Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/35549
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2019_ElkeUrbanaviciusCostanti.pdf2,67 MBAdobe PDFView/Open
Title: Por que precisamos de terras indígenas? : uma análise à luz da economia ambiental
Authors: Costanti, Elke Urbanavicius
Orientador(es):: Nogueira, Jorge Madeira
Assunto:: Gestão ambiental
Terras indígenas
Desenvolvimento sustentável
Índios - aspectos econômicos
Issue Date: 10-Oct-2019
Citation: COSTANTI, Elke Urbanavicius. Por que precisamos de terras indígenas?: uma análise à luz da economia ambiental. 2019. 282 f., il. Tese (Doutorado em Economia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2019.
Abstract: O papel fundamental dos povos indígenas em gerir e preservar as florestas e, assim, contribuir para o combate à mudança do clima e à perda de biodiversidade tem recebido atenção em muitos estudos recentes que mostram a relação positiva entre a regularização de terras indígenas e o menor desmatamento nas florestas da região Amazônica brasileira. Os povos indígenas vivem em territórios ricos em recursos naturais que foram por eles protegidos e preservados por gerações, o que os torna ao mesmo tempo potenciais alvos de atividades extrativas e de estabelecimento de áreas protegidas. No Brasil, a proteção às terras indígenas avançou muito nas últimas três décadas, mas ainda há ameaças advindas de atividades de extração ilegal de madeira, pesca e caça ilegais em seus territórios. Ainda assim, o reconhecimento legal de suas terras apresenta um efeito inibidor de desmatamento ao seu redor. Atualmente, há cerca de 1.180.000 km2 de terras indígenas estabelecidas no Brasil, equivalentes a 14% do território nacional, e 24% da região Amazônica brasileira. Nesse contexto, a presente tese visa mostrar que apoiar a gestão ambiental e territorial das terras indígenas é fundamental para o desenvolvimento sustentável do País. Não somente é central para promover um crescimento econômico inclusivo, mas o País diminuirá seu bem-estar se não proteger as terras indígenas e seus recursos naturais. Os resultados da tese estão baseados na análise custo-benefício apresentada para mostrar que os custos de proteção ambiental são muito menores do que os custos de recuperação, e os benefícios derivados da gestão e uso sustentável das terras indígenas é maior do que a exploração de seus recursos naturais de forma convencional.
Abstract: The crucial role of indigenous people in managing and preserving forests and, thus, contributing to combat climate change and biodiversity loss, has been receiving attention recently with many studies showing a positive relation between tenure-secured indigenous forestlands and low deforestation rates in the Amazon region. Indigenous People usually live on resource-rich territory because they have protected and preserved their land for generations, thus making them targets both for extractive economic activities and to establish protected areas. In Brazil, protection of indigenous land has advanced in the last two decades, but there are still a lot of threats coming from (illegal) invaders mainly for logging, fishing and mining activities. Even though, recent studies have shown that the official recognition of indigenous lands, besides preserving forests, poses an inhibitory effect on illegal deforestation not only inside but in the boundaries of those lands. Nowadays, there are near 1,180,000 square kilometers of indigenous lands established in Brazil, equivalent to 14% of the national territory, most of them in the Brazilian Amazon region, comprising 24% of that region. Therefore, this thesis aims to show that improving indigenous lands environmental and territorial management is fundamental to the sustainable development of the country. Not only this is central to promote an inclusive and sustainable economic growth as well as the country will be much worse-off without protecting indigenous lands and its resources. Findings of this thesis are based on financial and economic cost-benefit analysis showing that costs of forest management and protection are much lower than costs of forest recovering, and benefits derived from sustainable land use are potentially much higher than benefits derived from exploitation of natural resources in a “business-as-usual” scenario.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Departamento de Economia, Brasília, 2019.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:ECO - Doutorado em Economia (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/35549/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.