Sicalis citrina D=4.49 indiv/km2 Ammodramus humeralis D=3.36 indiv/km2, Rynchotus rufescens D=1.68 indiv/km2). Os resultados indicam ainda não haver um padrão claro para as densidades das aves campestres em todo o bioma, com áreas sendo mais representativas para algumas espécies e menos para outras. Foram analisadas 21 Unidades de Conservação do Cerrado com relação à representação das aves campestres, a partir de um banco de dados de ocorrência das espécies. Levando em conta o objetivo da simples representação, o conjunto das áreas foi importante tanto na preservação da riqueza da avifauna campestre do Cerrado, como na proteção das espécies endêmicas e ameaçadas de extinção. Contudo, apesar da boa representatividade, uma grande porcentagem das espécies presentes está restrita a poucas áreas, e esse padrão é marcante principalmente para as aves endêmicas e ameaçadas de extinção. Considerando as espécies campestres obrigatórias, 90% estão representadas em pelo menos uma Unidade de Conservação, e 42% estão restritas a até no máximo cinco áreas. As Unidades de Conservação mais representativas para a avifauna campestre do Cerrado foram o Parque Nacional das Emas, Parque Nacional Serra da Canastra, Parque Nacional Chapada dos Veadeiros, Parque Nacional de Brasília, Estação Ecológica de Águas Emendadas e Parque Nacional Serra do Cipó. Os principais critérios utilizados para classificação das espécies campestres ameaçadas de extinção foram o declínio populacional, inferida com base na redução de habitat. Este trabalho apresenta novas informações sobre a ecologia, distribuição e estimativas populacionais das espécies ameaçadas de extinção, que reduzem o grau de incerteza na avaliação de risco das espécies. Dadas as grandes perdas de habitat campestre no bioma Cerrado, e os nítidos declínios populacionais da fauna associados, as espécies de campos se justificam como um grupo que necessita de atenção urgente dentre as aves do Cerrado, e as estimativas populacionais apresentadas nesse estudo são subsídios fundamentais para a avaliação do grau de risco real das espécies ameaçadas de extinção.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Ecologia, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, 2008.
Aparece nas coleções:ECL - Doutorado em Ecologia (Teses)
UnB - Brasília 50 anos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.